N’roll

Publico - Ipsilon - - Sumário -

te, os Sto­ne De­ad. Co­mo é que che­ga­ram ali, vin­dos da­que­le in­gé­nuo “tu vais apren­der ba­te­ria, eu vou to­car gui­tar­ra” lá lon­ge na dé­ca­da pas­sa­da? E co­mo é que che­ga­ram a Go­od Boys, ál­bum ima­cu­la­do, clás­si­co ins­tan­tâ­neo equi­li­bra­do com mes­tria en­tre ga­ra­gem su­a­da, es­tú­dio on­de se ma­qui­na in­ven­ti­va ar­qui­tec­tu­ra só­ni­ca e ca­bi­ne on­de se re­gis­tam har­mo­ni­as de voz bem afi­na­das? “Ca­da vez gos­to mais do te­a­tral, ou me­lhor, te­a­tral não é bem a pa­la­vra. O que que­ro di­zer é que não po­de ser só uma ban­da a to­car mú­si­ca. Não é is­so que que­ro quan­do vou ver um con­cer­to. Que­ro que a mal­ta sin­ta al­gu­ma coi­sa de di­fe­ren­te pa­ra além da mú­si­ca”. Bru­no Mon­tei­ro, o ba­te­ris­ta que tam­bém can­ta (e que man­tém pro­jec­to pa­ra­le­lo aos Sto­ne De­ad en­quan­to Mr. Gal­li­ni), es­tá a fa­lar do que pre­ten­de trans­mi­tir quan­do a sua ban­da dá um con­cer­to. Po­dia es­tar tam­bém a fa­lar da­qui­lo que os Sto­ne De­ad qui­se­ram fa­zer com Go­od Boys, o seu ál­bum de es­treia. Até por­que, di­to aqui­lo, acres­cen­ta com um ri­so tí­mi­do. “Mas tam­bém não pen­sa­mos mui­to nis­so. É mais cur­tir”. É, no­ta-se, e, re­gis­te-se, é am­bi­ção ele­va­da es­te cur­tir de­les.

Bru­no Mon­tei­ro fa­la ao Íp­si­lon pou­co de­pois de a ban­da ter che­ga­do de uma di­gres­são eu­ro­peia, par­ti­lha­da com os Kil­li­man­ja­ro, com­pa­nhei­ros no ca­tá­lo­go da edi­to­ra/pro­mo­to­ra Lo­vers & Lolly­pops, se­de­a­da no Por­to. Pas­sa­ram por Itá­lia, Áus­tria ou Alemanha até che­gar à Cróa­cia. No mo­men­to em que es­te tex­to é pu­bli­ca­do, já par­ti­ram no­va­men­te. Des­ta vez pa­ra uma mi­ni-di­gres­são a Es­pa­nha, Fran­ça e Ho­lan­da. An­dar a per­cor­rer a Eu­ro­pa de car­ri­nha a to­car to­das as noi­tes em ci­da­des di­fe­ren­tes — “tí­nha­mos um mo­to­ris­ta, foi o que nos va­leu”, gar­ga­lha Bru­no Mon­tei­ro —, me­re­ce um comentário mui­to ho­nes­to, mui­to di­rec­to: “É do ca­ra­ças!”. De vez em quan­do, até apa­re­cia al­guém a di­zer-lhes lá em ter­ras dis­tan­tes que ti­nha ou­vi­do o ál­bum aca­ba­do de edi­tar e que era re­al­men­te um óp­ti­mo dis­co, fi­can­do ates­ta­do des­sa for­ma o bom gos­to des­se di­to al­guém em ma­té­ria de rock’n’roll. Pe­que­nas di­fe­ren­ças cul­tu­rais à par­te — “na Alemanha são mais fe­cha­di­tos e na Ga­li­za é on­de nos tra­tam me­lhor, far­tam-se de com­prar mer­chan­di­se, le­vam-nos ao res­tau­ran­te e é ‘co­mam o que qui­se­rem’, são co­mo fa­mí­lia” -, di­fi­cul­da­des de co­mu­ni­ca­ção são ine­xis­ten­tes. A co­mu­ni­da­de in­de­pen­den­te do rock, a dos pe­que­nos clu­bes, das ban­das a ope­rar à mar­gem do me­di­a­tis- mo de mas­sas, fa­la lín­gua se­me­lhan­te. “Na ver­da­de, é tu­do a mes­ma coi­sa”, con­fir­ma Bru­no. Go­od Boys, o ál­bum de es­treia, é pa­ra to­dos nós e pa­ra to­dos eles.

