O Fes­ti­val? Dram­ma gi­o­co­so!

Publico - Ipsilon - - Sumário -

OFes­ti­val Eu­ro­vi­são da Can­ção — olhe­mo-lo de fren­te — é um es­pec­tá­cu­lo da erec­ção cos­mé­ti­ca e do gos­to bar­ro­co pe­la más­ca­ra e pe­lo hi­per-ar­ti­fí­cio. Não per­ce­be­re­mos co­mo é que es­ta ma­ni­fes­ta­ção se tor­nou na­qui­lo que é se nun­ca en­trá­mos nu­ma dis­co­te­ca gay, des­sas on­de há ac­tu­a­ções de tra­ves­tis e on­de se ce­le­bra o cul­to das di­vas da mú­si­ca pop. Tal co­mo o mun­do da mo­da, o Fes­ti­val da Eu­ro­vi­são foi ane­xa­do por uma sub­cul­tu­ra gay e con­for­mou-se ao es­pí­ri­to da ex­tra­va­gân­cia e do es­ti­lo exa­ge­ra­do. O Fes­ti­val é a gran­de operação iró­ni­ca de uma mi­no­ria que con­se­guiu im­por ao Cor­po Na­ci­o­nal straight — aos cor­pos na­ci­o­nais eu­ro­peus — a sen­si­bi­li­da­de e a es­té­ti­ca que­er. Di­a­bó­li­ca in­ver­são, dram­ma gi­o­co­so! O Fes­ti­val sus­ci­ta a re­fe­rên­cia a uma es­té­ti­ca e a um es­ti­lo mui­tas ve­zes iden­ti­fi­ca­dos com o kits­ch, mas pa­ra os quais ser­ve an­tes uma ou­tra ca­te­go­ria, si­tu­a­da nu­ma zo­na li­mí­tro­fe do kits­ch. Es­sa ca­te­go­ria é o camp. De­ve­mos a sua co­di­fi­ca­ção e ca­rac­te­ri­za­ção, pe­la pri­mei­ra vez, a Su­san Son­tag, que pu­bli­cou em 1964 um ar­ti­go in­ti­tu­la­do No­tes on “Camp” (em to­do o ar­ti­go, a pa­la­vra apa­re­ce com le­tras maiús­cu­las e só tem as­pas no tí­tu­lo), de­pois in­cluí­do em Against In­ter­pre­ta­ti­on. Son­tag de­fi­niu o camp co­mo um gos­to e uma sen­si­bi­li­da­de, “um mo­do de ver o mun­do co­mo fe­nó­me­no es­té­ti­co”, is­to é, co­mo um es­te­tis­mo que não se me­de em ter­mos de be­le­za, mas pe­lo “grau de ar­ti­fí­cio, de es­ti­li­za­ção”. E, já qua­se no fi­nal do ar­ti­go, cons­ti­tuí­do por 58 no­tas, a au­to­ra tra­ça uma afi­ni­da­de en­tre o camp e a te­a­tra­li­da­de frí­vo­la e hi­per­té­li­ca, do­ta­da de iro­nia e de au­to-iro­nia, ca­rac­te­rís­ti­ca dos mei­os ho­mos­se­xu­ais. O camp não se es­go­ta no gos­to gay, diz Son­tag, mas os ho­mos­se­xu­ais fo­ram a van­guar­da des­ta sen­si­bi­li­da­de. Aqui­lo que ge­ral­men­te é vis­to co­mo kits­ch — as gay pa­ra­des, a os­ten­ta­ção de sig­nos de rei­vin­di­ca­ção de uma cul­tu­ra mi­no­ri­tá­ria , o cul­to do tra­ves­tis­se­ment, a pul­são da me­ta­mor­fo­se, a te­a­tra­li­za­ção dos gé­ne­ros — não é se­não um mau gos­to cons­ci­en­te, au­to-iró­ni­co, que nas­ceu co­mo uma es­tra­té­gia de afir­ma­ção cul­tu­ral no in­te­ri­or da mo­ral do­mi­nan­te. En­quan­to o kits­ch, in­ge­nu­a­men­te, não co­lo­ca ne­nhu­ma dis­tân­cia en­tre as su­as in­ten­ções e os seus re­sul­ta­dos, o camp ela­bo­ra uma es­te­ti­za­ção que exi­be de ma­nei­ra cons­ci­en­te e pro­vo­ca­tó­ria o exa­ge­ro do seu ar­ti­fí­cio. E fá-lo unin­do na mes­ma operação iro­nia, com­pra­zi­men­to e si­mu­la­ção. Tra­ta-se de ver as coi­sas co­mo se elas es­ti­ves­sem en­tre as­pas, ex­pli­ca Son­tag, já que não exis­te na­da mais es­tra­nho à na­tu­re­za do que o camp. Foi exac­ta­men­te co­mo uma mu­lher en­tre as­pas que Con­chi­ta Wurst se apre­sen­tou no Fes­ti­val de 2014, a edição mais ge­nui­na­men­te camp des­te acon­te­ci­men­to anu­al. Mas pa­re­ce que nem as­sim a ge­ne­ra­li­da­de das pes­so­as per­ce­beu o que era o Fes­ti­val da Eu­ro­vi­são. O tra­ves­ti não imi­ta a mu­lher. No li­mi­te, pa­ra ele, nem exis­te mu­lher, exis­te ape­nas um fan­tas­ma ao qual atri­bui uma fi­gu­ra de hi­per-mu­lher, uma más­ca­ra ar­ti­fi­ci­al e ex­ces­si­va que nos con­vi­da a ver a mu­lher en­tre as­pas, ou, co­mo tam­bém diz Son­tag, “as coi­sas­que-são-co­mo-não-são”. Con­fi­gu­ra­do pe­lo gos­to camp da sub­cul­tu­ra gay, o Fes­ti­val “é be­lo por­que é hor­rí­vel”. É com es­ta fra­se que po­de­mos tra­du­zir a sen­si­bi­li­da­de camp que o tor­nou na­qui­lo que ele é e neu­tra­li­zou to­da a mo­ra­li­da­de: à ten­são trans­gres­si­va en­tre mo­ral e es­té­ti­ca, à re­cla­ma­ção, cheia de gra­vi­da­de, de que a es­té­ti­ca e a éti­ca são a mes­ma coi­sa, o camp opõe a sen­si­bi­li­da­de do es­te­tis­mo res­plan­de­cen­te e ele­va­do a pai­xão cos­mé­ti­ca.

P.S. Sal­va­dor So­bral quis re­pre­sen­tar nas su­as in­ten­ções uma con­tra-re­vo­lu­ção pu­ri­ta­na. In­te­li­gen­te co­mo é, já es­tá cer­ta­men­te a rir de tão in­dig­na mis­são.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.