Mor­gan Delt O pas­sa­do é ho­je e ago­ra

Publico - Ipsilon - - Sumário - Má­rio Lo­pes

Atraí­do pe­lo psi­ca­de­lis­mo dos anos 1960 e de­vo­to da sci-fi de ou­tras dé­ca­das, o mú­si­co ca­li­for­ni­a­no fe­cha-se em ca­sa pa­ra in­ven­tar no­vos mun­dos. Som de on­tem, tec­no­lo­gia de ho­je, co­mo ou­vi­mos no óp­ti­mo Pha­se Ze­ro. Es­ta sex­ta­fei­ra, es­treia-se em Por­tu­gal.

Pha­se ze­ro é um ter­mo mi­li­tar uti­li­za­do pe­lo exér­ci­to ame­ri­ca­no. De­fi­ne o mo­men­to de acal­mia que su­ce­de ao fim de uma guer­ra e que an­te­ce­de o iní­cio (ine­vi­tá­vel?) do pró­xi­mo con­fron­to. “É o mo­men­to des­cen­den­te de um ci­clo in­ter­mi­ná­vel”, co­men­ta Mor­gan Delt des­de To­pan­ga County, pe­que­na vi­la idí­li­ca nas mon­ta­nhas de Los An­ge­les. Não é exac­ta­men­te sí­tio que as­so­ci­e­mos a jar­gão mi­li­tar. “Gos­tei da ex­pres­são por­que me soa a tí­tu­lo de um velho fil­me sci-fi. Pa­re­ceu-me mui­to co­ol”, ex­pli­ca Mor­gan Delt. As­sim já faz mais sen­ti­do. Soa tão “co­ol”, di­ga­mos en­tão, co­mo a mú­si­ca des­te mú­si­co ca­sei­ro que tem pas­sa­do os úl­ti­mos anos a pas­se­ar pe­lo ver­de das mon­ta­nhas e des­fi­la­dei­ros de To­pan­ga Canyon e a gra­var no seu es­tú­dio ca­sei­ro mú­si­ca pa­ra um tem­po ima­gi­ná­rio — os anos 1960 psi­ca­dé­li­cos rein­ven­ta­dos com tec­no­lo­gia con­tem­po­râ­nea.

Pha­se Ze­ro, o se­gun­do ál­bum, se­rá apre­sen­ta­do pe­la pri­mei­ra vez em Por­tu­gal es­ta sex­ta-fei­ra, no Mu­sic­box, em Lis­boa. Mor­gan Delt se­rá o pra­to prin­ci­pal da fes­ta de ani­ver­sá­rio da pro­mo­to­ra in­de­pen­den­te lis­bo­e­ta Pu­ro Fun, num con­cer­to com pri­mei­ra par­te as­se­gu­ra­da pe­los por­tu­gue­ses Zar­co (22h30). A ce­le­bra­ção in­clui tam­bém uma par­ce­ria com ou­tra pro­mo­to­ra in­de­pen­den­te, a por­tu­en­se Ma­cho Al­fa, que se con­cre­ti­za­rá com os con­cer­tos dos Duck­tails de Matt Mon­da­ni­le, de Ja­mes Fer­ra­ro e de Typho­ni­an High­li­fe no Pas­sos Manuel, no Por­to, tam­bém es­ta sex­ta-fei­ra, e do mes­mo con­jun­to de mú­si­cos, no dia se­guin­te, na Ga­le­ria Zé dos Bois, em Lis­boa. Quan­do sá­ba­do che­gar, já Mor­gan Delt es­ta­rá a vi­a­jar em di­rec­ção a Ma­drid pa­ra con­ti­nu­ar a le­var Eu­ro­pa fo­ra a sua mú­si­ca tão cla­ra­men- te fi­lha da Ca­li­fór­nia — a Ca­li­fór­nia que os dis­cos da­li saí­dos de­se­nham na nos­sa men­te.

