“Ser­mos nós é mui­to pro­ble­má­ti­co”

Publico - Ipsilon - - Sumário - Isa­bel Lu­cas

NDe­pois de umas me­mó­ri­as po­lé­mi­cas, Ra­chel Cusk re­gres­sa com um ro­man­ce so­bre o que é ser anó­ni­mo, qua­se in­vi­sí­vel, pa­ra se ques­ti­o­nar a si e à ideia de ro­man­ce.

o ro­man­ce A Con­tra­luz a pro­ta­go­nis­ta re­cor­re a uma ima­gem pa­ra ca­rac­te­ri­zar o mo­men­to que vi­ve. Lê-se: “o seu tra­ba­lho sal­ta­ra de trás de um ar­bus­to e ata­ca­ra-a.” É o mo­men­to em que Faye, a pro­fes­so­ra de es­cri­ta cri­a­ti­va cri­a­da por Ra­chel Cusk (1967), ten­ta re­er­guer-se. Mas a ima­gem po­de ser apli­ca­da à pró­pria Ra­chel de­pois de se ter ex­pos­to, e ao seu di­vór­cio, no li­vro de me­mó­ri­as Af­ter­math On Mar­ri­a­ge and Se­pa­ra­ti­on (2012). Ne­le, a es­cri­to­ra bri­tâ­ni­ca fez um exa­me mi­nu­ci­o­so do seu ca­sa­men­to de dez anos, re­ve­lan­do com amar­gu­ra e ne­gru­me o pro­ces­so de se­pa­ra­ção, en­quan­to in­da­ga­va co­mo re­fa­zer a vi­da com as su­as fi­lhas. O li­vro foi tão lou­va­do quan­to cri­ti­ca­do, le­van­tan­do en­tão ques­tões éti­cas que, en­tre­tan­to, já ou­vi­mos re­pe­ti­das nos li­vros do no­ru­e­guês Karl Ove Knaus­ga­ard os seis vo­lu­mes de A Mi­nha Lu­ta e na te­tra­lo­gia A Ami­ga Ge­ni­al, da ita­li­a­na Ele­na Fer­ran­te. Um e ou­tra (ela, en­tão, sob ano­ni­ma­to) re­ve­lan­do sob a for­ma de ro­man­ce, uma in­ti­mi­da­de cheia de in­ter­di­tos: a trai­ção, a in­ve­ja, o ciú­me, as re­ti­cên­ci­as quan­to à ma­ter­ni­da­de, o la­do mais ne­gro e me­nos vi­sí­vel, o do­mí­nio do do­més­ti­co, o pri­va­do.

Cusk fez is­so em 2012 e já o ha­via fei­to on­ze anos an­tes em A Li­fe’s Work, con­fis­são so­bre a ex­pe­ri­ên­cia me­nos do­ce de ser mãe. Os dois li­vros, ao con­trá­rio dos de Knaus­ga­ard ou Fer­ran­te, fo­ram apre­sen­ta­dos co­mo não-fic­ção. E o seu tra­ba­lho ata­cou-a, tan­to que de­pois de Af­ter­math, fê-la re­pen­sar ain­da mais o seu lu­gar na li­te­ra­tu­ra on­de con­ti­nua a não qu­e­rer rom­per com o seu gran­de com­pro­mis­so: a ver­da­de.

Que ver­da­de? Fic­ci­o­nal, re­al, há fron­tei­ras? Quais? São per­gun­tas sub­ja­cen­tes ao seu mais re­cen­te ro­man­ce tra­du­zi­do em Por­tu­gal, A Con­tra­luz (Qu­et­zal), o pri­mei­ro de uma tri­lo­gia on­de a es­cri­to­ra in­da­ga so­bre o fim de um tem­po. Pes­so­al e ci­vi­li­za­ci­o­nal. E se ques­ti­o­na so­bre o va­lor do so­fri­men­to. A bus­ca da per­fei­ção, a re­la­ção com a fa­lha, o que é ser mu­lher ou a ilu­são que po­de ha­ver da ideia de ver­da­de. Na vi­da ou na li­te­ra­tu­ra. In­do ao li­mi­te. “Acha­va que a pró­pria ideia de um eu ver­da­dei­ro po­dia ser ‘ilu­só­ria’”, lê-se nes­te ro­man­ce que vai aos clás­si­cos pa­ra ten­tar er­guer al­gu­ma coi­sa no­va a par­tir de um si­lên­cio qua­se trá­gi­co. A tra­gé­dia que se adi­vi­nha co­mo a ac­tu­a­li­da­de de Faye, no­me es­cri­to ape­nas uma vez, ou a da ci­vi­li­za­ção que co­me­çou na Gré­cia on­de de­cor­re a ac­ção, e que é pas­sa­do e pre­sen­te. Com uma es­cri­ta ci­rúr­gi­ca, Ra­chel Cusk, au­to­ra de nove ro­man­ces, con­tos, três li­vros de não-fic­ção, fi­na­lis­ta e ven­ce­do­ra de pres­ti­gi­a­dos pré­mi­os li­te­rá­ri­os, con­tro­ver­sa, ad­mi­ra­do­ra de Vir­gi­nia Wo­olf e Tho­mas Ber­nard, apu­rou ain­da mais o seu tra­ba­lho com a lin­gua­gem pa­ra ten­tar ir ao cer­ne, à tal ver­da­de, e es­co­lheu pa­ra is­so par­tir de um mo­do de ser. Ser si­len­ci­o­so. Ou­vir, ca­lar, es­que­cer. O si­lên­cio en­quan­to lu­gar de es­cri­ta e de cons­tru­ção de iden­ti­da­de, mas tam­bém o da tes­te­mu­nha pa­ra de­pois con­tar. É um si­lên­cio pri­mor­di­al e que não tem co­mo si­nó­ni­mo ser in­vi­sí­vel. Faye vi­ve nes­sa es­pé­cie de ano­ni­ma­to en­quan­to ten­ta equi­li­bra-se nu­ma no­va iden­ti­da­de que não sa­be ain­da bem qual A Con­tra­luz Ra­chel Cusk Ana Mat­to­so Qu­et­zal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.