Hos­pi­tal de S. João tem 22 mi­lhões pa­ra a pe­di­a­tria mas não po­de usá-los por­que Cen­te­no pre­ci­sa de­les pa­ra em­pres­tar ao No­vo Ban­co

Publico - Inimigo - - ESTÁ TUDO A CORRER BEM -

O JN ga­ran­te que o ca­la­mi­to­so ser­vi­ço de pe­di­a­tria do Hos­pi­tal de S. João tem 22 mi­lhões or­ça­men­ta­dos, pa­ra aca­bar com o ac­tu­al es­ta­do ter­cei­ro-mun­dis­ta das coi­sas, mas o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças não li­ber­ta a ver­ba por­que sim. Má­rio Cen­te­no ga­ran­te que não há ca­ti­va­ções na Saú­de (ri­sos), mas con­fes­sou a O INI­MI­GO que “22 mi­lhões de eu­ros dão-me jei­to pa­ra em­pres­tar ao No­vo Ban­co. E há o Montepio. E va­mos lá ver se a Cai­xa não pre­ci­sa de mais umas se­te ou oi­to re­ca­pi­ta­li­za­ções. E li n’A Bo­la que o bu­ra­co do BPN ain­da não es­tá ta­pa­do. En­fim, a on­co­lo­gia pediátrica do Por­to é im­por­tan­te mas o país tem ou­tras pri­o­ri­da­des”, ex­pli­ca o mi­nis­tro com o ha­bi­tu­al ri­so ner­vo­so de quem aca­bou de ser apa­nha­do a ca­ti­var ver­bas em cu­e­cas. MB

Cos­ta pro­me­te que ar­ran­ja fi­nan­ci­a­men­to em 48 ho­ras pa­ra ca­da quei­xu­me que se tor­ne vi­ral nas re­des so­ci­ais

A go­ver­nar os des­ti­nos do país é uma nó­doa, mas a re­a­gir a quei­xi­nhas nas re­des so­ci­ais es­te Go­ver­no es­tá ca­da vez mais es­pec­ta­cu­lar. A ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta do exe­cu­ti­vo co­me­çou a afi­nar de­pois do epi­só­dio bi­zar­ro das fes­tas no Pan­teão e a sua ime­di­a­ta proi­bi­ção e nun­ca mais pa­rou. A mal­ta do te­a­tro re­cla­mou e Cos­ta anun­ci­ou lo­go um re­for­ço de 2,2 mi­lhões de eu­ros. Du­as ho­ras lo­go após a in­dig­na­ção do dia com os me­ni­nos no cor­re­dor a fa­zer quí­mio, o Pri­mei­ro-Mi­nis­tro anun­ci­ou 22 mi­lhões de eu­ros pa­ra as obras na uni­da­de pediátrica do Hos­pi­tal de São João no Por­to. “O pro­ce­di­men­to ba­se é es­te. Não te­mos di­nhei­ro pa­ra gas­tar. O Cen­te­no tem lá as coi­sas de­le e não dei­xa. Mas se de­pois um gru­pi­nho de pes­so­as in­flu­en­tes nas re­des so­ci­ais se jun­ta por cau­sa de um as­sun­to qual­quer e a in­dig­na­ção co­me­ça a ter ade­são, te­mos de abrir os cor­dões à bol­sa pa­ra a mal­ta ca­lar-se. No má­xi­mo em 48 ho­ras te­mos de re­sol­ver o as­sun­to. Exis­tem mui­tas ou­tras si­tu­a­ções de enor­me in­jus­ti­ça so­ci­al em lo­ca­li­da­des que nin­guém co­nhe­ce e que tam­bém exi­gem uma in­ter­ven­ção ur­gen­te do Es­ta­do. Mas se aqui­lo só exis­te na vi­da real, se nin­guém fa­la da­qui­lo, se não tem en­ga­ja­men­to, li­kes e par­ti­lhas nas re­des so­ci­ais, não va­le a pe­na gas­tar tem­po e di­nhei­ro pa­ra re­sol­ver aqui­lo”, es­cla­re­ceu Cos­ta. JH