Na sua mú­si­ca, can­ta­da num qua­se sus­sur­ro em tom de vi­gí­lia, ecoa a lu­mi­no­si­da­de folk-rock dos Buf­fa­lo Spring­fi­eld ou o folk-rock en­quan­to ra­ga ori­en­tal dos Byrds. Mas é uma ou­tra ver­são des­sa mú­si­ca aqui­lo que ou­vi­mos, cons­truí­da pe­la so­bre­po­si­ção de di­ver­sas ca­ma­das de som (gui­tar­ras acús­ti­cas e eléc­tri­cas, sam­ples, sin­te­ti­za­do­res, re­ver­be­ra­ções) e abrin­do as can­ções pa­ra um es­pa­ço ima­gi­ná­rio on­de pioneiros da elec­tró­ni­ca (co­mo os Sil­ver Ap­ples), so­nha­do­res de olhos pos­tos nas es­tre­las (Syd Bar­rett cha­ma­do à ter­ra) e ar­te­sãos eléc­tri­cos ar­ma­dos de gra­va­do­res de qu­a­tro pis­tas e ima­gi­na­ção de­li­ran­te (sim, es­ta­mos a pen­sar nos ini­gua­lá­veis Oli­via Tre­mor Con­trol) se reú­nem num mes­mo es­pa­ço. A es­treia em ál­bum, ho­mó­ni­ma, saiu em 2014 e mos­tra­va-o en­quan­to cru­za­dor de tem­pos e es­pa­ços que se de­di­ca­va à in­ven­ção de no­vos lu­ga­res, de um an­tes que nun­ca exis­ti­ra.

Não sur­pre­en­de que Mor­gan Delt re­fi­ra vá­ri­as ve­zes a im­por­tân­cia que os fil­mes sci-fi de dé­ca­das pas­sa­das têm no seu tra­ba­lho. “Ac­tu­al­men­te, um fil­me sci-fi é um fil­me de ac­ção que por aca­so se pas­sa no es­pa­ço e em que os efei­tos es­pe­ci­ais são o prin­cí­pio e o fim de tu­do. Os ve­lhos fil­mes ex­plo­ra­vam di­fe­ren­tes idei­as de fu­tu­ro pos­sí­veis e is­so é o mais in­te­res­san­te no sci-fi”. O seu tra­ba­lho é, pre­ci­sa­men­te, a apli­ca­ção des­sa ideia à mú­si­ca.

Pha­se Ze­ro, o ál­bum de es­treia na his­tó­ri­ca Sub Pop (de­pois de lhe ou­vi­rem o pri­mei­ro lon­ga-du­ra­ção, os res­pon­sá­veis da edi­to­ra não per­de­ram tem­po a cha­má-lo até si), aban­do­na uma cer­ta ra­re­fac­ção so­no­ra em fa­vor de mai­or ni­ti­dez. O mis­té­rio con­ti­nua, tal co­mo a ideia de cri­ar mú­si­ca ca­paz de “ex­plo­rar emo­ções di­fe­ren­tes, es­tra­nhas, que nor­mal­men­te não são con­tem­pla­das nu­ma can­ção pop”, co­mo afir­ma ao Íp­si­lon. “Ten­tei in­cluir uma ver­ten­te mais elec­tró­ni­ca no ál­bum, in­flu­en­ci­a­do por ban­das co­mo os Sil­ver Ap­ples, Uni­ted Sta­tes of Ame­ri­ca, Whi­te Noi­se ou os mais re­cen­tes Bro­ad­cast”, ex­pli­ca. E é en­tão que nos dá con­ta da­qui­lo que o guia na vi­a­gem en­quan­to Mor­gan Delt (ain­da não tí­nha­mos di­to, mas não é o seu no­me, é o do pro­ta­go­nis­ta de Mor­gan!, fil­me bri­tâ­ni­co de 1966 on­de en­con­trá­va­mos Da­vid War­ner e Va­nes­sa Red­gra­ve).

