“É pre­ci­so ca­mi­nhar, ir por ci­ma dos ped

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Há 12 anos, des­de a re­tros­pec­ti­va do Cen­tro Cul­tu­ral de Be­lém, que José Pedro Croft (n. 1957) não apre­sen­ta­va em Por­tu­gal um tão sig­ni­fi­ca­ti­vo con­jun­to de tra­ba­lhos. De­se­nho e gra­vu­ra na Fun­da­ção Car­mo­na e Cos­ta, es­cul­tu­ra na Cor­do­a­ria Na­ci­o­nal — du­as par­tes que com­põem uma mes­ma ex­po­si­ção, Ob­jec­tos Ime­di­a­tos.

Com co­mis­sa­ri­a­do de Del­fim Sar­do, in­clu­em-se, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te, tra­ba­lhos dos úl­ti­mos dois anos. Ape­sar de as gra­vu­ras re­cu­pe­ra­rem cha­pas ini­ci­al­men­te fei­tas em 1999. No ano pas­sa­do, Croft vol­tou a elas. Li­xou-as, des­truin­do o de­se­nho ori­gi­nal, e vol­tou a gra­vá-las, a par­tir de fan­tas­mas do que lá es­ti­ve­ra an­tes. “Sem des­trui­ção não há cri­a­ção”, diz. “Pri­mei­ro tem de ha­ver mor­te pa­ra que ha­ja as se­men­tes que tal­vez flo­res­çam e tra­gam uma no­va Pri­ma­ve­ra.” As gra­vu­ras na ex­po­si­ção da Fun­da­ção Car­mo­na e Cos­ta sur­gem a par­tir de um pro­ces­so de ra­su­ra: são fei­tas em cha­pas an­ti­gas que são des­truí­das e re­fei­tas. Porquê vol­tar as­sim atrás no tem­po? Por­que se ca­lhar não é vol­tar atrás. Não saio da mes­ma rua es­trei­ta. Não saio dos mes­mos li­mi­tes. Mas é co­mo se, sem sair des­ses li­mi­tes, me obri­gas­se a fa­zer um es­pa­ço com­ple­ta­men­te no­vo. Os re­sul­ta­dos são com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes. Por exem­plo, o li­vro do Per­si­les [ Os Tra­ba­lhos de Per­si­les e Si­gis­mun­da, de Miguel de Cer­van­tes]. É um li­vro mui­to cu­ri­o­so, es­cri­to no fim da vi­da de Cer­van­tes. Cer­van­tes sa­bia que es­ta­va a mor­rer e ti­nha um pro­ble­ma: achava que o Qui­xo­te não era su­fi­ci­en­te­men­te eru­di­to. Era um ro­man­ce de aven­tu­ras e ca­va­la­ria, não ti­nha a re­fe­rên­cia da Re­nas­cen­ça ao mun­do clás­si­co que ele, [no Per­si­les], faz a par­tir de uma rein­ter­pre­ta­ção da Ilía­da e da Odis­seia, uma pe­re­gri­na­ção que vai de Tân­ger a Ro­ma, pas­san­do por Mar­ro­cos, Es­pa­nha, Gro­ne­lân­dia, Is­lân­dia, Sué­cia, Di­na­mar­ca, Fran­ça. Pa­ra [evo­car] a che­ga­da a Ro­ma es­co­lhi a ima­gem de uns santos que es­tão nu­ma sa­cris­tia nos Aço­res. Agar­rei na fo­to­gra­vu­ra, en­ver­ni­zei-a e fui ris­can­do até res­tar ape­nas uma man­cha abs­trac­ta. Po­de-se en­tre­ver o Cris­to ja­cen­te e as co­ro­as [dos santos]. É uma gra­vu­ra que é de tal ma­nei­ra des­man­cha­da e re­fei­ta que já não a re­co­nhe­ces. Fi­cam ape­nas mar­ca­ções. É co­mo trans­for­mar ob­jec­tos em es­pec­tros ou pe­que­nas pe­ga­das. É co­mo se fos­se apa­gan­do tu­do e dei­xan­do ape­nas pe­que­nos in­dí­ci­os. Acon­te­ce que um pe­que­no in­dí­cio trans­por­ta to­da uma história. É o efei­to da ma­da­le­na do Proust — um ele­men­to apa­ren­te­men­te in­sig­ni­fi­can­te atrás do qual vem to­da a nar­ra­ti­va. Cla­ro. O que é fas­ci­nan­te nas ar­tes plás­ti­cas é a gran­de con­fu­são de pen­sar que aqui­lo que se mos­tra é aqui­lo que há pa­ra ver quan­do, na re­a­li­da­de, aqui­lo que se mos­tra é só a pon­ta do ice­ber­gue. Mos­tra­mos ob­jec­tos — pin­tu­ras, es­cul­tu­ras, gra­vu­ras, de­se­nhos... —, quan­do, na re­a­li­da­de, es­ta­mos a di­zer tu­do o que não es­tá nes­se ges­to mas é ar­ras­ta­do por ele. A obra não se es­go­ta na­qui­lo que es­ta­mos a ver, mas em to­da uma his­tó-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.