Me­di­na quer trans­por­te de mer­ca­do­ri­as em Lis­boa ex­clu­si­va­men­te por bi­ci­cle­ta

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lis­boa fi­cou hor­ro­ri­za­do com os aci­den­tes de vi­a­ção da Se­gun­da Cir­cu­lar na pas­sa­da ter­ça-fei­ra e quer mu­dar to­do o pa­ra­dig­ma do trans­por­te de mer­ca­do­ri­as na ci­da­de. “Odeio aque­les ca­miões to­dos a cir­cu­lar pe­la mi­nha ci­da­de. Aqui­lo é pa­ra quê? Mer­ca­do­ri­as? Lis­boa não pre­ci­sa de na­da des­tas coi­sas. Aqui­lo é enor­me, feio, an­ti­qua­do, tem um chei­ro mui­to ac­ti­vo a bor­ra­cha qu­ei­ma­da, faz mui­to ba­ru­lho, faz mui­to li­xo quan­do cai, não tem ele­gân­cia ne­nhu­ma, perturba os tu­ris­tas, ocu­pa imen­so espaço, po­lui hor­ro­res e ain­da por ci­ma der­ra­ma com­bus­tí­vel. Vou proi­bir a en­tra­da de ca­miões na ci­da­de de Lis­boa. Di­vi­dem as mer­ca­do­ri­as em por­ções mais pe­que­ni­nas e le­vam tu­do em bi­ci­cle­tas co­mo cer­ta­men­te se faz nas ci­da­des mais ele­gan­tes e am­bi­en­tal­men­te mais sus­ten­tá­veis. No futuro, os aci­den­tes de vi­a­ção em Lis­boa se­rão na pi­or das hi­pó­te­ses de um cho­que fron­tal en­tre uma mota eléc­tri­ca eCo­ol­tra de um en­tre­ga­dor de sushi da Uber Eats e uma bi­ci­cle­ta Gi­ra de um em­pre­en­de­dor do Airbnb. E de­pois o tuk tuk que es­ta­va atrás não vai con­se­guir tra­var a tem­po e vai em­ba­ter contra o bou­ti­que hos­tel. A Se­gun­da Cir­cu­lar vai es­tar cor­ta­da ao trân­si­to no má­xi­mo uns 5 mi­nu­tos. O Cor­reio da Ma­nhã nem vai ter tem­po de fil­mar na­da”, avi­sou Me­di­na. JH

Fal­tam pro­fes­so­res de Ma­te­má­ti­ca mas nin­guém con­se­gue cal­cu­lar o nú­me­ro cer­to

Os jor­nais no­ti­ci­a­ram a fal­ta de pro­fes­so­res de Ma­te­má­ti­ca, mas apa­ren­te­men­te nin­guém em Por­tu­gal con­se­gue con­ta­bi­li­zar exac­ta­men­te quan­tos exis­tem, quan­tos fal­tam e qual a di­fe­ren­ça en­tre um nu­me­ro e o ou­tro. O má­xi­mo que os por­tu­gue­ses que não ti­ve­ram au­las de Ma­te­má­ti­ca por fal­ta de pro­fes­so­res con­se­guem cal­cu­lar é que Por­tu­gal de­via ter mais 10 pro­fes­so­res, por­que é o nu­me­ro que con­se­guem so­mar jun­tan­do de­dos da mão. Di­ver­sos téc­ni­cos de pi­ro­tec­nia do Nor­te do país usa­ram a mes­ma téc­ni­ca de cal­cu­lo e con­cluí­ram que fal­tam se­te pro­fes­so­res de Ma­te­má­ti­ca em Por­tu­gal, en­quan­to Ca­ta­ri­na Martins ex­pli­cou que pre­fe­re alu­nos que te­nham pas­sa­do o se­cun­dá­rio a con­tar ane­do­tas e a lan­çar bom­bi­nhas de chei­ro nas au­las de Ma­te­má­ti­ca do que “cro-mag­nons das contas co­mo o Cen­te­no”. VE

