A es­tra­da Ali­ce Colt

Publico - Ipsilon - - Sumário - Pedro Ri­os

Al­gu­res em 1982, Ali­ce Col­tra­ne sur­pre­en­deu os seus dis­cí­pu­los es­pi­ri­tu­ais. Con­vi­dou- os a ou­vi­rem uma cas­se­te nos aus­cul­ta­do­res. “Ou­vi­mos me­lo­di­as be­lís­si­mas e uma voz. Se­ria um ho­mem ou uma mu­lher? Não tí­nha­mos a cer­te­za. Mais tar­de per­gun­tá­mos à Swa­mi­ni [Ali­ce Col­tra­ne] e cla­ro que era ela. Es­ta­va a can­tar num re­gis­to gra­ve que nun­ca tí­nha­mos ou­vi­do. Per­gun­tá­mos-lhe so­bre aque­la voz, ela dis­se que ti­nha me­di­ta­do e que Deus lhe ti­nha di­to que de­via can­tar e usar aque­la voz. Ela dis­se que so­a­va as­sim por­que não era mas­cu­li­na nem fe­mi­ni­na era a voz da al­ma”, con­tou Radha Bo­to­fa­si­na, se­gui­do­ra de Ali­ce.

Por es­ta al­tu­ra, Ali­ce Col­tra­ne era já Tu­riya­san­gi­ta­nan­da (“a can­ção mais ele­va­da de Deus”, em sâns­cri­to), uma mu­lher de 45 anos to­tal­men­te imer­sa na es­pi­ri­tu­a­li­da­de hin­du. Ao fim de tan­tos anos de car­rei­ra, Ali­ce, que se tor­na­ra co­nhe­ci­da co­mo har­pis­ta, pi­a­nis­ta e or­ga­nis­ta jazz, au­to­ra de dis­cos fun­da­men­tais co­mo Jour­ney in Sat­chi­da­nan­da (1971), e mu­lher e co­la­bo­ra­do­ra de John Col­tra­ne, can­ta­va. E que voz ma­ra­vi­lho­sa era aque­la que se fa­zia acom­pa­nhar por um sin­te­ti­za­dor em Tu­riya Sings, cas­se­te da­que­le ano de 1982. Mas o mun­do não a ou­viu.

De­pois da mor­te de John Col­tra- ne, em 1967, com quem ca­sa­ra dois anos an­tes, Ali­ce, en­tão com 30 anos e qua­tro fi­lhos, apro­fun­dou a sua re­li­gi­o­si­da­de. Es­tu­dou os tex­tos vé­di­cos, pre­cur­so­res do hin­duís­mo mo­der­no. Em 1969, co­me­çou a es­tu­dar com Sat­chi­da­nan­da Sa­raswa­ti, gu­ru in­di­a­no que se tor­nou fa­mo­so no Oci­den­te por dis­cur­sar no pri­mei­ro fes­ti­val de Wo­ods­tock. Com ele, Ali­ce apren­deu vá­ri­os cân­ti­cos de de­vo­ção e pe­re­gri­nou à Ín­dia, on­de des­co­briu um mun­do mu­si­cal tão an­ti­go qu­an­to ex­ci­tan­te.

Le­vou es­te co­nhe­ci­men­to pa­ra a Ca­li­fór­nia, on­de se fi­xou em 1972. Abriu o Ve­dan­tic Cen­ter na sua casa, em Wo­o­dland Hills, a nor­te de Los An­ge­les. Em 1983, de­pois da mor­te do fi­lho John Jr., deu um pas­so em frente: in­ves­tiu nu­ma vas­ta pro­pri­e­da­de ali per­to, com 19 hec­ta­res, on­de abriu um ash­ram (re­ti­ro es­pi­ri­tu­al das re­li­giões in­di­a­nas). Por lá pas­sa­ram cen­te­nas de pes­so­as, en­tre as quais Ste­ven El­li­son, so­bri­nho-neto de Ali­ce que ho­je as­si­na mú­si­ca elec­tró­ni­ca co­mo Flying Lo­tus, e Surya Bo­to­fa­si­na, mú­si­co que di­ri­giu em Maio um con­cer­to de ho­me­na­gem a Ali­ce Col­tra­ne, em No­va Ior­que.

“Cres­cer no ash­ram pa­re­cia o pa­raí­so na Ter­ra. Co­mo cri­an­ças, todas sa­bía­mos a sor­te que tí­nha­mos. Ha­via tan­to es­pa­ço li­vre e paz. Jun­tan­do is­so às pes­so­as be­las que ali en­con­trá­va­mos to­dos os di­as, re­sul­ta­va em al­go ver­da­dei­ra­men­te bo­ni­to”, con­ta, por email, Surya, fi­lho de Radha Bo­to­fa­si­na.

