Pai­sa­gem com ba­ta­lha em fun­do

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Me­lan­có­li­ca me­di­ta­ção so­bre ho­mens e mu­lhe­res nu­ma si­tu­a­ção de con­fli­to. Luís Miguel Oliveira A Pra­ça Mai­dan De Ser­gei Loz­nit­sa Co­mo acon­te­ceu com a Pra­ça Tah­rir, no Cai­ro, du­ran­te o epi­só­dio egíp­cio da “pri­ma­ve­ra ára­be”, tam­bém a Pra­ça Mai­dan, em Ki­ev, se tor­nou fa­mi­li­ar pa­ra o mun­do in­tei­ro en­quan­to lu­gar sim­bó­li­co da resistência e do po­der po­pu­la­res, du­ran­te a sequên­cia de acon­te­ci­men­tos que, em fi­nais de 2013, te­ve co­mo con­sequên­cia ime­di­a­ta a de­po­si­ção do pre­si­den­te ucra­ni­a­no, Ya­nu­ko­vi­ch, e co­mo con­sequên­cia de lon­go pra­zo um im­bró­glio de pro­por­ções “glo­bais” ain­da bem lon­ge do seu des­fe­cho. Es­ses di­as en­tre o fi­nal de 2013 e o prin­cí­pio des­te ano em que mul­ti­dões se aglo­me­ra­ram na Mai­dan e a Mai­dan se tor­nou em­ble­ma de mais um con­fli­to les­te/oes­te são o fo­co da aten­ção do ucra­ni­a­no Ser­gei Loz­nit­sa, tra­di­ci­o­nal­men­te da­do à re­fle­xão, na fic­ção ou no do­cu­men­tá­rio, so­bre a história do seu país (e a re­la­ção do seu país com a URSS), e que aqui en­con­tra­mos a tra­ba­lhar qua­se “em di­rec­to” no mo­men­to em que a História se de­se­nha.

A Pra­ça faz o re­la­to des­ses di­as, com su­fi­ci­en­te in­for­ma­ção pa­ra que nin­guém se per­ca, mas sem re­cor­rer àque­le mais bá­si­co mo­do de con­du­ção do olhar do es­pec­ta­dor, o comentário off. Dos pri­mei­ros di­as, on­de o am­bi­en­te é so­bre­tu­do fes­ti­vo, gran­de hap­pe­ning po­pu­lar, ao mo­men­to em que a atmosfera “pa­cí­fi­ca” (mas sem­pre cheia de uma elec­tri­ci­da­de a pre­nun­ci­ar tempestade) des­cam­ba em caó­ti­cas ba­ta­lhas cam­pais. Co­mo que as­si­na­lan­do que is­to é ape­nas o prin­cí­pio de uma história ain­da sem fim, ter­mi­na in­con­clu­si­va­men­te so­bre uma no­ta sombria, a ima­gem de um me­mo­ri­al fú­ne­bre im­pro­vi­sa­do, ve­las e ra­mos de flo­res, pe­las ví­ti­mas da vi­o­lên­cia que caiu so­bre a Mai­dan.