Jo­sé Só­cra­tes contra as mu­dan­ças nos cur­rí­cu­los de Ma­te­má­ti­ca por­que só ago­ra co­me­çou a entender as contas do IRS

O Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção/Fen­prof vai al­te­rar os cur­rí­cu­los da Ma­te­má­ti­ca, mas Jo­sé Só­cra­tes, em di­rec­to no YouTu­be, ma­ni­fes­tou-se contra, ex­pli­can­do que só ago­ra es­tá a con­se­guir per­ce­ber as contas do IRS, no­me­a­da­men­te que se apre­sen­tar a de­cla­ra­ção en­quan­to ca­sal é uma de­cla­ra­ção que va­le por du­as, por­tan­to 1+1=2, so­ma que nun­ca ti­nha en­ten­di­do e que te­me ser com­pro­me­ti­da pe­los no­vos cur­rí­cu­los. Isa­bel dos San­tos já ma­ni­fes­tou o apoio às mu­dan­ças cur­ri­cu­la­res por­que, co­mo con­fes­sou, o seu for­te nun­ca fo­ram as contas e por is­so é in­di­fe­ren­te às ma­té­ri­as da­das em Ma­te­má­ti­ca, ao con­trá­rio de Miguel Rel­vas que sem­pre pau­tou a sua vi­da pe­lo pro­cu­ra per­ma­nen­te da ma­te­má­ti­ca não-eu­cli­di­a­na. Má­rio No­guei­ra quer que os cur­rí­cu­los de Ma­te­má­ti­ca sir­vam ape­nas pa­ra con­tar quan­tos eu­ros os pro­fes­so­res vão ser au­men­ta­dos. VE

Jo­sé Ma­ria Ric­ci­ar­di de­mi­tiu-se dos ór­gãos so­ci­ais do Spor­ting por­que os con­tri­buin­tes não fo­ram cha­ma­dos a res­ga­tar o clube

Jo­sé Ma­ria Ric­ci­ar­di de­mi­tiu-se dos ór­gãos so­ci­ais do Spor­ting, de­si­lu­di­do por, uma vez mais, os con­tri­buin­tes não irem em seu au­xi­lio. O ex-ad­mi­nis­tra­dor do BES pen­sa­va que o Fis­co pe­di­ria aos por­tu­gue­ses pa­ra res­ga­ta­rem o Spor­ting e pa­ga­rem os or­de­na­dos dos jogadores, a res­ci­são de 7 mi­lhões do Jorge Jesus e a po­ma­da pa­ra as cos­tas do Bruno de Carvalho, mas a in­gra­ti­dão dos con­tri­buin­tes por­tu­gue­ses amar­gu­rou o ex-ban­quei­ro, le­van­do a dei­tar a to­a­lha ao chão e a pe­dir aos con­tri­buin­tes pa­ra apa­nha­rem a to­a­lha do chão e pa­ga­rem a en­go­ma­do­ria. Jo­sé Ma­ria Ric­ci­ar­di vai tirar uns di­as na Com­por­ta e brin­car aos ad­mi­nis­tra­do­res da SAD do Ama­re­le­jen­se. VE

Rai­nha Le­ti­zia co­lo­ca-se en­tre Bruno e a opo­si­ção pa­ra im­pe­dir fo­to­gra as de­le dei­ta­do em mar­que­sas

