Ja­mes Fer­ra­ro às vol­tas com o ca­pi­ta­lis­mo

Publico - Ipsilon - - Sumário -

pu­ta­ção em re­de, vi­mo-nos a nós pró­pri­os nu­ma enor­me quan­ti­da­de de lu­ga­res não naturais e si­mu­la­cros co­mer­ci­ais, a cri­se e as con­quis­tas dos hu­ma­nos num cre­pús­cu­lo per­pé­tuo. Qual é o pró­xi­mo pas­so da his­tó­ria do sé­cu­lo XXI?”, diz a si­nop­se do dis­co.

Fer­ra­ro pro­põe-se a fa­zer “ar­te cí­vi­ca”. Não con­tes­ta aber­ta­men­te a es­tru­tu­ra, mas aler­ta pa­ra os seus pe­ri­gos — co­mo o hi­pe­rin­di­vi­du­a­lis­mo tra­du­zi­do num mun­do de sel­fi­es. Não é con­tra a tec­no­lo­gia, mas pergunta se es­ta­mos a fa­zer o que de­ve­mos com ela. “Não ve­jo co­mo al­go de mau que a cul­tu­ra es­te­ja a ser en­go­li­da, co­mer­ci­a­li­za­da e mer­can­ti­li­za­da. A par­te as­sus­ta­do­ra da di­nâ­mi­ca de mer­can­ti­li­za­ção es­tá na for­ma co­mo es­tá a ser apli­ca­da”, afir­mou à Ssen­se. “Acre­di­to que a ar­te tem co­mo ob­jec­ti­vo cri­ar pe­da­ços de re­a­li­da­de tem­po­rá­ria e que as su­as es­té­ti­cas tra­zem no­vas idei­as ao mun­do.”

O su­bli­me es­con­di­do

Fi­lho de um DJ de rá­dio e mú­si­co de me­tal e de uma can­to­ra folk, Ja­mes Fer­ra­ro ou­viu to­do o ti­po de mú­si­ca en­quan­to cres­cia, en­tre No­va Ior­que e Los An­ge­les — ci­da­des cu­jos la­dos ne­gros ins­pi­ram ál­buns re­cen­tes, NYC, Hell 3:00 AM (2013) e Skid Row (2015). Apren­deu a fa­zer co­la­gens de sons com um gra­va­dor por­tá­til, jun­tan­do pa­la­vras em his­tó­ri­as fic­tí­ci­as. Es­sa von­ta­de de in­ven­tar mun­dos atra­vés do som le­vou-o a co­la­bo­rar com Spen­cer Clark, que en­con­trou em San Di­e­go, on­de vi­veu. “Ti­nha 18 anos e al­go fez cli­que. Ti­ve­mos uma con­ver­sa que aca­bou con­nos­co a co­la­bo­rar em ar­tes vi­su­ais, pin­tu­ras e ou­tras coi­sas. De­pois co­me­çá­mos a fa­zer mú­si­ca e gra­vá­mos du­ran­te um ano”, con­tou ao Red Bull Mu­sic Aca­demy Daily. Des­se ano de gra­va­ções saiu uma in­fi­ni­da­de de dis­cos, ho­je ob­jec­tos de co­lec­ci­o­na­dor, fei­tos e edi­ta­dos de for­ma ar­te­sa­nal.

Em 2008, os Ska­ters des­pe­dem-se e Ja­mes Fer­ra­ro ini­cia a so­lo um no­vo flu­xo de dis­cos, to­dos eles a ex­plo­rar fa­ce­tas di­fe­ren­tes da bi­zar­ria hu­ma­na e de­tri­tos do ca­pi­ta­lis­mo — da ci­en­to­lo­gia na as­ce­se de Cle­ar (2009) ao glo­ri­o­so li­xo rock de Night Dolls With Hair Spray (2010). Em to­das as su­as obras, pa­re­ce in­te­res­sa­do em exa­ge­rar e su­bli­nhar as­pec­tos da ba­na­li­da­de da exis­tên­cia, ele­van­do ele­men­tos da re­a­li­da­de a ex­pe­ri­ên­ci­as psi­ca­dé­li­cas.

Em 2009, o jor­na­lis­ta Da­vid Ke­e­nan cu­nha­va o ter­mo hyp­na­go­gic pop pa­ra de­sig­nar vá­ri­os pro­jec­tos que tra­ba­lha­vam a me­mó­ria e a nos­tal­gia. Ke­e­nan pu­nha na di­an­tei­ra do no­vo gé­ne­ro Fer­ra­ro, Spen­cer Clark e Duck­tails, os três pro­jec­tos que vol­tam a jun­tar-se no Por­to e em Lis­boa. Nes­se ar­ti­go da re­vis­ta bri­tâ­ni­ca Wi­re, Fer­ra­ro ex­pli­ca­va o que que­ria fa­zer com a sua mú­si­ca: “Pen­so que há as­pec­tos da cul­tu­ra hu­ma­na que al­gu­mas pes­so­as vêem co­mo pou­co im­por­tan­tes, mas que ope­ram num sis­te­ma pro­fun­do de sim­bo­lis­mo an­ti­go e arqué­ti­pos hu­ma­nos. Hard Rock Ca­fes, clu­bes de strip, gi­ná­si­os, ce­le­bri­da­des, etc., são to­dos bons exem­plos dis­to, de tem­plos de bei­ra de es­tra­da. Os meus ál­buns são co­mo down­lo­ads des­se cor­po de in­for­ma­ção.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.