À sa­la que se vai can­tar o fa­do

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Co­me­çou tam­bém a apren­der a to­car vi­o­la de fa­do. “Sem­pre ti­ve uma edu­ca­ção mui­to boa, dos meus pais, ao ní­vel dos va­lo­res. E ce­do ten­tei de­fi­nir-me, não por pre­sun­ção ou ar­ro­gân­cia pe­ran­te os ou­tros, mas por achar que as coi­sas de­vem ser ge­nuí­nas. Se can­tar co­mo aque­le, se­rei sem­pre igual àque­le.” Aos 16 anos co­me­çou a es­cre­ver “a sé­rio”: “Coi­sas em que me re­via, que já não dei­ta­va fo­ra. Mas aos 13 já fa­zia uns en­sai­os de qual­quer coi­sa que aca­bou por ser­vir pa­ra um dis­co que gra­vei aos 17 anos, do qual não me en­ver­go­nho. Mas quan­do olho pa­ra a ca­pa e me ve­jo com bor­bu­lhas e com ócu­los...”

O “quar­to” alen­te­ja­no

Du­ran­te mui­to tem­po fi­xou-se no jor­na­lis­mo, so­bre­tu­do no des­por­ti­vo. En­tu­si­as­ma­va-o le­var aqui­lo a sé­rio. Ain­da tra­ba­lhou a tem­po in­tei­ro uns se­te a oi­to anos e co­mo fre­e­lan­cer mais cin­co, mas de­pois far­tou-se, do jor­na­lis­mo e de Lis­boa. “Fi­quei por cá e aos 23 anos fiz aqui­lo que foi o so­nho da vi­da in­tei­ra do meu pai, que era vol­tar pa­ra Ar­rai­o­los. Ele in­fe­liz­men­te não con­se­guiu, por­que fa­le­ceu re­cen­te­men­te.” Es­sa ida pa­ra o Alen­te­jo acal­mou-o. “Ho­je, olhan­do pa­ra trás, acho que foi fun­da­men­tal pa­ra o meu fu­tu­ro. E a es­cri­ta co­me­ça a ga­nhar aí den­si­da­de, que era uma coi­sa que eu acha­va que me fal­ta­va.”

Um dia, es­ta­va co­mo ins­tru­men­tis­ta (vi­o­la) a par­ti­ci­par nu­ma gra­va­ção com o gui­tar­ris­ta Cus­tó­dio Cas­te­lo, quan­do es­te o viu, num can­to, a es­cre­ver. Per­gun­tou-lhe o que era, ele res­pon­deu que não era na­da de es­pe­ci­al, mas Cus­tó­dio in­sis­tiu e pe­diu-lhe que trou­xes­se, no dia se­guin­te, coi­sas que ti­ves­se es­cri­to. “Ele leu, gos­tou imen­so, e de­sa­fi­ou- me pa­ra gra­var um dis­co. Mas eu ain­da es­ta­va nu­ma tran­si­ção, num tur­bi­lhão in­te­ri­or, e re­jei­tei.” Mas Cus­tó­dio não de­sis­tiu e daí nas­ceu Quar­to, o dis­co de es­treia de Carlos Lei­tão, em 2013. “Foi um no­me que me veio à ca­be­ça, ia eu a con­du­zir. Pa­ra quem me co­nhe­ce, sa­be o sig­ni­fi­ca­do da ex­pres­são. Era um dis­co mais pe­sa­do, mais me­lan­có­li­co. O quar­to, aqui, sig­ni­fi­ca o Alen­te­jo. Fui pa­ra lá pa­ra me re­fu­gi­ar e foi daí que as coi­sas nas­ce­ram.”