Le­ti­zia to­mou-lhe o gos­to: de­pois de se ter in­tro­me­ti­do en­tre um ba­ta­lhão de fo­tó­gra­fos e a so­gra a po­sar com as ne­tas, a rai­nha de Es­pa­nha es­te­ve es­ta se­ma­na em Al­co­che­te pa­ra im­pe­dir os an­ti-bruno de apa­nhar Bruno a le­var es­ti­cões te­ra­pêu­ti­cos na co­lu­na dei­ta­do nu­ma mar­que­sa de en­fer­ma­gem. Le­ti­zia vol­tou a pro­var que é a Be­a­trix Kid­do des­ta mo­da­li­da­de an­ti-pa­pa­raz­zi e Bruno es­tá a pon­de­rar des­pe­dir Pa­trí­cio, Wil­li­am, Bas Dost e Bruno Fernandes, pa­ra jun­tar gui­to, por­que en­ten­de que o Spor­ting ac­tu­al pre­ci­sa mais de uma em­pa­ta-fo­tos do que da es­pi­nha dor­sal da equi­pa. MB

Cen­te­no acu­sa mi­nis­tros de se­rem me­ni­nos mi­ma­dos que só qu­e­rem é au­men­tar a des­pe­sa

O am­bi­en­te es­tá complicado no seio da Ge­rin­gon­ça. O to­do-po­de­ro­so Má­rio Cen­te­no an­da com o ego à sol­ta e quer man­dar nas ou­tras pes­so­as. O mi­nis­tro das Fi­nan­ças di­vul­gou no Fa­ce­bo­ok uma re­vi­são do dé­fi­ce no Pro­gra­ma de Es­ta­bi­li­da­de de 1,1% pa­ra 0,7% e os mi­nis­tros boi­co­ta­ram o Con­se­lho de Mi­nis­tros contra es­te ata­que or­ça­men­tal atra­vés de um co­mu­ni­ca­do con­jun­to e de­se­jam sair do go­ver­no. O mi­nis­tro das Fi­nan­ças já res­pon­deu em tom de ame­a­ça. “Mi­nis­tros amu­a­dos, en­tão va­mos re­sol­ver. Es­tas cri­an­ças mi­ma­das jul­gam que vão lon­ge mas des­ta vez a mi­nha pa­ci­ên­cia es­go­tou-se. Pa­ra eles é só ‘eu, eu, eu’ e ele pre­ci­sam de sa­ber que nas fi­nan­ças pú­bli­cas só há ‘nós’. Nin­guém es­tá aci­ma do Pre­si­den­te do Eu­ro­gru­po. Is­to não é o go­ver­no do Só­cra­tes on­de ca­da mi­nis­tro gas­ta o que quer. Te­mos de che­gar a 2019 com um dé­fi­ce pró­xi­mo de ze­ro. To­dos os mi­nis­tros que par­ti­lha­ram o co­mu­ni­ca­do es­tão sus­pen­sos e se for pre­ci­so go­ver­na­mos com boys da Ju­ven­tu­de So­ci­a­lis­ta”, ame­a­çou Cen­te­no no Fa­ce­bo­ok. O Pri­mei­ro-Mi­nis­tro An­tó­nio Cos­ta es­tá a ten­tar fa­zer o pa­pel de Jorge Jesus pa­ra acal­mar a Ge­rin­gon­ça. Je­ró­ni­mo de Sou­sa e Ca­ta­ri­na Martins pe­di­ram uma As­sem­bleia-Ge­ral pa­ra des­ti­tuir Má­rio Cen­te­no. JH

Juiz Mo­ro de­ci­de li­ber­tar Lu­la de­pois de ver Só­cra­tes na TV a de­fen­der a sua ino­cên­cia