Os cân­ti­cos re­li­gi­o­sos mar­ca­vam o dia-a-dia do ash­ram. Tu­riya Sings foi o pri­mei­ro de vá­ri­os dis­cos, fei­tos en­tre 1982 e 1995, que do­cu­men­tam a mú­si­ca ali can­ta­da e to­ca­da. Es­ses re­gis­tos, edi­ta­dos em cas­se­tes que eram ven­di­das no ash­ram (pou­cas cen­te­nas de có­pi­as fo­ram fei­tas de ca­da), eram objecto de cul­to pa­ra co­lec­ci­o­na­do­res, um pra­zer res­tri­to. Até ago­ra: a Lu­a­ka Bop jun­tou al­gu­mas des­tas gra­va­ções em World Spi­ri­tu­a­lity Clas­sics, Vo­lu­me 1: The Ecs­ta­tic Mu­sic of Ali­ce Col­tra­ne Tu­riya­san­gi­ta­nan­da, o pri­mei­ro de uma sé­rie de dis­cos que a edi­to­ra de Da­vid Byr­ne vai de­di­car à mú­si­ca es­pi­ri­tu­al.

Ob­ti­das e re­mas­te­ri­za­das a par­tir das gra­va­ções ori­gi­nais, es­tas pe­ças po­dem fa­zer jus­ti­ça a um pe­río­do qua­se des­co­nhe­ci­do da car­rei­ra de Ali­ce Col­tra­ne, que mor­reu em 2007. Em Om Ra­ma, sin­te­ti­za­do­res lus­tro­sos so­bem e des­cem, ar­ras­tan­do-nos com eles, en­quan­to um co­ro lou­va Ra­ma, uma das prin­ci­pais di­vin­da­des do hin­duís­mo, e pan­dei­re­tas ar­ran­jam um fes­tim cós­mi­co. De re­pen­te, tu­do se ca­la e es­ta­mos no em­ba­lo gos­pel da voz de John Hen­der­son, que guia um co­ro de lou­vor. No­ve mi­nu­tos de­pois, no fim de Om Ra­ma, ha­ve­re­mos de ou­vir de no­vo aque­le sin­te­ti­za­dor nu­ma ful­gu­ran­te su­bi­da aos céus. Er Ra é con­du­zi­da pe­la har­pa de Col­tra­ne, es­tre­la em tan­tos dis­cos jazz; Om Shan­ti tem ca­ma­das de vo­zes a le­vi­tar, vo­zes es­sas que le­va­rão Ra­ma Gu­ru pa­ra um de­lí­rio blues; Ra­ma Ra­ma cru­za a si­tar com te­cla­dos ma­jes­to­sos e o cân­ti­co be­lís­si­mo de Ali­ce co­mo é que uma voz des­tas es­ti­ve­ra em si­lên­cio tan­tos anos?

O que aca­bá­mos de ou­vir? Gos­pel, bha­jans (hi­nos re­li­gi­o­sos) da Ín­dia, blues, um sin­te­ti­za­dor mo­der­no (um Oberheim OB8, que che­gou ao mer­ca­do em 1983) em vi­a­gens ao Uni­ver­so e a voz de Ali­ce, a so­lo ou co­mo co­man­do de um co­ro. “Can­tar (.) per­mi­te que o can­tor che­gue aos do­mí­ni­os mais ele­va­dos da cons­ci­ên­cia es­pi­ri­tu­al. Po­de le­var uma pes­soa pa­ra mais per­to de Deus por­que es­sa pes­soa cha­ma Deus”, es­cre­veu Ali­ce nas no­tas que acom­pa­nham Di­vi­ne Songs (1987), uma das cas­se­tes re­pre­sen­ta­das nes­ta com­pi­la­ção.

Dei­xou uma car­rei­ra de su­ces­so no jazz pa­ra se de­di­car à ora­ção e ao lou­vor pe­la mú­si­ca. As gra­va­ções des­se pe­río­do de Ali­ce Col­tra­ne eram qua­se se­cre­tas, mas um no­vo dis­co des­faz es­sa in­jus­ti­ça his­tó­ri­ca

Pro­cu­rar Deus

Surya des­cre­ve a vi­da no ash­ram. “Mú­si­ca, bha­jans, man­tras, ora­ções, fa­zia tu­do par­te da vi­da diá­ria de di­fe­ren­tes for­mas”, con­ta. “A for­ma mais sim­ples era a exis­tên­cia cons­tan­te de cân­ti­cos de no­mes de deu­ses. A uma cer­ta al­tu­ra, to­ca­va-se bha­jans du­as ve­zes por dia no nos­so man­dir [tem­plo].” No cen­tro de tu­do, uma pes­soa: Ali­ce. “A sua pre­sen­ça e ori­en­ta­ção di­vi­nas fo­ram da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.