Por­to en­xer­ta­do

Publico - Ipsilon - - Sumário -

no ar de­pois de ter con­quis­ta­do a li­de­ran­ça do PS, ou a que mos­tra An­ge­la Mer­kel e Nicolas Sar­kozy nu­ma pro­xi­mi­da­de afec­tu­o­sa. As im­pres­sões des­sas ima­gens (que são acom­pa­nha­das por pá­gi­nas de pe­que­nos tex­tos que jo­gam no­va­men­te com tí­tu­los, fra­ses e idei­as fei­tas re­pe­ti­das nos jor­nais) es­tão dis­po­ní­veis pa­ra quem qui­ser for­mar o seu jor­nal. Pa­ra Sér­gio Mah, es­ta ins­ta­la­ção aler­ta pa­ra de­gra­da­ção do fo­to­jor­na­lis­mo “en­quan­to ins­ti­tui­ção pri­vi­le­gi­a­da pa­ra afe­ri­ção do re­al”. “Nes­te trabalho exis­te um pa­ra­do­xo. En­quan­to li­da com um pro­ble­ma de em­bri­a­guez de ima­gem, tam­bém nos des­per­ta pa­ra um pro­ble­ma gra­ve que é o co­lap­so da pro­fis­são de fo­to­jor­na­lis­ta. Acho que ain­da não es­ta­mos a ava­li­ar es­te de­sa­pa­re­ci­men­to co­mo de­ve ser. As mu­dan­ças são só­cio-pro­fis­si­o­nais mas tam­bém são ide­o­ló­gi­cas.”

Em­bo­ra mais len­ta (mas nem por is­so me­nos es­tron­do­sa), a sé­rie Fa­de, de An­dré Ce­pe­da, tam­bém abor­da uma mu­dan­ça. Ou me­lhor, uma mu­dan­ça de uma zo­na cen­tral do Por­to que pa­re­ce ter fi­ca­do a meio do ca­mi­nho – on­de an­tes ha­via al­gum di­na­mis­mo co­mer­ci­al e in­dus­tri­al, ago­ra sur­ge o de­va­neio ur­ba­nís­ti­co, a pre­ca­ri­e­da­de so­ci­o­e­co­nó­mi­ca e o de­clí­nio de­mo­grá­fi­co. Nes­tas ima­gens rei­na o des­va­ne­ci­men­to, a au­sên­cia de qual­quer lai­vo de iden­ti­da­de ou de cen­tra­li­da­de que al­gu­ma vez pos­sam ter exis­ti­do. Na li­nha de tra­ba­lhos so­bre a ci­da­de on­de vi­ve, Ce­pe­da não procura re­gis­tos po­li­ti­ca­men­te cor­rec­tos ou pas­sí­veis de for­ne­cer vi­sões ro­mân­ti­cas de um lu­gar on­de “im­pe­ra a des­qua­li­fi­ca­ção e a de­ser­ti­fi­ca­ção ur­ba­nís­ti­cas, o aban­do­no e a ex­clu­são so­ci­al”.

Quem tam­bém apa­re­ce num lim­bo e mer­gu­lha­da em in­cer­te­zas é a clas­se de jovens adul­tos da Le­tó­nia cap­ta­da por Lin­da Bour­na­ne En­gel­berth (No­ru­e­ga, 1977) em Things Co­me Apart. De­pois da cri­se in­ter­na­ci­o­nal que co­me­çou em 2008, o país es­tre­me­ceu e viu sair mi­lha­res de pes­so­as à procura de em­pre­go. Num dos tra­ba­lhos mais pun­gen­tes des­ta se­gun­da edi­ção do EPEA, En­gel­berth pro­cu­rou um gru­po so­ci­al que vi­ve no di­le­ma en­tre emi­grar e fi­car no país, on­de as con­di­ções de vi­da se vão de­gra­dan­do com o au­men­to da po­bre­za e uma ele­va­da ta­xa de de­sem­pre­go. Co­mo mos­tram as ima­gens de Things Co­me Apart, nes­sa es­pe­ra por um fu­tu­ro me­lhor há quem de­ses­pe­re. O ima­gi­ná­rio é po­vo­a­do pe­la de­so­la­ção e pe­la me­lan­co­lia, por con­di­ções de vi­da du­ras, mas tam­bém por pai­sa­gens na­tu­rais e por re­gis­tos de quo­ti­di­a­no ou de in­ti­mi­da­de, que sim­bo­li­zam um ape­go à ter­ra, uma resistência à par­ti­da.

