Con­ti­nu­am

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Com­pe­ti­ria tal­vez à psi­cos­so­ci­o­lo­gia per­gun­tar se os por­tu­gue­ses fo­ram fei­tos pa­ra o ri­so, ou o ri­so fei­to pa­ra os por­tu­gue­ses. A crítica de ci­ne­ma po­de ape­nas ve­ri­fi­car que a co­mé­dia não foi fei­ta pa­ra o ci­ne­ma por­tu­guês, ape­sar de ser uma das su­as ob­ses­sões – des­de a fa­mi­ge­ra­da “ida­de de ou­ro” de Vas­co San­ta­na e An­tó­nio Sil­va. Os de­sas­tres acu­mu­la­dos são inu­me­rá­veis, e ago­ra jun­ta-se mais um, Mau Mau Ma­ria, pe­que­no de­ser­to de idei­as de ci­ne­ma e, par­ti­cu­lar­men­te gra­ve da­do o gé­ne­ro, enor­me vá­cuo de gra­ça, que re­su­me tu­do a um hu­mor de apar­tes e pi­a­do­las (com dois te­mas: as “ga­jas” e os “pa­ni­las”), con­du­zi­do por três pro­ta­go­nis­tas que a ca­da ce­na ati­ram os fo­gue­tes e apa­nham as ca­nas e acre­di­tam que tu­do o que di­gam ou fa­çam é hi­la­ri­an­te. Não há ne­nhu­ma ra­zão pa­ra que es­ta ge­ra­ção de có­mi­cos que tem pon­ti­fi­ca­do na te­le­vi­são não pos­sa pas­sar pa­ra o ci­ne­ma com al­gum su­ces­so (a pre­sen­ça de Eduardo Ma­dei­ra apa­ren­ta al­gum po­ten­ci­al). Tem é que ha­ver ci­ne­ma, em vez do pe­no­so fes­ti­val de au­to-in­dul­gên­cia. Fa­cil­men­te en­tra pa­ra o “top 5” dos pi­o­res fil­mes por­tu­gue­ses de sem­pre. L.M.O. Fa­do Ca­ma­né Do­cu­men­tá­rio de Bruno de Al­mei­da Coin­ci­dên­cia a apro­vei­tar: a es­treia de Fú­ria, de Da­vid Ayer – Brad Pitt e os seus ho­mens nos úl­ti­mos e bru­tais di­as da Se­gun­da Gu­er­ra –, a fa­zer-se no mo­men­to em que o DocLis­boa, nu­ma sec­ção de­di­ca­da à História do sé­cu­lo XX, exi­biu do­cu­men­tos so­bre o con­fli­to, co­mo Fal­ke­nau, the Im­pos­si­ble (1988), de Emil Weiss, em que o re­a­li­za­dor Sa­mu­el Ful­ler con­ta­va a sua ex­pe­ri­ên­cia co­mo sol­da­do na li­ber­ta­ção de um cam­po de ex­ter­mí­nio na­zi nu­ma al­deia che­ca. Ful­ler con­ta­va e nes­se fa­bu­lo­so fil­me era in­cor­po­ra­do ma­te­ri­al que o próprio fil­mou quan­do os ali­a­dos che­ga­ram a Fal­ke­nau. A Se­gun­da Gu­er­ra foi a ex­pe­ri­ên­cia da sua vi­da. Es­tá por trás de to­do o seu ci­ne­ma, for­mou a sua mo­ral – a sú­mu­la no fi­nal de O Sar­gen­to da For­ça Um/The Big Red One (1980), um dos gran­des fil­mes de gu­er­ra ame­ri­ca­nos: “Sur­vi­ving is the only glory in war, if you know what I me­an”. Não se po­de, por is­so, im­pe­dir a “in­va­são” de O Sar­gen­to da For­ça Um e de Ful­ler ao ver Fú­ria – tí­tu­lo ful­le­ri­a­no, de pu­nho fe­cha­do, aliás. Tra­ve­lo­gue, se­guin­do os fei­tos de uma uni­da­de de com­ba­te por pal­cos do con­fli­to, fi­ca­vam con­nos­co os olha­res das per­so­na­gens, a que Ful­ler re­gres­sa­va sem­pre no fim de ca­da “epi­só­dio” – fil­me de me­mó­ri­as, O Sar­gen­to da For­ça Um éa (de­li­ca­da) história do que aque­les olhos vi­ram, é a per­da de ino­cên­cia, é a dú­vi­da, e is­so so­bre­põe-se a qual­quer fi­xa­ção do có­di­go “fil­me de gu­er­ra”. Quan­do em Fal­ke­nau, the Im­pos­si­ble o ci­ne­as­ta di­zia que o en­con­tro en­tre a fic­ção e pre­ci­pí­cio hu­ma­no que se abriu com a Gu­er­ra de­via ser ve­e­men­te mas não ti­nha fór­mu­las so­bre co­mo fa­zer, e quan­do dis­se no Pierrot le Fou (1965) “Film is li­ke a bat­tle­ground”, co­lo­ca­va os fil­mes num ter­ri­tó­rio de con­fli­to (ha­ven­do gu­er­ra ou não). O que se pas­sa em Fú­ria éo opos­to dis­so: é um per­cur­so sem tur­bu­lên­cia por for­mas imo­bi­li­za­das, sem procura, sem dú­vi­das. Quer di­zer: há ce­nas de gu­er­ra, mas não há na­da que mos­tre tam­bém a fic­ção a lu­tar pe­la vi­da, o ci­ne­ma num bat­tle­ground. É um ar­qui­vo de ce­nas de gé­ne­ro que são pas­sa­das em re­vis­ta, e o me­lhor que Ayer faz é mos­trar que se pre­pa­rou, mas sem dis­tin­ção. Até o es­for­ça­do la­co­nis­mo de Brad Pitt faz fi­gu­ra de re­ma­ke, ver­são “sé­ria” do Al­do Rai­ne do Sa­ca­nas sem Lei (2009) de Ta­ran­ti­no. Vas­co Câmara

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.