Del­fim Sar­do, da ar­te pa­ra a ar­qui­tec­tu­ra pa­ra a ar­te

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Ao lon­go do to­do o sé­cu­lo XX, ar­te e ar­qui­tec­tu­ra fo­ram-se cru­zan­do e fun­din­do, ques­ti­o­nan­do-se mu­tu­a­men­te até à cri­a­ção de cam­pos hí­bri­dos. Em Por­tu­gal, Del­fim Sar­do tem vin­do a fa­zer a pon­te en­tre as du­as áre­as.

Nor­mal­men­te, re­cu­ar dez anos per­mi­te afe­rir a per­ma­nên­cia ou in­cons­tân­cia de qual­quer coi­sa. E há dez anos Del­fim Sar­do es­ta­va a en­trar, co­mo di­rec­tor, no an­ti­go Cen­tro de Ex­po­si­ções do Cen­tro Cul­tu­ral de Be­lém — ho­je Mu­seu Be­rar­do. Em 2004, a pri­mei­ra ex­po­si­ção que co­mis­sa­ri­ou foi Pés no chão, ca­be­ça no céu, a gran­de re­tros­pec­ti­va de­di­ca­da a He­le­na Al­mei­da. De­pois, hou­ve du­as mos­tras de re­vi­são da Co­lec­ção Be­rar­do: Aqui e ago­ra: em tor­no do mi­ni­mal na Co­lec­ção Be­rar­do e Cons­truir, des­cons­truir, ha­bi­tar. Por fim, já em 2005, três in­di­vi­du­ais im­por­tan­tes: uma de­di­ca­da à dupla de ar­qui­tec­tos Ai­res Ma­teus, ou­tra à ar­tis­ta plás­ti­ca bra­si­lei­ra Adri­a­na Va­re­jão e uma úl­ti­ma à ale­mã Sa­bi­ne Hor­nig.

To­das es­tas ex­po­si­ções con­vo­ca­vam di­fe­ren­tes for­mas de li­dar com a es­pa­ci­a­li­da­de. Tal co­mo, ho­je, uma dé­ca­da vol­vi­da, acon­te­ce com as du­as ex­po­si­ções que o mes­mo co­mis­sá­rio aca­ba de or­ga­ni­zar e inau­gu­rar.

Em Lis­boa, en­tre a Fun­da­ção Car­mo­na e Cos­ta e a Cor­do­a­ria Na­ci­o­nal, Ob­jec­tos Ime­di­a­tos reú­ne o mais sig­ni­fi­ca­ti­vo cor­po de obras de José Pedro Croft pu­bli­ca­men­te apre­sen­ta­do des­de a re­tros­pec­ti­va de há 12 anos no Cen­tro Cul­tu­ral de Be­lém; no Por­to, em Ser­ral­ves, O Pro­ces­so SAAL: Ar­qui­tec­tu­ra e Par­ti­ci­pa­ção 1974-1976 re­vê a ac­ção e as con­sequên­ci­as do Ser­vi­ço Am­bu­la­tó­rio de Apoio Lo­cal, o pro­gra­ma pú­bli­co li­de­ra­do pe­lo ar­qui­tec­to Nuno Por­tas que, du­ran­te o PREC, vi­sou col­ma­tar as ca­rên­ci­as de ha­bi­ta­ção das po­pu­la­ções mais des­fa­vo­re­ci­das do país. A co­e­xis­tên­cia das du­as no tem­po é uma coin­ci­dên­cia com pou­cas afi­ni­da­des. Mas ilus­tra o in­te­res­se cru­za­do de Sar­do por ar­te e ar­qui­tec­tu­ra, um in­te­res­se cla­ra­men­te for­ma­li­za­do quan­do, em 2010, es­te co­mis­sá­rio mi­grou tem­po­ra­ri­a­men­te dos mu­seus e ga­le­ri­as de ar­te pa­ra o co­mis­sa­ri­a­do ge­ral da Tri­e­nal de Ar­qui­tec­tu­ra.

“In­te­res­sa-me a ma­nei­ra co­mo o in­te­res­se pe­lo es­pa­ço re­al foi emer­gin­do ao lon­go da história do mun­do mo­der­no”, diz.

O es­pa­ço re­al, pois: “aque­le em que o nos­so cor­po se mo­ve e em que sen­ti­mos a ima­nên­cia da vi­da” — um es­pa­ço que, a par­tir das pri­mei­ras van­guar­das, se ve­ria ca­da vez mais con­vo­ca­do pa­ra o in­te­ri­or da “ge­né­ri­ca trans­cen­dên­cia” da re­fle­xão so­bre a es­pa­ci­a­li­da­de fei­ta pe­las ar­tes plás­ti­cas.