O ex-pre­si­den­te do Bra­sil foi con­de­na­do a 12 anos e 1 mês de pri­são por cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro. Fi­cou pro­va­do em tri­bu­nal que Lu­la re­ce­beu uma vantagem ava­li­a­da em 2.2 mi­lhões de re­ais de uma em­prei­tei­ra em tro­ca do fa­vo­re­ci­men­to da em­pre­sa em con­tra­tos na Pe­tro­bras. Mas tu­do mu­dou quan­do o ex-Pri­mei­ro-Mi­nis­tro Jo­sé Só­cra­tes foi à TVI co­men­tar o ca­so. Fi­nal­men­te fez-se luz na ca­be­ci­nha do juiz fe­de­ral da 13.ª Va­ra Cri­mi­nal Fe­de­ral de Cu­ri­ti­ba. “O Só­cra­tes acha que a pri­são de Lu­la é ile­gal e in­cons­ti­tu­ci­o­nal. Ele tam­bém es­tá en­vol­vi­do num pro­ces­so em tri­bu­nal por cau­sa de um apar­ta­men­to e ele sa­be do que es­tá a fa­lar. Ele é mais uma ví­ti­ma do sis­te­ma que pren­de pes­so­as ino­cen­tes de esquerda. Ele dis­se que o Lu­la es­tá ino­cen­te e que não exis­tem pro­vas e eu pen­sei me­lhor so­bre is­to. Afi­nal an­dei es­tes anos to­dos a vi­o­lar a Cons­ti­tui­ção e a prender ino­cen­tes e não sa­bia. Se o Só­cra­tes não ti­ves­se di­to na­da, es­ta vi­o­lên­cia po­lí­ti­ca contra o ex-Pre­si­den­te ia man­ter-se du­ran­te 12 anos e eu sem sa­ber que es­ta­va en­ga­na­do. Pe­ço desculpa, não vol­ta a acon­te­cer. A par­tir des­te mo­men­to, o Lu­la es­tá li­vre da pri­são e po­de can­di­da­tar-se à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. Foi tu­do um equí­vo­co, não exis­te cor­rup­ção no Bra­sil fei­ta por pes­so­as do PT. Obri­ga­do Jo­sé Só­cra­tes pe­la rec­ti­fi­ca­ção. Abre o olho, Su­per Juiz Car­los Alexandre! Es­ta­mos sem­pre a apren­der. A di­rei­ta não vai ga­nhar! Vo­ta Lu­la, vo­ta Só­cra­tes”, con­fes­sou o juiz Mo­ro. JH

Jesus sai do con ito do Spor­ting co­mo es­ta­dis­ta e es­tá na ca­lha pa­ra subs­ti­tuir Cen­te­no na Ge­rin­gon­ça

No meio do sur­to psi­có­ti­co de Bruno de Carvalho e da cri­se do Spor­ting, um ho­mem des­ta­cou-se no meio de to­do es­te pro­ces­so. Se­re­no, ra­ci­o­nal, pon­de­ra­do, Jorge Jesus jun­tou as pon­tas soltas, do­mes­ti­cou o Pre­si­den­te do Spor­ting im­pe­din­do os processos dis­ci­pli­na­res contra os jogadores e con­se­guiu unir to­do o plantel e os adep­tos em tor­no de si. Com mais um ano de con­tra­to, o trei­na­dor po­de­rá mu­dar de pro­fis­são. As su­as qua­li­da­des não fo­ram ig­no­ra­das pe­lo Pri­mei­ro-Mi­nis­tro An­tó­nio Cos­ta, que pro­cu­ra um me­di­a­dor pa­ra re­sol­ver o con­fli­to ins­ta­la­do na Ge­rin­gon­ça de­pois do des­gas­te de três anos de Má­rio Cen­te­no no go­ver­no. “Eu es­tou sem­pre do la­do das pes­so­as mais des­fa­vo­re­ci­das. O meu Pro­gra­ma de Es­ta­bi­li­da­de tem um dé­fi­ce de 3% e não 0,7%. Ago­ra va­mos ter di­nhei­ro pa­ra Edu­ca­ção, Saú­de e Cul­tu­ra. A Ca­ta­ri­na Martins e o Je­ró­ni­mo de Sou­sa gos­ta­ram de mim e apoi­am-me. Co­mi­go à fren­te das Fi­nan­ças va­mos con­se­guir pro­lon­gar a Ge­rin­gon­ça até 2023. Ago­ra é que va­mos mes­mo vi­rar a pá­gi­na da aus­te­ri­da­de. Bar­da­mer­da pa­ra Bru­xe­las”, anun­ci­ou Jorge Jesus. JH

