The Be­a­tles In Mo­no

A im­por­tân­cia de é, aci­ma de tu­do, uma ques­tão de fi­de­li­da­de

Publico - Ipsilon - - Sumário -

gle de 1968. “A ver­são rá­pi­da foi des­truí­da. Era uma gra­va­ção pe­sa­da, mas a mis­tu­ra es­té­reo trans­for­mou-a num do­ci­nho”.

Hél­der Gon­çal­ves re­cor­da que era com as mis­tu­ras mo­no que os Be­a­tles de­mo­ra­vam eter­ni­da­des até en­con­tra­rem o equi­lí­brio cer­to. “Quan­do es­ta­va per­fei­to, vi­ra­vam­se pa­ra um en­ge­nhei­ro de som e di­zi­am ‘ago­ra faz aí uma mis­tu­ra es­té­reo em meia ho­ra”. Es­sa des­va­lo­ri­za­ção do for­ma­to, ali­a­da ao re­du­zi­do con­ví­vio com ele, po­dia re­dun­dar em re­sul­ta­dos “al­go es­tra­nhos”: “Já ou­vi can­ções em que a gui­tar­ra do Ge­or­ge Har­ri­son, co­lo­ca­da só num dos la­dos [da mis­tu­ra], pa­re­ce não per­ten­cer à can­ção e soa até meio tra­pa­lho­na. Mas ou­vi­mos de­pois a ver­são mo­no e soa bem. Per­ce­be­mos que a gui­tar­ra faz to­do o sen­ti­do as­sim”.

Eduardo Vi­nhas, pro­du­tor de dis­cos de B Fa­cha­da, Nor­ber­to Lo­bo, Pop Dell’Ar­te, en­tre mui­tos ou­tros, nos es­tú­di­os Gol­den Pony que co­fun­dou em Lis­boa, co­me­ça por di­zer que “ho­je em dia já não faz gran­de sen­ti­do pen­sar ex­clu­si­va­men­te em mo­no”. Ain­da as­sim, há ra­zões prá­ti­cas, ain­da que pas­sí­veis de dis­cus­são, pa­ra o de­fen­der. “O es­té­reo quis tra­zer a co­lo­ca­ção do som no es­pa­ço. Trou­xe uma pers­pec­ti­va en­vol­ven­te, mas tam­bém ou­tras com­pli­ca­ções. Ima­gi­ne­mos que gra­va­mos uma ba­te­ria nu­ma gran­de sa­la de ma­dei­ra e de­pois gra­va­mos uma voz nu­ma pe­que­na sa­la de pe­dra. Cria-se uma es­tra­nhe­za só­ni­ca, co­mo se o nos­so cé­re­bro não es­ti­ves­se ha­bi­tu­a­do a in­ter­pre­tar aque­les si­nais”. Já no mo­no, “to­dos os sons es­tão na mes­ma su­per­fí­cie, o que cria um som mais co­e­so, me­nos con­fu­so, que exi­ge me­nos des­co­di­fi­ca­ção”.

Não há ven­ce­do­res

Ou­vir as no­vas edi­ções, com­pa­ran­do-as com as ver­sões es­té­reo, é um exer­cí­cio cu­ri­o­so. Da­do que as mis­tu­ras eram fei­tas em mo­men­tos di­fe­ren­tes, por ve­zes se­pa­ra­das por se­ma­nas, sur­gem dis­cre­pân­ci­as ób­vi­as - uma li­nha de voz di­fe­ren­te nas har­mo­ni­as du­as ver­sões de Help, uma She’s le­a­ving ho­me mais rá­pi­da na ver­são mo­no ou uma Hel­ter skel­ter que, na mes­ma ver­são, per­de o fa­de in fi­nal, eli­mi­nan­do-se as­sim o sem­pre aguar­da­do mo­men­to em que Rin­go gri­ta pa­ra a eter­ni­da­de: “I got blis­ters on my fin­gers”.

No qua­dro ge­ral, so­bres­sai al­go mais cu­ri­o­so. Os pri­mei­ros ál­buns, mais di­rec­tos e me­nos so­fis­ti­ca­dos, gra­va­dos com a ban­da to­can­do em con­jun­to no es­tú­dio co­mo se ocu­pas­se um pal­co, so­am mais vi­bran­tes e in­ten­sos nas ver­sões mo­no – é uma mas­sa de som que nos ata­ca de fren­te, sem sub­ter­fú­gi­os. Por sua vez, um ál­bum co­mo Sgt. Pep­pers Lo­nely He­arts Club Band, pro­dí­gio de trabalho de es­tú­dio, per­de al­gum do seu bri­lho psi­ca­dé­li­co, da sua au­ra de so­nho e da sua ver­ti­gem de carrossel so­no­ro.