Nes­sa ten­ta­ti­va de dar res­pos­ta fo­to­grá­fi­ca a um de­sa­fio teó­ri­co, que ape­sar de ser dis­cu­ti­do há pe­lo me­nos qua­tro dé­ca­das tem ba­li­zas pou­co es­tá­veis, o trabalho que mais ci­rur­gi­ca­men­te apre­sen­ta uma re­a­li­da­de no­vo so­ci­al tal­vez se­ja o de Ar­ja Hyy­tiäi­nen (Fin­lân­dia, 1974). Em Fa­mily são mos­tra­das qua­tro his­tó­ri­as de fa­mí­lia (uma das quais a da pró­pria fo­tó­gra­fa). As­sen­te na cer­te­za das trans­for­ma­ções por que pas­sou a no­ção de fa­mí­lia nas úl­ti­mas dé­ca­das, a sé­rie de ima­gens de Hyy­tiäi­nen re­tra­ta o quo­ti­di­a­no, on­de a úni­ca coi­sa dis­tin­ti­va é o gé­ne­ro e a ori­en­ta­ção se­xu­al dos pais. Quem olha pa­ra os qua­tro gru­pos de ima­gens não en­con­tra ou­tros si­nais que não se­jam os da afec­ti­vi­da­de ma­ter­nal e pa­ter­nal e os mo­men­tos de afec­ti­vi­da­de em mui­tas va­ri­an­tes de su­por­te fo­to­grá­fi­co. A in­ten­ção é cla­ra e pas­sa por mos­trar que “as fo­to­gra­fi­as, na sua am­bi­va­len­te tem­po­ra­li­da­de, pro­põem-se a di­ri­gir a ideia de fa­mí­lia pa­ra aqui­lo que em pri­mei­ro lu­gar a de­ve qua­li­fi­car: a na­tu­ra­li­da­de de um lu­gar de afec­tos, de sen­ti­men­tos re­cí­pro­cos, in­de­pen­den­te­men­te do gé­ne­ro e da ori­en­ta­ção se­xu­al dos pais.”

Atra­vés de re­cur­sos es­ti­lís­ti­cos mui­to va­ri­a­dos, Ho­ri­zons ar­ris­ca ca­mi­nhos que vão pa­ra além das con­sequên­ci­as da pro­fun­da cri­se eco­nó­mi­ca e po­lí­ti­ca em que a Eu­ro­pa es­tá mer­gu­lha­da. Em vez dis­so, es­te con­jun­to de tra­ba­lhos (que pa­ra além dos no­mes ci­ta­dos in­clui Jan Brykcyns­ki, Si­mo­na Ghiz­zo­ni, Kirill Go­lov­chen­ko, Es­pen Ras­mus­sen, Stephanie Stein­kopf e Pau­la Win­kler) pro­põe re­lei­tu­ras das nor­mas e va­lo­res que, na sua mul­ti­tu­de, dão for­ma ao pa­no­ra­ma no­vo so­ci­al. Usan­do o pas­sa­do (ine­vi­ta­vel­men­te), aqui a fo­to­gra­fia mos­tra-se ca­paz de con­fron­tar o pre­sen­te. E ain­da dá pis­tas so­bre co­mo po­de ser o fu­tu­ro.

O cen­tro do Por­to tem si­do o prin­ci­pal cam­po de trabalho de An­dré Ce­pe­da. Fa­de re­ve­la co­mo a ci­da­de tem si­do aban­do­na­da e mu­ti­la­da ur­ba­nis­ti­ca­men­te, ape­sar dos chor­ri­lhos de ima­gens que a apre­sen­tam co­mo um pos­tal ilus­tra­do per­ma­nen­te e bri­lhan­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.