“O es­pa­ço de­fi­ne a for­ma de re­pre­sen­ta­ção que pro­du­zi­mos do mun­do. Não só: o es­pa­ço é a nos­sa for­ma de re­pre­sen­ta­ção da pos­si­bi­li­da­de do mun­do”, ar­gu­men­ta Del­fim Sar­do no tex­to Quan­do a ar­te fa­la ar­qui­tec­tu­ra, es­cri­to a pro­pó­si­to de Cons­truir, des­cons­truir, ha­bi­tar.

Nes­se tex­to, Sar­do re­cor­da co­mo já em 1926, em vi­a­gem pe­la Rús­sia, Al­fred H. Barr, fu­tu­ro di­rec­tor do Mo­MA, em No­va Ior­que, se la­men­ta­va de te­rem de­sa­pa­re­ci­do to­dos os gran­des pin­to­res des­se país, cons­ta­tan­do que os fu­tu­ris­tas e mes­mo os su­pre­ma­tis­tas em tor­no de Ma­le­vit­ch ti­nham mi­gra­do pa­ra a ar­qui­tec­tu­ra, o fil­me, o de­sign e a fo­to­mon­ta­gem, “áre­as mais ac­ti­vas, mais pró­xi­mas do ‘re­al’ e, por­tan­to, mais em sin­to­nia com o seu tem­po”.

O Es­pa­ço Proun eo Ga­bi­ne­te Pa­ra a Ar­te Abs­trac­ta, de Lis­sitzky, o Mo­nu­men­to à 3ª In­ter­na­ci­o­nal, de Ta­tlin, as re­fle­xões de Pi­cas­so e Bra­que so­bre a trans­cri­a­ção da tri­di­men­si­o­na­li­da­de do mun­do re­al pa­ra a bi­di­men­si­o­na­li­da­de da te­la. Es­cre­ve Sar­do: “Po­de­ría­mos di­zer que a re­la­ção en­tre ar­te e ar­qui­tec­tu­ra acom­pa­nha o sé­cu­lo XX des­de as pri­mei­ras van­guar­das, de­fi­nin­do um ter­ri­tó­rio hí­bri­do no qual as prá­ti­cas ar­tís­ti­cas e ar­qui­tec­tó­ni­cas se com­bi­nam.”

O cru­za­men­to de prá­ti­cas é efec­ti­vo. No en­tan­to, Sar­do su­bli­nha que “a ne­ces­si­da­de de dis­tin­guir prá­ti­ca ar­tís­ti­ca de prá­ti­ca ar­qui­tec­tó­ni­ca é tan­to mai­or quan­to mais in­ten­so é o cru­za­men­to en­tre am­bas”.

Her­dei­ras de di­fe­ren­tes tra­di­ções, en­tre ar­te e ar­qui­tec­tu­ra há cli­va­gens de­ter­mi­nan­tes: “A ar­qui­tec­tu­ra tra­ba­lha so­bre a re­a­li­da­de do es­pa­ço vi­ven­ci­al, e a ar­te tra­ba­lha so­bre os me­ca­nis­mos de re­pre­sen­ta­ção de es­pa­ci­a­li­da­de”. “Es­ta di­fe­ren­ça, por ve­zes vo­lun­ta­ri­a­men­te es­que­ci­da por am­bas as par­tes, pos­sui uma po­ten­ci­a­li­da­de de equí­vo­co no­tó­ria”, diz Sar­do. Uma po­ten­ci­a­li­da­de de equí­vo­co vi­sí­vel em mui­tas ex­po­si­ções de ar­qui­tec­tu­ra, “em que es­ta se com­por­ta co­mo a rei­fi­ca­ção ob­jec­tu­al da ar­te trans­for­ma­da em ma­nei­ris­mo”, e na prá­ti­ca ar­tís­ti­ca, “se­du­zi­da pe­la no­ção de pro­jec­to, ago­ra sem ob­jec­to”.

“É im­por­tan­te que, no sal­to que a ar­qui­tec­tu­ra e as ar­tes dão na di­rec­ção dos seus ter­re­nos li­mí­tro­fes, não per­cam nun­ca a cons­ci­ên­cia cla­ra do seu ter­ri­tó­rio e da sua es­pe­ci­fi­ci­da­de, sob pe­na de apos­ta­rem num cam­po que per­de a cons­ci­ên­cia do seu ca­rác­ter ne­go­ci­a­do e, por­tan­to, a sua in­ten­si­da­de crítica.” V.R.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.