Os Gra­te­ful De­ad vão ter um fil­me e Scor­se­se es­tá “or­gu­lho­so”

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Quan­do o gui­tar­ris­ta e vo­ca­lis­ta Jer­ry Gar­cia mor­reu em 1995, vi­mos nu­ma das re­por­ta­gens as­si­na­lan­do o de­sa­pa­re­ci­men­to do fun­da­dor dos Gra­te­ful De­ad um ve­te­ra­no de ca­mi­so­la mui­to co­lo­ri­da, mui­to psi­ca­dé­li­ca, bar­ba já gri­sa­lha e fi­ta na ca­be­ça, ex­cla­mar: “Ago­ra sim, aca­ba­ram os anos 1960.” Fa­zia sen­ti­do o la­men­to. Os Gra­te­ful De­ad, ban­da em di­gres­são in­ter­mi­ná­vel, fo­ram um fe­nó­me­no cul­tu­ral que, du­ran­te 30 anos, pro­lon­gou o es­pí­ri­to li­ber­tá­rio e con­tra­cul­tu­ral dos six­ti­es em ca­da um dos con­cer­tos, em ca­da uma das im­pro­vi­sa­ções de meia ho­ra ofe­re­ci­das aos fiéis De­adhe­ads, os fãs que es­co­lhe­ram co­mo op­ção de vi­da acom­pa­nhar a ban­da por on­de quer que ela an­das­se. A história dos Gra­te­ful De­ad, ama­dos e odi­a­dos, elo­gi­a­dos e des­va­lo­ri­za­dos em igual me­di­da, tem to­dos os in­gre­di­en­tes pa­ra dar um bom fil­me. E da­rá mes­mo - se se­rá bom ou não, is­so só sa­be­re­mos em 2015, ano em que pas­sa­rão cin­co dé­ca­das des­de o nas­ci­men­to da ban­da e em que es­tre­a­rá um do­cu­men­tá­rio, re­a­li­za­do por Amir Bar-Lev, que con­ta com Mar­tin Scor­se­se na pro­du­ção exe­cu­ti­va. Scor­se­se, que an­dou de câmara ao om­bro em 1969, em Wo­ods­tock, en­quan­to as­sis­ten­te de re­a­li­za­ção, que re­a­li­zou o his­tó­ri­co The Last Waltz (1978), so­bre o úl­ti­mo con­cer­to da The Band, que nos ofe­re­ceu, mais re­cen­te­men­te, No Di­rec­ti­on Ho­me, so­bre Bob Dy­lan, e Li­ving In The Ma­te­ri­al World, de­di­ca­do a Ge­or­ge Har­ri­son, e que tra­ba­lha há al­gum tem­po num anun­ci­a­do biopic de Frank Si­na­tra, es­tá en­tu­si­as­ma­do. “Os Gra­te­ful De­ad fo­ram mais do que sim­ples­men­te uma ban­da. Ha­bi­ta­vam o seu próprio pla­ne­ta, po­vo­a­do por mi­lhões de fãs de­vo­tos. Sin­to-me mui­to fe­liz por es­te fil­me es­tar a ser fei­to e or­gu­lho­so do meu en­vol­vi­men­to”, ci­ta-o a Va­ri­ety. O en­tu­si­as­mo é re­cí­pro­co. Phil Lesh, Bob Weir, Bill Kreutz­mann e Mic­key Hart, ou se­ja, os Gra­te­ful De­ad, emi­ti­ram um co­mu­ni­ca­do con­jun­to on­de se lia: “Ao lon­go dos anos fo­ram con­ta­das mi­lhões de his­tó­ri­as so­bre os Gra­te­ful De­ad. Com a apro­xi­ma­ção do nos­so 50.º ani­ver­sá­rio, pen­sá­mos ter che­ga­do a al­tu­ra pa­ra ser­mos nós a con­tar uma e Ami [Bar-Lev] é o ho­mem per­fei­to pa­ra o fa­zer.” Os Gra­te­ful De­ad de­ram o seu pri­mei­ro con­cer­to em 1965, quan­do ain­da usa­va o no­me do pri­mei­ro bap­tis­mo, The War­locks. Nos anos se­guin­tes, tor­nar-se-ia um íco­ne da con­tra­cul­tu­ra ame­ri­ca­na, ac­tu­an­do co­mo ban­da re­si­den­te dos cha­ma­dos Acid Tests de Ken Ke­sey, au­tor de Voando So­bre um Ni­nho de Cu­cos, nes­se tem­po em que o LSD era ain­da uma dro­ga le­ga­li­za­da. He­róis do rock psi­ca­dé­li­co na dé­ca­da de 1960 e pre­cur­so­res do coun­try-rock no iní­cio da se­guin­te, trans­for­ma­ram­se nu­ma ver­da­dei­ra ins­ti­tui­ção ame­ri­ca­na. Até à mor­te de Jer­ry Gar­cia, fo­ram íco­nes cul­tu­rais ina­mo­ví­veis, por mais ana­cró­ni­cos que pa­re­ces­sem aos olhos de mui­tos (a ge­ra­ção punk, em par­ti­cu­lar).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.