Mar­co Fran­co pri­vou com o pi­a­no até es­te se dei­xar to­car

Publico - Ipsilon - - Sumário - Gon­ça­lo Fro­ta

Até há pou­co tem­po ape­nas o co­nhe­cía­mos co­mo ba­te­ris­ta, ago­ra es­treia-se no pi­a­no so­lo com Mu­dra. Re­gis­to de um mú­si­co em con­quis­ta ro­mân­ti­ca de um ins­tru­men­to.

Mar­co Fran­co, o pi­a­nis­ta, apre­sen­tou-se pe­la pri­mei­ra vez ao vi­vo no úl­ti­mo Fes­ti­val Res­cal­do, na Cul­tur­gest. E nin­guém sa­bia mui­to bem o que es­pe­rar. Até en­tão, só co­nhe­cía­mos Mar­co Fran­co, o ba­te­ris­ta, que há mais de du­as dé­ca­das vem cons­truin­do uma carreira que co­me­çou pe­lo hard-rock e th­rash me­tal — an­dou pe­los Mas­si­ve Ro­ar e pe­los Ibé­ria, che­gou a par­ti­ci­par, em 1990, no Fes­ti­val RTP da Can­ção com Os He­le­na —, gui­nou pa­ra o rock al­ter­na­ti­vo tra­ça­do de funk — quan­do pas­sou pe­los Brain­de­ad —, tran­si­tou pe­los Pes­te & Si­da e mi­grou de­pois pa­ra a mú­si­ca im­pro­vi­sa­da e pa­ra o jazz, ten­do si­do um dos fun­da­do­res dos Tim Tim por Tim Tum. Nos úl­ti­mos anos, te­mo-lo en­con­tra­do a to­car com os Mi­ka­do Lab, a in­te­grar o ex­ce­len­te qu­ar­te­to de mú­si­ca im­pro­vi­sa­da Clocks and Clouds ou a sal­tar a bor­do do duo de rock ins­tru­men­tal Me­mó­ria de Pei­xe.

Só que en­quan­to ia de­sen­vol­ven­do to­da es­ta ac­ti­vi­da­de pú­bli­ca, Mar­co Fran­co foi ul­ti­ma­men­te le­van­do uma ou­tra vi­da se­cre­ta, pra­ti­can­do pi­a­no lon­ge de ou­vi­dos in­dis­cre­tos, ten­do a sor­te de en­con­trar um exem­plar dis­po­ní­vel no Go­ethe Ins­ti­tut on­de se en­con­tra­va a salvo de pas­sar pe­lo em­ba­ra­ço de ser apa­nha­do a brin­car com um ins­tru­men- Mar­co Fran­co Mu­dra Re­sol­ve to que só aos pou­cos co­me­ça­va a ames­trar. “Ten­tei não con­tar a nin­guém e per­ce­ber, de­pois, se va­le­ria a pe­na mos­trar o que es­ta­va a fa­zer”, re­cor­da ao Íp­si­lon, ago­ra que vai apre­sen­tar o seu pri­mei­ro ál­bum de pi­a­no so­lo, Mu­dra, no Te­a­tro Ma­ria Ma­tos, em Lis­boa, a 31 de Maio. Até a pró­pria mu­lher, es­tan­do a par des­sa ob­ses­são que de­sen­vol­ve­ra com o pi­a­no, nun­ca o ou­vi­ra to­car até à noi­te do Res­cal­do. “E não con­se­guiu ver o con­cer­to, fi­cou de olhos fe­cha­dos, em cho­que, nu­ma es­pé­cie de so­fri­men­to”, con­ta o mú­si­co.