Na ques­tão do mo­no e do es­té­reo, não há ven­ce­do­res. Exis­tem dois for­ma­tos, ade­qua­dos a di­fe­ren­tes con­tex­tos. “Pa­ra uma ban­da ga­ra­ge mui­to sel­va­gem, com uma rui­dei­ra in­crí­vel, não faz mui­to sen­ti­do o es­té­reo”, de­fen­de Edgar Ra­po­so. “É por is­so que ain­da ho­je há ban­das que por que­re­rem um som mui­to su­jo, po­ten­te, gra­vam em mo­no. No ca­so de ban­das que te­nham um som mais lim­po, mais de­ta­lha­do, o mo­no ac­tu­al­men­te não fa­rá mui­to sen­ti­do”, de­fen­de.

Num dos di­as em que tra­ba­lha­va nas no­vas edi­ções em Ab­bey Ro­ad, o en­ge­nhei­ro de som Sam Ma­gee de­mo­rou-se tem­po de­mais no es­tú­dio. Quan­do se pre­pa­ra­va pa­ra re­gres­sar a ca­sa, aper­ce­beu-se que o ar­qui­vo já ha­via en­cer­ra­do. Co­mo não po­dia de­vol­ver as fi­tas, res­tou-lhe uma so­lu­ção. Dor­mir no es­tú­dio, sem as per­der de vis­ta. Não po­dia cor­rer o ris­co de que al­go acon­te­ces­se ao San­to Gra­al da pop. Não o per­mi­ti­ria o es­ta­tu­to dos Be­a­tles en­quan­to ban­da mais im­por­tan­te da história da pop, en­quan­to fe­nó­me­no cul­tu­ral de ab­so­lu­to des­ta­que na história da se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XX.

Uma edi­ção co­mo The Be­a­tles In Mo­no é a re­cu­pe­ra­ção e fi­xa­ção, tal co­mo de­se­ja­do pe­los seus au­to­res, de um ar­te­fac­to va­li­o­so. Não é só a mú­si­ca. Por exem­plo, o ros­to de Paul, John, Ge­or­ge e Rin­go na contracapa de Be­a­tles for Sa­le, olhan­do­nos com ex­pres­são can­sa­da, qua­se apri­si­o­na­da (fo­ram obri­ga­dos a im­pro­vi­sar um ál­bum pa­ra cum­prir exi­gên­ci­as da edi­to­ra e o tí­tu­lo que lhe de­ram não era ino­cen­te), só tem im­pac­to na di­men­são do vi­nil (nu­ma mi­nús­cu­la ca­pa de CD na­da ve­ría­mos ver­da­dei­ra­men­te).

Ob­vi­a­men­te, e até pe­lo pre­ço (339,99?), es­ta cai­xa di­ri­ge-se prin­ci­pal­men­te aos fãs mais fer­vo­ro­sos, a co­lec­ci­o­na­do­res ou es­tu­di­o­sos mais em­pe­nha­dos da história pop. Hél­der Gon­çal­ves diz que “co­mo mú­si­co, acho sem­pre óp­ti­mo que se con­ti­nue a fa­zer coi­sas à vol­ta dos Be­a­tles”. Mas, acres­cen­ta, “mais bem gra­va­dos ou mais mal mis­tu­ra­dos, o que so­bres­sai sem­pre é o fa­bu­lo­so trabalho nas can­ções”.

Bruno Per­na­das en­qua­dra a aten­ção ao de­ta­lhe na re­pro­du­ção do som e ar­te grá­fi­ca das no­vas edi­ções “nes­ta épo­ca de re­vi­va­lis­mo em que é qua­se mo­da dar va­lor a ob­jec­tos his­tó­ri­cos”. E diz que, se a ideia é re­pro­du­zir exac­ta­men­te a ex­pe­ri­ên­cia ori­gi­nal de au­di­ção, en­tão tem que se ir mais lon­ge. “Te­mos tam­bém que ter as agu­lhas de gi­ra-dis­cos da épo­ca e apa­re­lha­gens e co­lu­nas da mes­ma al­tu­ra”. Ele ain­da po­de fa­zê-lo. Em ca­sa dos pais es­tá uma apa­re­lha­gem dos anos 1960 em óp­ti­mas con­di­ções. “Ain­da fun­ci­o­na”. Al­guém lhes le­ve os “no­vos” Ple­a­se Ple­a­se Me, Help ou Rub­ber Soul. Te­rão di­rei­to à ex­pe­ri­ên­cia to­tal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.