“As ques­tões unem-nos, as res­pos­tas di­vi­dem-

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Ju­deu ame­ri­ca­no a vi­ver na No­ru­e­ga, De­rek B. Mil­ler co­me­çou a es­cre­ver fic­ção quan­do vi­via em Ge­ne­bra e não ti­nha in­ter­net nem te­le­vi­são. Es­tá na Eu­ro­pa des­de 1996

Uma das ce­nas mais for­tes de Um es­tra­nho lu­gar pa­ra mor­rer, do nor­te-ame­ri­ca­no De­rek B. Mil­ler (ed. Asa), acon­te­ce quan­do a per­so­na­gem prin­ci­pal, Shel­don – um ju­deu nor­te-ame­ri­ca­no de 82 anos, ex­ve­te­ra­no da Gu­er­ra da Co­reia que de­pois de fi­car viú­vo vai vi­ver pa­ra ca­sa da fi­lha, em Os­lo, após mos­trar si­nais de de­mên­cia –, dis­far­ça um me­ni­no al­ba­nês, que ele ten­ta sal­var, ves­tin­do-o co­mo um vi­king. Põe-lhe uma co­lher de pau à cin­tu­ra, enfia-lhe um gor­ro com cor­nos e uma ca­be­lei­ra loira e, por fim, de­se­nha-lhe uma es­tre­la ama­re­la no pei­to.

Quan­do per­gun­tá­mos a De­rek B. Mil­ler, es­cri­tor pre­mi­a­do, dou­to­ra­do em Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais pe­la Uni­ver­si­da­de de Ge­ne­bra, mem­bro do Ins­ti­tu­to das Na­ções Uni­das de Pes­qui­sa pa­ra o de­sar­ma­men­to (on­de tra­ba­lhou dez anos) e di­rec­tor do Po­licy Lab, Ins­ti­tu­to In­ter­na­ci­o­nal de “de­sign po­lí­ti­co”, que aju­da or­ga­ni­za­ções a con­se­gui­rem um mai­or im­pac­to so­ci­al atra­vés do de­sign, se es­ta es­tra­nha ima­gem tam­bém é pa- ra ele a mais mar­can­te do li­vro, res­pon­de: “É re­al­men­te uma ima­gem im­pos­sí­vel, di­fí­cil de acon­te­cer. Achei di­ver­ti­do”.

Mui­tas ve­zes, di­va­gou ima­gi­nan­do que na história eu­ro­peia tal­vez ti­ves­se exis­ti­do um mo­men­to em que os ju­deus e os vi­kings se ti­ves­sem en­con­tra­do no mes­mo lu­gar. “O meu fi­lho é um ju­deu-vi­king, por is­so ti­ve de in­ven­tar um no li­vro. Tam­bém é ver­da­de que tem mais gra­ça ser vi­king do que ju­deu.”, acres­cen­ta, a rir-se. Na sua fuga, o ve­lho ju­deu e a cri­an­ça fan­ta­si­a­da são in­ter­cep­ta­dos por um po­lí­cia no­ru­e­guês a quem o ju­deu ba­ra­lha res­pon­den­do em ií­di­che. “O ve­lho Shel­don fa­la em lín­gua ií­di­che e o po­lí­cia no­ru­e­guês acha que é ale­mão. Há hu­mor negro nis­so, no sen­ti­do de que es­tá a fa­lar uma lín­gua que nem se­quer po­de ser re­co­nhe­ci­da pe­los ou­tros. Há uma tris­te­za e uma acu­sa­ção e, ao mes­mo tem­po, o fac­to de a lín­gua que ele es­tá a fa­lar es­tar tão morta que nem se­quer po­de ser iden­ti­fi­ca­da é uma pi­a­da pri­va­da de Shel­ton”, ex­pli­ca o es­cri­tor, que com es­te li­vro re­ce­beu o pré­mio John Cre­a­sey Dag­ger da Cri­me Wri­ters As­so­ci­a­ti­on.

Quan­do lhe per­gun­tá­mos se as no­vas ge­ra­ções têm quo­ti­di­a­na­men­te de vi­ver com o pe­so do Ho­lo­caus­to, res­pon­de: “Se a sua avó e a sua mãe ti­ve­ram can­cro da ma­ma vo­cê não sa­be se vai ter can­cro da ma­ma mas há sem­pre es­se me­do: o que o cau­sou? Se não en­ten­der­mos a cau­sa de al­gu­ma coi­sa não sa­be­mos se es­ta­mos fo­ra de pe­ri­go. É ló­gi­co. A Ale­ma­nha não era só an­ti-se­mi­ta, a Ale­ma­nha foi fun­da­men­tal pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da ci­vi­li­za­ção oci­den­tal – des­de a pin­tu­ra, à mú­si­ca, ao de­sen­vol­vi­men­to ci­en­tí­fi­co – por is­so é tão in­com­pre­en­sí­vel que tal coi­sa ti­ves­se acon­te­ci­do.”

“Não é ra­zão su­fi­ci­en­te di­zer-se que a Ale­ma­nha fi­cou po­bre a se­guir à gu­er­ra ou que o acor­do de paz de 1919 não era su­fi­ci­en­te bom, blá,blá,blá... Es­tas não são as res­pos­tas pa­ra que se ex­ter­mi­nem pes­so­as. É o mes­mo que di­zer que o de­sem­pre­go em Lon­dres é a ra­zão pa­ra que al­guém se vá alis­tar no Exér­ci­to Is­lâ­mi­co e co­me­ce a ma­tar cri­an­ças. Não é a res­pos­ta cer­ta. Quan­to tem­po as pes­so­as pre­ci­sam de es­tar de­sem­pre­ga­das pa­ra co­me­ça­rem a ma­tar ou­tras? Um mês, seis me­ses, no­ve me­ses...? Is­so é uma tre­ta. Re­al­men­te nós não per­ce­be­mos por­que acon­te­ce.”

Por um la­do a Eu­ro­pa quer lem­brar­se de que o Ho­lo­caus­to exis­tiu mas por ou­tro tam­bém quer es­que­cer. “Quan­to tem­po irá es­te trau­ma du­rar? Quan­to tem­po de­ve­rá du­rar? Não sei. Não sa­be­mos. Mas é nos­sa obri­ga­ção mo­ral fa­lar so­bre is­to, não de ma­nei­ra acu­sa­tó­ria, mas a tra­ba­lhar­mos jun­tos pa­ra ter­mos uma res­pos­ta a es­tas per­gun­tas. Não é uma neu­ro­se ju­dia, acre­di­to que a cul­tu­ra ju­dia po­de aju­dar a Eu­ro­pa a lem­brar-se. Por­que mais do que tes­te­mu­nhas, te­mos de ser gui­as. Há um di­ta­do ju­deu que diz: ‘as ques­tões unem-nos, as res­pos­tas di­vi­dem­nos’. Pre­ci­sa­mos de abra­çar es­tas ques­tões co­mo se fos­sem nos­sas.”

67 anos de­pois

Tal co­mo a sua per­so­na­gem De­rek B. Mil­ler, 43 anos, é um nor­te-ame­ri­ca­no a vi­ver em Os­lo. Pe­lo ro­man- Um Es­tra­nho Lu­gar pa­ra Mor­rer De­rek B. Mil­ler Tâ­nia Ga­nho (Trad.) ASA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.