Con­tra­bai­xo No de Bar­ry Guy há pré­di­os e tex­tos te­a­trais

Publico - Ipsilon - - Sumário - Gon­ça­lo Frota

No ema­ra­nha­do de de­dos e cor­das a en­for­mar a mú­si­ca de Bar­ry Guy, o mais pro­vá­vel é que não se en­tre­ve­jam edi­fí­ci­os dos ar­qui­tec­tos Pe­ter Ei­sen­man e Ri­chard Rogers, ou pa­la­vras de Sa­mu­el Bec­kett e Stépha­ne Mal­lar­mé.

Só que, de­bai­xo des­se dis­cur­so mu­si­cal, mes­mo se dis­far­ça­dos por no­tas ati­ra­das umas pa­ra ci­ma das ou­tras, po­de ha­ver re­al­men­te pe­da­ços da Max Rei­nhardt Haus – o edi­fí­cio pro­jec­ta­do por Ei­sen­man pa­ra Ber­lim, a par­tir do con­cei­to da fai­xa de Mö­bius, sím­bo­lo do in­fi­ni­to, em ce­le­bra­ção da reu­ni­fi­ca­ção ale­mã. Ou do tri­an­gu­lar edi­fí­cio lon­dri­no Gher­kin, mais co­nhe­ci­do por Che­e­se­gra­ter (ra­la­dor de qu­ei­jo), cu­jo mo­de­lo pris­má­ti­co en­vi­dra­ça­do de Rogers pre­ten­de ex­por-lhe as en­tra­nhas. Ro­de­a­do em sua ca­sa de li­vros de ar­qui­tec­tu­ra e de pin­tu­ra, Bar­ry Guy so­cor­reu-se des­tas du­as ima­gens e das in­ten­ções de Ei­sen­man e Rogers pa­ra ele próprio en­con­trar a for­ma a dar a uma pe­ça que compôs pa­ra o Hil­li­ard En­sem­ble.

“Ti­nha en­con­tra­do as idei­as mu­si­cais que que­ria tra­ba­lhar mas não sa­bia co­mo apre­sen­tá-las. Fo­ram es­tes dois edi­fí­ci­os con­cep­tu­ais e a ma­nei­ra co­mo eles fa­la­vam dos pro­jec­tos que me aju­da­ram a per­ce­ber co­mo a mú­si­ca fi­ca­ria na par­ti­tu­ra, co­mo se iria tam­bém ela tor­cer e mos­trar.”

A ver­da­de prin­ci­pal a ex­trair da­qui é que os de­dos de Bar­ry Guy não per­cor­rem o con­tra­bai­xo co­mo se a sua im­pres­si­o­nan­te téc­ni­ca e a sua ca­pa­ci­da­de de mos­trar des­pre­zo por re­gras e con­ven­ções não fos­sem mais do que fins em si mes­mos, nu­ma ver­ti­gi­no­sa que­da que em­ba­te­ria com es­tron­do no ona­nis­mo. Em vez dis­so, mes­mo quan­do se en­con­tra ao ser­vi­ço da mú­si­ca im­pro­vi­sa­da, Guy es­tá sin­to­ni­za­do com o mun­do, pro­cu­ran­do ar­ma­di­lhar as su­as in­ter­pre­ta­ções com in­tro­mis­sões de um uni­ver­so con­cre­to que pos­sam es­ti­mu­lar e in­di­car ca­mi­nhos. É co­mo se dis­pen­sas­se o ma­pa, não qu­e­ren­do sa­ber an­te­ci­pa­da­men­te que es­tra­das per­cor­rer, mas agra­de­ces­se as su­as pró­pri­as va­gas ano­ta­ções e in­di­ca­ções que o le­va­rão não se sa­be bem on­de. Al­go que Guy diz apli­car igual­men­te na sua mú­si­ca es­cri­ta. “Acho que o aca­so tem um pa­pel mui­to im­por­tan­te”, re­for­ça, “por­que no mo­men­to em que con­si­de­ro es­cre­ver uma pe­ça há al­go que me su­ge­re uma

É um dos no­mes fun­da­men­tais da mú­si­ca im­pro­vi­sa­da eu­ro­peia a ter sur­gi­do nos in­qui­e­tos anos 70. Ac­tua sá­ba­do na Cul­tur­gest Por­to, a so­lo, po­den­do tra­zer à baila com igual pro­pri­e­da­de frag­men­tos de mú­si­ca bar­ro­ca ou o ex­pe­ri­men­ta­lis­mo mais ra­di­cal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.