“In­te­res­sa-me tra­ba­lhar a ideia de uma his­tó­ria al­ter­na­ti­va”. Ou se­ja, re­cor­rer ape­nas “aos sons dis­po­ní­veis na­que­la era [o fi­nal de anos 1960], mas uti­li­zan­do a tec­no­lo­gia de ho­je”. Ex­pli­ca­do de ou­tra for­ma: “Na­que­la al­tu­ra, os Sil­ver Ap­ples não po­de­ri­am ser uma gran­de in­fluên­cia por­que eram pou­cos os que ti­nham a pos­si­bi­li­da­de de os ou­vir. E se to­da a gen­te ti­ves­se um dis­co dos Sil­ver Ap­ples em ca­sa, em 1968?” Se is­so acon­te­ces­se, o re­sul­ta­do, ima­gi­nou-o Mor­gan Delt, se­ria es­te Pha­se Ze­ro que edi­tou em Agos­to do ano pas­sa­do.

Pas­sou al­guns anos, na ado­les­cên­cia, em ban­das de surf e ga­ra­ge-rock. In­te­res­sou-se de­pois pe­la elec­tró­ni­ca da Warp, pe­la mú­si­ca de um Aphex Twin. “Du­ran­te mui­to tem­po evi­ta­va fa­zer mú­si­ca com ele­men­tos que so­as­sem a an­ti­go”. Até que um dia ten­tou e che­gou a uma con­clu­são: “Sou mui­to me­lhor a tra­ba­lhar com es­ses sons”. Mor­gan Delt nas­ceu des­sa to­ma­da de cons­ci­ên­cia, reu­ni­da a ou­tra cer­te­za que já ga­nha­ra há al­gum tem­po: a de que fun­ci­o­na me­lhor so­zi­nho que em am­bi­en­te de ban­da. Jun­te-se uma coi­sa à ou­tra, acres­cen­te-se a Ca­li­fór­nia, ou me­lhor, aque­la zo­na es­pe­cí­fi­ca da Ca­li­fór­nia que ha­bi­ta, To­pan­ga Canyon, e es­tá fei­to o ma­pa da sua mú­si­ca.

“Há mui­to, mui­to tem­po que Los An­ge­les atrai gen­te di­fe­ren­te. Há mo­vi­men­tos re­li­gi­o­sos bi­zar­ros a apa­re­cer des­de a vi­ra­gem pa­ra o sé­cu­lo XX, cul­tos es­tra­nhos, ar­tis­tas in­con­for­ma­dos”, con­ta. “Ao mes­mo tem­po, há mui­ta gen­te a che­gar pa­ra vin­gar no gran­de mains­tre­am da mú­si­ca e de Hollywo­od, a fa­lhar e a ver os seus so­nhos es­ma­ga­dos. Exis­te uma ener­gia es­pe­ci­al por cau­sa dis­so, e tam­bém por cau­sa da­que­les que che­gam pa­ra tra­ba­lhar à mar­gem, co­mo o [re­a­li­za­dor] Ken­neth An­ger. Es­sa tra­di­ção un­derd­ground sem­pre me ins­pi­rou”.

Mor­gan Delt ab­sor­ve o am­bi­en­te em re­dor, mer­gu­lha nos dis­cos do pas­sa­do que tan­to lhe di­zem e fe­cha­se em ca­sa a in­ven­tar mun­dos so­no­ros al­ter­na­ti­vos. Tu­do mon­ta­do, cha­ma os ami­gos que com­põem a ban­da de pal­co e par­te pa­ra mos­trar ao mun­do o mun­do que aca­bou de in­ven­tar. Es­ta sex­ta-fei­ra, se­rá tem­po de o ver re­ve­la­do em Por­tu­gal. Pre­pa­re­mo-nos con­ve­ni­en­te­men­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.