Quem vir, num só olhar, o tí­tu­lo dos dois dis­cos, Quar­to e Sa­la de Es­tar, vê dois es­pa­ços de uma ca­sa. E se o pri­mei­ro tí­tu­lo re­me­tia pa­ra um re­fú­gio, uma in­ti­mi­da­de, o se­gun­do re­me­te pa­ra um es­pa­ço aber­to e de par­ti­lha: sa­la é on­de se re­ce­bem os ami­gos. Que são vá­ri­os, no dis­co. Além dos mú­si­cos (Hen­ri­que Lei­tão, seu ir­mão, na gui­tar­ra por­tu­gue­sa; Carlos Me­ne­zes, vi­o­la bai­xo e con­tra­bai­xo), há vá­ri­os no­mes, en­tre mú­si­cos, vo­zes e com­po­si­to­res: Má­rio Pa­che­co, Cus­tó­dio Cas­te­lo, Guilherme Ban­za, Rui Ve­lo­so, Jor­ge Fer­nan­do, Pau­lo Paz, Jú­lio Re­sen­de, Ti­a­go Tor­res da Sil­va, Cu­ca Ro­se­ta, Lia Ga­ma, Pedro Ca­la­do, Hu­go Ba­le­tas, “Bu­ba” Espinho, Da­vid Pe­rei­ra, Luis Pon­tes, João Fra­de, Do­min­gos Ga­lé­sio, Sa­mu­el San­tos. “A ideia foi pre­ci­sa­men­te es­sa, con­vi­dar pes­so­as. Po­di­am ser ou­tros, mas achei que es­tes fa­zi­am sen­ti­do.” A pre­sen­ça de Lia Ga­ma tem a ver com o pai de Carlos, fa­le­ci­do em 2016. “Ela fez li­te­ral­men­te o ser­vi­ço mi­li­tar com o meu pai, por­que ca­sou com um ca­ma­ra­da de ar­mas de­le e par­ti­ca­men­te vi­veu com eles no quar­tel.” O te­ma on­de ela par­ti­ci­pa, Ter­ra Cer­ta, foi es­cri­to por Carlos na Áus­tria, on­de es­ta­va em tour­née, pre­ci­sa­men­te na ma­nhã do dia em que o seu pai vi­ria a mor­rer. “Ima­gi­nei lo­go o te­ma com uma par­te pa­ra ser de­cla­ma­da. E a Lia, por­que é ac­triz, sa­be de­cla­mar, sa­be o pe­so que de­ve dar às pa­la­vras. E num tri­bu­to ao meu pai ter uma das me­lho­res ami­gas de­le a de­cla­mar, acho que é ma­ra­vi­lho­so. E ela acei­tou.”

Res­pei­tar can­te e fa­do

No dis­co há tam­bém uma mo­da alen­te­ja­na, A noi­te fi­ca-me bem, com le­tra e mú­si­ca de­le e can­ta­da à ca­pe­la: “É uma coi­sa que eu já que­ria ter ar­ris­ca­do há uns anos. E con­vi­dei al­guns ele­men­tos do can­te, cu­ri­o­sa­men­te to­dos de uma ge­ra­ção mais re­cen­te mas que con­fe­rem ao can­te um res­pei­to que é o mes­mo res­pei­to que eu te­nho pe­lo fa­do.”

Há seis anos, foi con­vi­da­do por Má­rio Pa­che­co pa­ra can­tar no Clu­be de Fa­do e por lá con­ti­nua. Vi­ve da mú­si­ca, em­bo­ra afir­me que em Por­tu­gal is­so não é fá­cil. Mas quer man­ter-se fi­el aos va­lo­res com que foi edu­ca­do. “Não va­ci­lo em fun­ção dos ven­tos ou das opor­tu­ni­da­des. Sou as­sim pes­so­al­men­te e pro­fis­si­o­nal­men­te.” Os va­lo­res de que ele fa­la “são os va­lo­res bá­si­cos, o res­pei­to pe­lo ou­tro, a to­le­rân­cia. Não po­de­mos an­dar uma vi­da in­tei­ra a de­fen­der a de­mo­cra­cia, os va­lo­res da de­mo­cra­cia, e de­pois, quan­do so­mos cha­ma­dos à ra­zão pa­ra os pra­ti­car, com­por­tar­mo-nos co­mo re­ac­ci­o­ná­ri­os.”

Sa­la de Es­tar foi apre­sen­ta­do no dia 20 de Maio, no Pe­que­no Au­di­tó­rio do CCB, em Lis­boa, no ci­clo Há Fa­do no Cais. E vai an­dar por aí, por ou­tros ter­rei­ros e pal­cos, da Fei­ra de São João, em Évo­ra, às Fes­tas de Cor­roi­os, do Cas­te­lo de Ar­rai­o­los, em Agos­to, até ao Te­a­tro Gar­cia de Re­sen­de em Évo­ra ou até à Áus­tria. O mais lon­ge que pu­der.

Sa­la de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.