Saí­da de Bruno de Carvalho do ‘Fa­ce­bo­ok’ fez a re­de so­ci­al re­cu­pe­rar os 70 mil mi­lhões de dó­la­res que ti­nha per­di­do nas úl­ti­mas se­ma­nas

O “Fa­ce­bo­ok” per­deu 70 mil mi­lhões de eu­ros nas úl­ti­mas se­ma­nas de­vi­do ao es­cân­da­lo da ven­da de da­dos pes­so­ais dos uti­li­za­do­res da re­de so­ci­al, mas te­rá recuperado a con­fi­an­ça dos aci­o­nis­tas quan­do Bruno de Carvalho de­ci­diu fe­char a sua con­ta. A no­tí­cia da saí­da do pre­si­den­te le­o­ni­no da re­de so­ci­al pre­ci­pi­tou uma cor­ri­da às ac­ções do Fa­ce­bo­ok por­que os in­ves­ti­do­res con­si­de­ram que vai vol­tar a ser uma pla­ta­for­ma que não trans­mi­te “fa­ke news” co­mo te­o­ri­as da cons­pi­ra­ção so­bre os jogadores do Spor­ting e fo­to­gra­fi­as do Bruno de Carvalho dei­ta­do nu­ma ma­ca a fa­zer-se pas­sar por Ho­mer Simp­son a dor­mir. Ca­so a Ma­ria Vi­ei­ra tam­bém aban­do­ne o Fa­ce­bo­ok, Má­rio Cen­te­no ad­mi­te aju­dar ain­da mais o Mark Zuc­ker­berg e pe­dir aos con­tri­buin­tes por­tu­gue­ses pa­ra res­ga­ta­ram-lhe a em­pre­sa. VE

In­di­ví­du­os eram con­si­de­ra­dos umas bes­tas mas ago­ra a nal ape­nas pa­de­cem da sín­dro­me de bur­nout

O in­cên­dio de Pe­dró­gão Gran­de trou­xe o down

burst e a cri­se no Spor­ting es­tá a di­vul­gar um no­vo dis­túr­bio psí­qui­co mui­to na mo­da no mun­do mo­der­no. O mé­di­co Edu­ar­do Bar­ro­so afir­mou que o pre­si­den­te do Spor­ting, Bruno de Carvalho, ti­nha en­tra­do num es­ta­do de ‘bur­nout’, enor­me es­go­ta­men­to fí­si­co e men­tal cau­sa­do pe­la de­di­ca­ção in­ten­sa e exa­ge­ra­da à vi­da pro­fis­si­o­nal sem mo­men­tos de re­la­xa­men­to. O me­di­a­tis­mo da sín­dro­me já es­tá a ser usa­do pe­las pes­so­as co­mo desculpa pa­ra tu­do o que fa­zem. “An­ti­ga­men­te eu era ape­nas uma bes­ta. Um ti­po mal-edu­ca­do, um pu­lha ego­cên­tri­co e au­to­ri­tá­rio que não res­pei­ta­va os ou­tros. Ago­ra ganhei um no­me es­tran­gei­ro e sin­to-me es­pe­ci­al. Eu pos­so ser as­sim por­que eu es­tou a so­frer e as pes­so­as têm de res­pei­tar is­so. Eu sou uma vi­ti­ma des­ta vi­da mo­der­na, chi­que e cos­mo­po­li­ta em que não exis­te espaço pa­ra a vi­da pes­so­al. Não sou uma bes­ta, ape­nas te­nho bur­nout. Es­tou a ado­rar”, ad­mi­tiu um in­di­ví­duo que so­fre de bur­nout. JH

His­to­ri­a­do­ra Ire­ne Pi­men­tel re­ve­la que ‘Sa­la­zar ti­nha um cer­to des­pre­zo pe­los por­tu­gue­ses’ e que ‘pre­fe­ria sushi a um bom co­zi­do’