Pa­ra além des­te la­do de “re­por­ta­gem”, o que é in­te­res­san­te, e to­tal­men­te con­di­cen­te com a op­ção de ig­no­rar um comentário off, é o fac­to de Loz­nit­sa evi­tar os me­ca­nis­mos de su­ges­tão de uma “ur­gên­cia”. Es­tá em ci­ma do acon­te­ci­men­to mas to­do o fil­me tra­ba­lha em cri­a­ção de uma dis­tân­cia, bem lon­ge dos cli­chés da re­por­ta­gem fil­ma­da, os pla­nos cur­tos ou a câmara à mão. Pe­lo con­trá­rio, a câmara fi­xa é do­mi­nan­te e os pla­nos são por nor­ma lon­gos e fil­ma­dos de um ân­gu­lo mui­to aber­to. É co­mo uma sequên­cia de ta­ble­aux ar­ran­ca­dos ao “re­al”, às ve­zes um es­tra­nho bai­la­do de mul­ti­dões, ou­tras uma pin­tu­ra de pai­sa­gem com ba­ta­lha, nu­ma agi­ta­ção que tem o con­dão de ul­tra­pas­sar as di­vi­sões con­tex­tu­ais (os “pró-oci­den­tais” e os “pró-rus­sos”) pa­ra se dar a ver co­mo uma ines­pe­ra­da­men­te me­lan­có­li­ca me­di­ta­ção so­bre ho­mens e mu­lhe­res nu­ma si­tu­a­ção de con­fli­to. Co­mer Dor­mir Mor­rer Äta So­va Dö De Gabriela Pi­ch­ler Com Ner­mi­na Lu­kac, Mi­lan Dra­gi­sic, Jo­nathan Lam­pi­nen É ra­ro que um fil­me apre­sen­ta­do no con­cur­so do In­di­eLis­boa che­gue às sa­las por­tu­gue­sas, ra­zão su­fi­ci­en­te pa­ra re­fe­rir a es­treia de Co­mer Dor­mir Mor­rer, pri­mei­ro fil­me da su­e­ca Gabriela Pi­ch­ler, que o fes­ti­val mos­trou em 2013. Pi­ch­ler, vin­da do do­cu­men­tá­rio e ela pró­pria fi­lha de imi­gran­tes, evi­ta o sen­ti­men­ta­lis­mo e a de­ma­go­gia ao con­tar a história de Ra­sa (a ex­ce­len­te Ner­mi­na Lu­kac), fi­lha de um imi­gran­te mon­te­ne­gri­no nu­ma pe­que­na co­mu­ni­da­de de pro­vín­cia que, des­pe­di­da do seu em­pre­go nu­ma fá­bri­ca, se re­cu­sa a ce­der ao de­ses­pe­ro do de­sem­pre­go sem fu­tu­ro mas vê as op­ções a fe­cha­rem-se ca­da vez mais. A se­gu­ran­ça com que Co­mer Dor­mir Mor­rer é apre­sen­ta­do, e o mo­do de­sa­pai­xo­na­do co­mo de­nun­cia o ca­pi­ta­lis­mo pu­ra­men­te eco­no­mi­cis­ta, não im­pe­dem que ha­ja por aqui um tra­vo requentado, co­mo se Pi­ch­ler não fos­se ca­paz de se li­ber­tar da som­bra om­ni­pre­sen­te dos ir­mãos Dar­den­ne. Nem Ra­sa é ou­tra Rosetta, nem Co­mer Dor­mir Mor­rer traz mui­to que o dis­tin­ga do res­to da re­cen­te va­ga de me­lo­dra­mas so­ci­ais pós-ne­o­re­a­lis­tas que se tor­na­ram no ai­je­sus do mo­der­no ci­ne­ma de au­tor eu­ro­peu. Jor­ge Mou­ri­nha As Du­as Fa­ces de Ja­nei­ro The Two Fa­ces of Ja­nu­ary De Hos­sein Ami­ni Com Vig­go Mor­ten­sen, Kirs­ten Dunst, Os­car Isa­ac Des­de o pri­mei­ro mo­men­to que re­co­nhe­ce­mos o uni­ver­so mo­ral­men­te mo­ve­di­ço de Patricia Highs­mith, cu­jo ro­man­ce de 1964 o fil­me adap­ta. É o mai­or mé­ri­to da es­treia na re­a­li­za­ção do ar­gu­men­tis­ta Hos­sein Ami­ni, fi­de­lís­si­ma ao es­pí­ri­to da es­cri­to­ra, mon­tan­do uma ela­bo­ra­da teia de atrac­ção e re­pul­são en­tre um triângulo de ame­ri­ca­nos na Gré­cia de 1962: Ches­ter e Co­let­te (Vig­go Mor­ten­sen e Kirs­ten Dunst), ca­sal bem na vi­da nu­ma gran­de tour­née pe­la Eu­ro­pa, e Ry­dal (Os­car Isa­ac, o Llewyn Da­vis dos ma­nos Co­en), fi­lho-fa­mí­lia de­sen­can­ta­do que so­bre­vi­ve de pe­que­nos es­que­mas. Co­mo de cos­tu­me em Highs­mith, há mui­ta som­bra por trás da luz, mui­ta sor­di­dez por trás do gla­mour, e o que se es­con­de nos re­can­tos des­ta história de frau­de e de cri­me é uma re­la­ção mal re­sol­vi­da en­tre pai e fi­lho am­pli­fi­ca­da pe­lo de­se­jo de uma mu­lher. Mas, ao ten­tar man­ter o tom dis­tan­te da es­cri­to­ra, Ami­ni con­fun­de-o de­ma­si­a­das ve­zes com a me­ra ilus­tra­ção do guião, e cai no exac­to es­ta­tu­to de con­for­to bur­guês que os seus he­róis pro­cu­ram as­su­mir e per­de no pro­ces­so al­go da car­ga trá­gi­ca. Ain­da as­sim: o tom “à mo­da an­ti­ga” e a den­si­da­de que os ac­to­res em­pres­tam a es­te triângulo amo­ro­so sus­ten­ta­do por mentiras e mal-en­ten­di­dos são mo­ti­vos mais do que su­fi­ci­en­tes pa­ra pres­tar aten­ção ao fil­me. J.M.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.