Ba­si­ca­men­te, is­to é o co­me­ço

Foi gra­va­do co­mo ál­bum va­ga­men­te con­cep­tu­al — “pen­sá­mos bas­tan­te no Tommy, dos The Who”, con­fes­sa Bru­no Mon­tei­ro — on­de se acom­pa­nha a vi­da de um mis­te­ri­o­so Tony Blue. “Os nos­sos úl­ti­mos dois anos fo­ram de gran­des trans­for­ma­ções, quer na nos­sa mú­si­ca, quer na nos­sa vi­da pes­so­al, e as can­ções re­flec­ti­am is­so”, ex­pli­ca. “Umas eram mais cal­mas, ou­tras mais pe­sa­do­nas. Uma fa­la­va de tem­pos mais ino­cen­tes, ou­tra de uma re­a­li­da­de mais ma­du­ra. A for­ma que en­con­trá­mos pa­ra tor­nar tu­do mais co­e­so e dar-lhe um sen­ti­do foi cri­ar es­sa per­so­na­gem e pô-la a vi­ver es­sa evo­lu­ção”.

O pri­mei­ro EP, edi­ta­do em 2012, che­gou e de­sa­pa­re­ceu de cir­cu­la­ção. “Já não nos re­ve­mos mui­to na­qui­lo e re­ti­rá­mo-lo da net. Fi­ca pa­ra ven­der um dia mais tar­de no eBay”. O se­gun­do, The Sto­ne John Ex­pe­ri­en­ce, che­gou em 2014 e po­de­mos ou­vi-lo no Band­camp da ban­da. É uma co­lec­ção de cin­co can­ções gui­a­das pe­lo pe­so dis­tor­ci­do do sto­ner rock e pe­la voz ras­ga­da que nos le­gou Lemmy Kil­mis­ter com os Mo­torhe­ad. “Quan­do co­me­çá­mos fo­mos be­ber mui­to ao sto­ner. Éra­mos pu­tos e a cena sto­ner ti­nha um som do qual se be­bia mui­to em Por­tu­gal. Com o tem­po é que co­me­çá­mos a per­ce­ber que nos sen­tía­mos me­lhor a com­por de ou­tra ma­nei­ra”. De ou­tra ma­nei­ra? “Mais clás­si­cos” é a res­pos­ta de Bru­no. Mas não se leia es­ta ideia de clas­si­cis­mo co­mo re­ve­rên­cia ao que lá vai. Não é na­da dis­so que ou­vi­mos em Go­od Boys, ál­bum que de­ve­mos apre­ci­ar co­mo o ver­da­dei­ro pri­mei­ro pas­so da ban­da. “Ba­si­ca­men­te, is­to pa­ra nós é o co­me­ço. Pen­so que es­te dis­co nos vai dei­xar or­gu­lho­sos. Pe­lo me­nos du­ran­te uns tem­pos”.

Re­ca­pi­tu­le­mos. Em 2009, quan­do já sa­bi­am o que fa­zer aos ins­tru­men­tos, de­ram o pri­mei­ro con­cer­to. Eram en­tão ban­da de ver­sões a to­car o punk por­tu­guês, os Be­a­tles, os The Who. Da co­lec­ção de vi­nis do pai de Jo­nas Gon­çal­ves, sa­ca­vam Pink Floyd ou Kinks pa­ra ti­ra­rem no­tas. Pa­ra­le­la­men­te, mer­gu­lha­vam na net pa­ra es­ca­var mais fun­do. Um dia, Bru­no ou­ve uma cer­ta ban­da de um cer­to Iggy Pop e cor­re a anun­ci­ar a boa no­va aos res­tan­tes. “Foi das nos­sas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.