Ire­ne Pi­men­tel re­ve­lou em en­tre­vis­ta que “Sa­la­zar ti­nha um cer­to des­pre­zo pe­los por­tu­gue­ses” e, por is­so, que pre­fe­ria co­mer sushi, ham­búr­gue­res e ce­vi­ches em vez de um pa­trió­ti­co Co­zi­do à Por­tu­gue­sa. A his­to­ri­a­do­ra re­ve­lou que Oli­vei­ra Sa­la­zar pro­vou cer­ta vez um co­zi­do, mas ma­ni­fes­tou um cer­to des­pre­zo pe­la ore­lha de por­co e pe­los en­chi­dos de san­gue, que co­lo­cou no pra­to de An­tó­nio Fer­ro, pre­fe­rin­do co­mer uma so­pa do co­zi­do, pe­la qual tam­bém ti­nha des­pre­zo por­que fazia-lhe lem­brar uma ver­são por­tu­gue­sa e me­dío­cre do mi­nes­tro­ne ita­li­a­no. Já o tam­bém his­to­ri­a­dor Fer­nan­do Ro­sas re­ve­lou que Oli­vei­ra Sa­la­zar ti­nha um cer­to des­pre­zo pe­las de­ze­nas de mi­nis­tros e fi­gu­ras do Es­ta­do No­vo que se­gun­do São Jo­sé Cor­reia eram ho­mos­se­xu­ais por­que o di­ta­dor con­si­de­ra­va que ai, es­ta­vam a ar­mar-se em mo­der­ni­nhos. Oli­vei­ra Sa­la­zar tam­bém ti­nha um cer­to des­pre­zo pe­los es­pa­nhóis des­de que pas­sou a vi­a­gem de fi­na­lis­tas do se­mi­ná­rio, com o co­le­ga de tur­ma Manuel Ce­re­jei­ra, em Llo­ret del Mar. VE

Al­te­ra­ções cli­má­ti­cas: mar mais quente traz no­vos pei­xes pa­ra a cos­ta por­tu­gue­sa e a mai­o­ria já chega co­zi­da

As al­te­ra­ções cli­má­ti­cas es­tão a aque­cer as águas do mar e es­se fe­nó­me­no faz com que ca­da vez mais pei­xes di­fe­ren­tes sur­jam na cos­ta por­tu­gue­sa, nor­mal­men­te já co­zi­dos com um ovo e uns gre­los ao la­do. Os der­ra­mes de com­bus­tí­vel dos na­vi­os tam­bém aque­cem imen­so quan­do en­tram em con­tac­to com a água e on­tem mes­mo sur­gi­ram nas cos­tas por­tu­gue­sas, por is­so, um car­du­me in­tei­ro de pe­tin­gas e ja­quin­zi­nhos fri­tos com um ar­roz de to­ma­te ma­lan­dri­nho, ten­do o BE e o PCP acu­sa­do o so­mí­ti­co Má­rio Cen­te­no de co­mer tu­do nos ja­quin­zi­nhos, in­cluin­do a ca­be­ça e as es­pi­nhas. Ba­rack Oba­ma jun­tou-se on­tem a um co­ro de vo­zes que exi­ge a di­mi­nui­ção da tem­pe­ra­tu­ra das águas do mar pa­ra que vol­tam a sur­gir na cos­ta por­tu­gue­sa dou­ra­di­tos ul­tra-congelados do ca­pi­tão Iglo. VE

No­bre com mais tí­tu­los em Es­pa­nha ad­mi­te frus­tra­ção por ain­da lhe fal­tar uma Cham­pi­ons

