Pedro Ca­bri­ta Reis vai es­co­lher a ar­te que va­mos ver nas mon­tras do Bri­tish Bar

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Pedro Ca­bri­ta Reis: “Já sou ar­tis­ta, não pre­ci­so de ser cu­ra­dor” Pedro Ca­bri­ta Reis co­me­çou a fa­zer do Bri­tish Bar um dos seus lu­ga­res quan­do era ain­da alu­no da Es­co­la Su­pe­ri­or de Be­las-Ar­tes de Lis­boa, que não fi­ca lon­ge. Pas­sa­va lá ho­ras so­zi­nho ou à con­ver­sa com ami­gos, “bo­as ho­ras”, sem­pre a olhar pa­ra o rio e pa­ra a rua atra­vés das vi­dra­ças que mar­cam a fa­cha­da des­ta ca­sa com mais de 100 anos no Cais do So­dré. O “trân­si­to hu­ma­no” da pra­ça, as pes­so­as que entram, umas pa­ra ver fu­te­bol, ou­tras pa­ra to­mar um co­po ou fa­zer uma re­fei­ção nem sem­pre rá­pi­da, in­te­res­sam a es­te ar­tis­ta que se ha­bi­tu­ou a olhar pa­ra o tra­ba­lho de ou­tros ar­tis­tas e até a co­lec­ci­o­ná-lo. “Gos­to de es­tar num sí­tio que é ao mes­mo tem­po fa­mi­li­ar e im­pes­so­al, on­de pos­so olhar pa­ra o céu quan­do es­tou sen­ta­do à me­sa, on­de se en­con­tra gen­te de to­dos os ti­pos”, diz ao Íp­si­lon. Foi a pen­sar nes­sa cli­en­te­la di­ver­si­fi­ca­da, e tam­bém em quem pas­sa à por­ta sem en­trar, que Ca­bri­ta Reis propôs ao Bri­tish Bar ex­por ar­te nas su­as três pe­que­nas mon­tras. Es­te pro­gra­ma que vai tra­tar a fa­cha­da do bar co­mo uma pe­que­na ga­le­ria te­ve já uma edição em que se mos­tra­ram tra­ba­lhos do ar­qui­tec­to Eduardo Sou­to de Mou­ra e dos es­cul­to­res Rui San­ches e Ân­ge­la Fer­rei­ra. Ho­je — se­rá as­sim na úl­ti­ma sex­ta­fei­ra de ca­da mês até De­zem­bro — há mais obras pa­ra ver: uma es­tan­te pa­pe­lei­ra que Ál­va­ro Si­za de­se­nhou nos anos 1980, e du­as es­cul­tu­ras, uma de Ana Jot­ta e ou­tra de Vas­co Cos­ta. O mo­de­lo, aler­ta Ca­bri­ta Reis, não vai ser sem­pre es­te que junta um ar­qui­tec­to e dois es­cul­to­res: “Es­tes dois pri­mei­ros, ca­lhou as­sim, mas não é obri­ga­tó­rio. Po­dem até não ser três obras. O que que­ro é mos­trar o tra­ba­lho de ar­tis­tas, de au­to­res de que gos­to.” E mos­trá-lo num es­pa­ço con­di­ci­o­na­do, de di­men­sões par­ti­cu­la­res, on­de é mais fá­cil sur­pre­en­der do que nu­ma ga­le­ria ou num mu­seu. “Os es­pa­ços con­ven­ci­o­nais não me in­te­res­sam. O que que­ro é fa­zer coi­sas fo­ra da cai­xa, ca­pa­zes de apa­nhar as pes­so­as que gos­tam de ar­te e, nes­te ca­so, as que só que­rem be­ber um co­po ou ver um jo­go.” O que Ca­bri­ta Reis não quer, cer­ta­men­te, é ver o seu no­me as­so­ci­a­do à pa­la­vra cu­ra­tor (cu­ra­dor), de que não gos­ta. “Eu sou um ar­tis­ta a olhar pa­ra o que fa­zem ou­tros ar­tis­tas e o que pro­po­nho é aqui­lo de que gos­to. Mais na­da. Não te­nho qual­quer am­bi­ção de pro­gra­mar nes­se sen­ti­do — já sou ar­tis­ta, não pre­ci­so de ser cu­ra­dor.” O que pro­cu­ra ao le­var a ar­te ao Bri­tish Bar é aqui­lo a que cha­ma a “ine­vi­tá­vel na­tu­ra­li­da­de”, a que re­sul­ta de sur­pre­en­der al­guém que se des­lo­cou a um “lu­gar ex­tra­or­di­ná­rio de uma ci­da­de ex­tra­or­di­ná­ria” só pa­ra be­ber um co­po e aca­ba por en­con­trar três ar­tis­tas. “O que eu gos­to é de or­ga­ni­zar fes­tas, reu­nir os ami­gos, be­ber um co­po. E se pos­so fa­zer is­so uma sex­ta-fei­ra por mês num dos meus lu­ga­res nes­ta ci­da­de e ain­da por ci­ma com obras de que gos­to, me­lhor.” Ca­bri­ta Reis es­co­lheu a pe­que­na es­tan­te de Si­za — foi fei­ta pa­ra pôr em ci­ma de uma me­sa e ter os li­vros de uma vi­da, aque­les que pre­ci­sa­mos de ter sem­pre à mão, ex­pli­ca — pe­la “apa­ren­te sim­pli­ci­da­de, pe­lo en­ge­nho e in­te­li­gên­cia do de­se­nho”. A obra de Ana Jot­ta, uma “es­pé­cie de anel” com a ins­cri­ção “até à mor­te sem­pre for­te”, pe­lo “hu­mor den­so que lhe é ha­bi­tu­al”, e a de Vas­co Cos­ta, um “to­tem” fei­to com vá­ri­as ba­lan­ças, por ser uma “pe­ça ás­pe­ra, enig­má­ti­ca, ar­ris­ca­da” que faz pen­sar na­qui­lo que es­tá sem­pre pres­tes a tom­bar, a que­brar. “Gos­ta­va que se olhas­se pa­ra is­to [o seu pro­gra­ma pa­ra o Bri­tish Bar] co­mo um pro­jec­to de pe­que­nas coi­sas, pe­que­nos se­gre­dos.” Es­ta sex­ta-fei­ra, Pedro Ca­bri­ta Reis vai es­tar ou­tra vez no bar do cé­le­bre re­ló­gio cu­jos pon­tei­ros an­dam ao con­trá­rio (ou no sen­ti­do cer­to, de­pen­den­do do pon­to de vis­ta) pa­ra re­ce­ber os ami­gos. É pro­vá­vel que so­bre a me­sa te­nha um whisky e uma água das pe­dras ge­la­da. Lu­cin­da Ca­ne­las

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.