Uar­to a quar­to

Publico - Ipsilon - - Sumário -

As ima­gens aci­ma (à di­rei­ta) re­gis­tam as pri­mei­ras ma­ni­fes­ta­ções con­jun­tas de su­ba­lu­gas e co­mis­sões de mo­ra­do­res e uma ma­ni­fes­ta­ção dos mo­ra­do­res li­ga­dos ao SAAL/ Nor­te, em Ja­nei­ro de 1975 ou­ve um mo­men­to em que foi da­da a pa­la­vra às mu­lhe­res, nu­ma reu­nião nas Be­las Ar­tes. Elas fa­la­vam ‘à mo­da do Por­to’, com a vi­va­ci­da­de e o co­lo­ri­do que são bem co­nhe­ci­dos, so­bre a sua vi­da nas ‘ilhas’: os ra­tos a pas­se­ar so­bre as ca­mas, os co­gu­me­los a cres­cer nas pa­re­des, as fos­sas a ver­ter. E es­ta­vam zan­ga­das com o pre­si­den­te da Câmara. Uma vez, fo­ram re­ce­bi­das no edi­fí­cio da Câmara, e quan­do vi­ram aque­les es­pe­lhos to­dos, e co­mo aí se ‘vi­via’, até pa­re­cia que que­ri­am ati­rar o pre­si­den­te pe­la ja­ne­la — qua­se pa­re­cia a Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa, ou, pe­lo me­nos, um fil­me do Buñu­el.”

Ma­ria Pro­en­ça, so­ció­lo­ga re­for­ma­da, re­cor­da as­sim um dos epi­só­di­os que vi­veu nes­ses “anos de bra­sa” do pro­ces­so SAAL (Ser­vi­ço Am­bu­la­tó­rio de Apoio Lo­cal), en­tre 1974 e 1976, quan­do um vas­to con­jun­to de ar­qui­tec­tos e es­tu­dan­tes de ar­qui­tec­tu­ra, em ar­ti­cu­la­ção di­rec­ta com as co­mis­sões de mo­ra­do­res, se lan­ça­ram na mu­dan­ça das con­di­ções de ha­bi­ta­ção e de vi­da de po­pu­la­ções por to­do o país.

Ma­ria Pro­en­ça era, à épo­ca, fun­ci­o­ná­ria do Fun­do de Fo­men­to da Ha­bi­ta­ção (FFH); ofe­re­ceu-se pa­ra par­ti­ci­par nes­sa mis­são e, con­vi­da­da por Nuno Por­tas, tor­nou-se co­or­de­na­do­ra, e de­pois di­rec­to­ra-ge­ral, do SAAL. Nuno Por­tas, ar­qui­tec­to e ur­ba­nis­ta, era o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Ha­bi­ta­ção e Ur­ba­nis­mo, que lan­ça­ra o des­pa­cho de 8 de Agosto de 1974 a cri­ar es­te no­vo pro­gra­ma des­ti­na­do a fa­zer com que “os mo­ra­do­res fos­sem tam­bém os pro­ta­go­nis­tas do pro­ces­so, e não ape­nas os ar­qui­tec­tos”, re­cor­dou ao Íp­si­lon.

“Cor­ri o país in­tei­ro, do Por­to ao Al­gar­ve, ma­pe­an­do as ca­rên­ci­as ha­bi­ta­ci­o­nais das pes­so­as — e to­da a gen­te as ti­nha”, acres­cen­ta Ma­ria Pro­en­ça, des­ta­can­do, no en­tan­to, a ex­pe­ri­ên­cia vi­vi­da no Por­to. “Não sei se no tem­po das fe­mi­nis­tas na Amé­ri­ca tam­bém se­ria as­sim”, diz a so­ció­lo­ga, que tes­te­mu­nhou si­tu­a­ções idên­ti­cas no Al­gar­ve, com os “ín­di­os da Meia-Praia” — tor­na­dos fa­mo­sos pe­lo fil­me que An­tó­nio da Cunha Tel­les re­a­li­zou em La­gos, em 1975, Con­ti­nu­ar a Vi­ver: Os Ín­di­os da Meia-Praia —, on­de “eram tam­bém as mu­lhe­res que de­se­nha­vam as ca­sas, di­zi­am on­de fi­ca­va a ca­ma, co­mo se pas­sa­va da­qui pa­ra ali””

Ma­ria Pro­en­ça diz que os dois anos do SAAL “fo­ram das coi­sas mais bo­ni­tas que acon­te­ce­ram no nos­so país”, al­te­ra­ram pro­fun­da­men­te a vi­da das pes­so­as e, in­clu­si­va­men­te, a aju­da­ram a si pró­pria a “vi­ver uma vi­da me­lhor”.

A re­cor­da­ção des­sa ex­pe­ri­ên­cia co­mo his­tó­ri­ca e úni­ca é um de­no­mi­na­dor co­mum dos tes­te­mu­nhos de quan­tos têm vin­do a abor­dar es­se pe­río­do. Alexandre Al­ves Cos­ta, que foi o co­or­de­na­dor do SAAL no Por­to, diz que se tra­tou de “um mo­men­to ex­cep­ci­o­nal em que se pô­de tra­ba­lhar a ar­qui­tec­tu­ra nu­ma re­la­ção di­rec­ta com os mo­ra­do­res”, e em que foi pos­sí­vel “re­ge­ne­rar a ci­da­de, co­lo­can­do-a ao ser­vi­ço das pes­so­as mais po­bres e des­fa­vo­re­ci­das”. Gon­ça­lo Byr­ne, res­pon­sá­vel pe­la equi­pa que tra­ba­lhou no Bair­ro Ca­sal da Fi­guei­ra, em Se­tú­bal, re­fe­re-se-lhe tam­bém co­mo “uma das ex­pe­ri­ên­ci­as mais en­ri­que­ce­do­ras” de to­da a sua vi­da pro­fis­si­o­nal. “Pa­ra mim, era tu­do ma­ra­vi­lho­so”, sin­te­ti­za Ma­ria Pro­en­ça.

Evi­tar a ro­ma­ria

Mas o SAAL foi tam­bém uma ex­pe­ri­ên­cia de ar­qui­tec­tu­ra, que dei­xou mar­cas no próprio te­ci­do da pro­fis­são e da dis­ci­pli­na no país. É es­te o pon­to que mais in­te­res­sa a Del­fim Sar­do, o co­mis­sá­rio da ex­po­si­ção O Pro­ces­so SAAL: Ar­qui­tec­tu­ra e Par­ti­ci­pa­ção, 1974-1976, que ho­je à noi­te (22h) é inau­gu­ra­da no Mu­seu de Ser­ral­ves.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.