Vic­to­ria Hohen­lohe é a mu­lher com mais tí­tu­los em Es­pa­nha: são 43 tí­tu­los de no­bre­za e uma mão- -cheia de tí­tu­los no sal­to em al­tu­ra e no es­qui al­pi­no. Mas Vic­to­ria ad­mi­te que vi­ve com a frus­tra­ção de lhe fal­tar o tí­tu­lo mais im­por­tan­te, o da Cham­pi­ons, e não di­ria que não a um tro­féu de mais sexy do CM. O Jo­go avan­ça­va on­tem que Vic­to­ria é uma frau­de, e po­de não ser a pes­soa com mais tí­tu­los em Es­pa­nha, da­do que Ini­es­ta, Mes­si ou Ro­nal­do têm bem mais con­quis­tas, tan­to in­di­vi­du­ais, co­mo em equi­pa, fo­ra os CD de Ká­tia. MB

Rya­nair ad­mi­te lan­çar fun­ci­o­ná­ri­os do avião que di­fa­mem a em­pre­sa contra más prá­ti­cas la­bo­rais

A com­pa­nhia Rya­nair ad­mi­te co­me­çar a lan­çar de aviões to­dos os fun­ci­o­ná­ri­os que di­fa­mem a em­pre­sa com acu­sa­ções de más prá­ti­cas la­bo­rais. “É uma ver­go­nha que nos acu­sem de mal­tra­tar os fun­ci­o­ná­ri­os se nós nem se­quer des­con­ta­mos no sa­lá­rio os pára-que­das que lhes da­mos quan­do os lan­ça­mos dos aviões”, ga­ran­tiu Mi­cha­el O´Le­ary. O INI­MI­GO PÚ­BLI­CO ten­tou ob­ter uma re­ac­ção de um fun­ci­o­ná­rio lan­ça­do do voo Lon­dres-Lis­boa da pas­sa­da quar­ta-fei­ra mas não foi pos­sí­vel por es­tar a ten­tar re­co­lher o cé­re­bro do chão. AP

Por­tu­gue­ses fa­zem me­nos exer­cí­cio e só se le­van­tam do ban­co de su­plen­tes de Al­va­la­de com aju­da

Um es­tu­do re­cen­te con­cluiu que 29% dos por­tu­gue­ses não me­xem uma pa­lha e que con­si­de­ram o le­van­ta­men­to da gar­ra­fa de mini até à bo­ca co­mo exer­cí­cio fí­si­co q.b. pa­ra um dia. A mes­ma in­ves­ti­ga­ção permitiu per­ce­ber que a fai­xa etá­ria dos 40 anos tem ex­tre­ma di­fi­cul­da­de em le­van­tar-se so­zi­nha do ban­co de su­plen­tes do es­tá­dio de Al­va­la­de, em es­pe­ci­al se per­ce­ber que vai le­var uma vaia, len­ços bran­cos ou mi­mos que as pes­so­as pre­fe­ri­ram não di­ri­gir às pró­pri­as fa­mí­li­as. MB

Já não há bi­lhe­tes pa­ra o Ben ca x FC Por­to mas ain­da há cen­trais pa­ra o FC Bruno x Spor­ting

Já não há bi­lhe­tes pa­ra o Ben­fi­ca x FC Por­to de do­min­go mas quem apre­cia um es­pec­tá­cu­lo de ou­tra na­tu­re­za, que não me­re­ceu apoio da DGAr­tes, ain­da po­de com­prar cen­trais e lu­ga­res em pé pa­ra o FC Bruno x Spor­ting. Bruno pa­re­ce de­ci­di­do a tru­ci­dar os ad­ver­sá­ri­os in­ter­nos e tu­do in­di­ca que es­tá dis­pos­to a le­var o clube atrás e a co­lo­car o bru­nis­mo à fren­te do spor­tin­guis­mo e o al­truís­mo atrás do um­bi­guis­mo. “O Bruno só pre­ci­sa de fe­char as pes­ta­nas uns di­as. Vai vol­tar ri­jo e pronto pa­ra ame­a­çar o Bas Dost e dei­tar abai­xo o Co­a­tes e o Gel­son co­mo an­tes”, pro­me­te o apoi­an­te Edu­ar­do Bar­ro­so. MB

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.