“Foi uma de­ci­são um pou­co do­en­tia da mi­nha par­te”, con­fes­sa acer­ca des­se pe­río­do de prá­ti­ca pi­a­nís­ti­ca in­sis­ten­te e em se­gre­do, con­quis­tan­do um es­pa­ço pa­ra de­sen­vol­ver a sua lin­gua­gem e as su­as ca­pa­ci­da­des, mas tam­bém pa­ra que, no ca­so de es­se in­ves­ti­men­to fra­cas­sar, po­der equi­va­ler a uma que­da in­vi­sí­vel pa­ra o mun­do, por de­trás de uma cor­ti­na, dei­xan­do ma­ze­las de que só o pró­prio se da­ria con­ta. “Acho que foi ne­ces­sá­rio fa­zer as­sim por­que foi uma li­ga­ção qua­se ín­ti­ma, até me ser da­da uma res­pos­ta de que se ca­lhar se­ria boa ideia fa­zer um con­cer­to — an­tes se­quer de pen­sar num dis­co.” Pa­ra Mar­co, a ques­tão é qua­se ro­mân­ti­ca: “É pre­ci­so pri­var com o ins­tru­men­to pa­ra de­pois, tal­vez, ter a per­mis­são do pi­a­no pa­ra ele se dei­xar to­car.”

Mar­co Fran­co sa­be bem que es­tá a ro­man­ti­zar a sua re­la­ção com o pi­a­no. Mas é a for­ma mais ver­da­dei­ra que en­con­tra pa­ra de­fi­nir es­ta von­ta­de que o in­va­diu sem sa­ber mui­to bem co­mo nem porquê. Há mui­to que os te­cla­dos e os sin­te­ti­za­do­res fa­zem par­te dos seus re­cur­sos es­sen­ci­ais pa­ra a com­po­si­ção, mas há to­da uma ou­tra di­nâ­mi­ca e uma ou­tra fi­si­ca­li­da­de im­pli­ca­das na abor­da­gem ao pi­a­no — “é um ins­tru­men­to ter­ri­vel­men­te com­ple­xo e dos mais di­fí­ceis de to­car no pla­ne­ta”, acre­di­ta, com “uma in­de­pen­dên­cia de mem­bros as­sus­ta­do­ra­men­te enor­me”.

É “uma ac­ti­vi­da­de qua­se de al­to ris­co”, cha­ma-lhe, pen­san­do que um de­do caí­do na te­cla er­ra­da do pi­a­no, por mais su­a­ve que pos­sa ser o to­que, se ou­ve com es­tron­do. Mas tal­vez is­to fos­se al­go que Mar­co te­ria mes­mo de ex­plo­rar ao ca­bo de vá­ri­os anos a ter so­nhos re­cor­ren­tes com pi­a­nos. “Acho que uma das ra­zões do cha­ma­men­to te­rá si­do pri­mei­ra­men­te es­se la­do oní­ri­co”, con­fes­sa. “E de­pois to­da a mi­nha pai­xão pe­la mú­si­ca pa­ra pi­a­no, que sem­pre me in­te­res­sou e sem­pre ou­vi bas­tan­te.”

Coi­sas mais in­vul­ga­res

Um dos au­to­res que Mar­co Fran­co ou­viu bas­tan­te foi Erik Sa­tie, que pa­re­ce en­con­trar-se sem­pre no ras­to das su­as pe­ças — mas tam­bém a de­li­ca­de­za de De­bus­sy e, de for­ma mais lon­gín­qua, o mi­ni­ma­lis­mo de Ray­mond Scott, nas pe­ças de co­lo­ra­ção mais loun­ge. “Co­nhe­ço tão bem a obra do Sa­tie que não o en­con­tro as­sim tan­to nes­te dis­co”, res­pon­de Mar­co Fran­co, pi­a­nis­ta. “Cla­ro que a ha­ver es­sa pre­sen­ça nun­ca se­rá aci­den­tal por­que, de fac­to, é um dos com­po­si­to­res que me in­tri­ga des­de há mui­to tem­po.” Es­ta não é, por­tan­to, uma ode a Sa­tie, por mui­to que o mú­si­co não tor­ça o na­riz a es­sa pos­si­bi­li­da­de num qual­quer mo­men­to do seu fu­tu­ro.

A sua ga­rim­pa na ex­plo­ra­ção da com­po­si­ção pa­ra pi­a­no, diz, es­tá so­bre­tu­do li­ga­da a uma “pro­cu­ra por coi­sas que são mais in­vul­ga­res”. Al­go que ele­ge, tal­vez, co­mo a sua mis­são pri­mor­di­al e que sur­pre­en­de, an­tes de mais, por­que es­te não é se­gu­ra­men­te o uni­ver­so mu­si­cal que se ima­gi­na­ria Mar­co a es­co­lher co­mo ha­bi­ta­ção mais ou me­nos per­ma­nen­te. Co­nhe­cen­do o seu per­cur­so re­cen­te, se­ria mais pre­vi­sí­vel que se ti­ves­se aban­do­na­do a uma ex­plo­ra­ção mais des­re­gra­da do pi­a­no, nu­ma di­na­mi­ta­ção de quais­quer ele­men­tos ali­nha­dos com uma fi­li­a­ção clás­si­ca; em vez dis­so, há nes­tas pe­ças um ab­so­lu­to res­pei­to por es­tru­tu­ras que se di­ria de can­ção ou de pe­que­nos es­tu­dos pi­a­nís­ti­cos, com uma solidez har­mó­ni­ca e um li­ris­mo me­ló­di­co de uma frá­gil e le­ve me­lan­co­lia que di­fi­cil­men­te se po­de­ria an­te­ci­par.

Mar­co Fran­co não pa­re­ce o mes­mo quer o en­con­tre­mos atrás da ba­te­ria ou de fren­te pa­ra o pi­a­no. Ain­da as­sim, na sua ca­be­ça não há pro­pri­a­men­te uma ci­são en­tre os dois. Faz-lhe mais sen­ti­do pen­sar “nos hi­po­té­ti­cos he­te­ró­ni­mos que to­dos nós te­mos ou po­de­mos ter”. Faz-lhe mais sen­ti­do ci­tar uni­ver­sos pa­ra­le­los, em­bo­ra pa­ra si a gé­ne­se des­ta se­gun­da vi­da cri­a­ti­va se­ja exac­ta­men­te a mes­ma de qual­quer ou­tro pro­jec­to em que se ve­ja me­ti­do — a cri­a­ção mu­si­cal, a tra­ço gros­so. “O ins­tru­men­to po­de ser re­cen­te pa­ra mim”, diz. “Mas a mú­si­ca não é.” A sua com­po­si­ção ins­tru­men­tal, no en­tan­to, es­tá se­di­men­ta­da tal­vez de for­ma mais só­li­da na mú­si­ca que tem es­cri­to pa­ra te­a­tro, dan­ça e ci­ne­ma.

Ena­mo­ra­do so­bre­tu­do das pos­si­bi­li­da­des imen­sas que o pi­a­no ofe­re­ce e ca­ti­va­do por uma hi­pó­te­se que nun­ca an­tes o se­du­zi­ra — to­car a so­lo, ape­sar das propostas que te­ve pa­ra o fa­zer com a ba­te­ria e que sem­pre des­car­tou, ad­mi­tin­do que tra­ba­lha me­lhor so­zi­nho do que nu­ma sa­la de au­las, on­de tem mais di­fi­cul­da­des de con­cen­tra­ção e é mais ir­re­qui­e­to —, Mar­co ten­ta em Mu­dra che­gar a lu­ga­res que a sua mú­si­ca nun­ca an­tes al­can­ça­ra. Mu­dra, ter­mo li­ga­do ao bu­dis­mo, ao hin­duís­mo e ao io­ga, a cul­tu­ras an­ti­gas e ri­tu­ais de dan­ça, evo­ca as po­si­ções das mãos. E foi por is­so que se impôs, quan­do o mú­si­co per­ce­beu que, “no pi­a­no, as mãos entram den­tro das te­clas e do te­cla­do”. De cer­ta for­ma, é is­so que se ou­ve em Mu­dra: Mar­co Fran­co, o pi­a­nis­ta, en­tran­do pe­lo ins­tru­men­to, des­co­brin­do uma se­gun­da na­tu­re­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.