Vras pa­ra tan­to san­gue

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Ins­ti­ga­do pe­las pro­fe­ci­as de três bru­xas que lhe pro­me­tem o tro­no da Es­có­cia, um ge­ne­ral es­co­cês, Mac­beth, as­sas­si­na o seu so­be­ra­no, Duncan, inau­gu­ran­do uma su­ces­são de cri­mes que o con­du­zi­rá a uma ver­ti­gi­no­sa es­pi­ral de am­bi­ção, vi­o­lên­cia, lou­cu­ra e mor­te. Es­tre­a­da pro­va­vel­men­te em 1606, Mac­beth é a mais san­gui­ná­ria, mas tam­bém a mais bre­ve das gran­des tra­gé­di­as sha­kes­pe­a­ri­a­nas. É uma pe­ça “de uma ve­lo­ci­da­de ver­ti­gi­no­sa, em que pra­ti­ca­men­te não há fron­tei­ra en­tre ver­ba­li­zar e fa­zer”, ob­ser­va o po­e­ta Da­ni­el Jonas no pre­fá­cio à sua tra­du­ção do tex­to, fei­ta ex­pres­sa­men­te pa­ra es­ta pro­du­ção do Te­a­tro Na­ci­o­nal de São João (TNSJ), que se es­tre­ou na quin­ta-fei­ra e que se man­te­rá em ce­na até dia 22.

Um dos mé­ri­tos des­ta en­ce­na­ção, que mar­ca a es­treia de Nuno Ca­ri­nhas no re­por­tó­rio sha­kes­pe­a­ri­a­no, é con­se­guir man­ter em pal­co es­sa sen­sa­ção de tor­ve­li­nho: uma ca­deia de ac­ções que, uma vez de­sen­ca­de­a­da, cor­re pa­ra o seu de­sen­la­ce sem que na­da a pos­sa tra­var ou atra­sar. Um efei­to pa­ra­do­xal­men­te re­for­ça­do pe­la len­ti­dão da ce­na de aber­tu­ra, que Ca­ri­nhas ex­pan­de mui­to pa­ra lá do que o tex­to de Sha­kes­pe­a­re su­ge­re. A pri­mei­ra e fu­gaz apa­ri­ção das bru­xas, que com­bi­nam ra­pi­da­men­te en­tre si o en­con­tro que pro­mo­ve­rão com Mac­beth, é aqui trans­for­ma­da nu­ma de­mo­ra­da co­re­o­gra­fia de gran­de beleza vi­su­al, uma das mais con­se­gui­das sin­gu­la­ri­da­des des­ta en­ce­na­ção. E es­ta es­pé­cie de dan­ça das Moi­ras ser­ve tam­bém pa­ra mar­car des­de o iní­cio a re­le­vân­cia de al­guns tó­pi­cos cen­trais da pe­ça: não ape­nas o da in­tro­mis­são do so­bre­na­tu­ral nos des­ti­nos hu­ma­nos, mas tam­bém, por exem- plo, o da noi­te e da in­só­nia co­mo omi­no­so ter­ri­tó­rio pro­pí­cio à alu­ci­na­ção, às de­ci­sões pre­ci­pi­ta­das, ao cri­me e à lou­cu­ra.

No que Ca­ri­nhas não vê qual­quer sig­ni­fi­ca­do es­pe­ci­al é nes­ta sua che­ga­da al­go tar­dia à obra de Sha­kes­pe­a­re. Re­cor­dan­do al­gu­mas du­as su­as en­ce­na­ções an­te­ri­o­res, co­mo Tam­bo­res na Noi­te, de Bre­cht, An­tí­go­na, de Só­fo­cles, ou Os Úl­ti­mos Di­as da Hu­ma­ni­da­de, de Kraus, ex­pli­ca: “De uns anos a es­ta par­te te­nho fei­to coi­sas que têm mui­to que ver com po­lí­ti­ca, mas­sas, ide­o­lo­gia, e ago­ra ape­te­ceu-me fo­car mais a lou­cu­ra in­di­vi­du­al.” E pa­ra o aju­dar nes­ta sua “es­treia” foi bus­car João Reis, um ac­tor que já deu cor­po e voz a mui­tas per­so­na­gens do dra­ma­tur­go in­glês, e que em tem­pos foi um dos mais re­cor­ren­tes pro­ta­go­nis­tas dos es­pec­tá­cu­los en­ce­na­dos por Ri­car­do Pais e por Ca­ri­nhas no TNSJ. A in­ter­pre­ta­ção de Reis, que con­tra­ce­na com Emília Sil­ves­tre no pa­pel de Lady Mac­beth, é um dos pon­tos al­tos da pe­ça, mas to­do o elen­co é con­vin­cen­te. E cur­to. Com es­cas­sos dez in­tér­pre­tes nu­ma pe­ça mui­tas ve­zes en­ce­na­da com elen­cos de 20 ou 25, al­guns ac­to­res as­su­mem vá­ri­as per­so­na­gens, e foi ain­da pre­ci­so cor­tar ou re­dis­tri­buir al­gu­mas fa­las.

En­ce­na­da ve­zes sem con­ta, trans­pos­ta pa­ra o gran­de ecrã por Or­son Wel­les, Aki­ra Ku­ro­sawa ou Ro­man Po­lans­ki, pa­ra ci­tar ape­nas al­gu­mas das su­as mui­tas ver­sões ci­ne­ma­to­grá­fi­cas, a “pe­ça es­co­ce­sa”, co­mo os mais su­pers­ti­ci­o­sos pre­fe­rem cha­mar-lhe, evi­tan­do pro­nun­ci­ar o ape­li­do mal­di­to, tem si­do tam­bém al­vo de lei­tu­ras mui­to di­ver­sas, e por ve­zes dís­pa­res. Mac­beth é um no­bre im­pla­cá­vel mas va­lo­ro­so a quem o ex­ces­so de am­bi­ção ar­ruí­na ou é ape­nas um vi­lão cru­el e sem es­crú- pu­los? E Lady Mac­beth? É uma me­ge­ra fria e cal­cu­lis­ta ou é uma es­po­sa aman­tís­si­ma que de­se­ja ape­nas a glória do ma­ri­do? E tra­ta-se de uma pe­ça mo­ra­lis­ta, que pro­cu­ra dis­su­a­dir-nos de ce­der­mos a am­bi­ções des­me­di­das, mos­tran­do-nos o al­to pre­ço que pa­ga­re­mos no fim, ou tem ra­zão Ni­etzs­che qu­an­do su­ge­re que atri­buir a Mac­beth es­te efei­to mo­ra­li­za­dor é tão ab­sur­do co­mo acre­di­tar que Tris­tão e Isol­da pos­sa fun­ci­o­nar co­mo pre­ven­ção con­tra o adul­té­rio?

Uma man­guei­ra­da de san­gue

Nuno Ca­ri­nhas pre­fe­riu não to­mar par­ti­do. “Quan­tos mais ca­mi­nhos dei­xar­mos aber­tos pa­ra quem vê a pe­ça, me­lhor”, diz o en­ce­na­dor. “Os afu­ni­la­men­tos são sem­pre de evi­tar.” Um ob­jec­ti­vo fa­ci­li­ta­do pe­lo seu mé­to­do de tra­ba­lho. An­tes de se co­me­ça­rem se­quer a es­bo­çar quais­quer so­lu­ções con­cre­tas de en­ce­na­ção, os tex­tos são lon­ga­men­te dis­cu­ti­dos com ac­to­res, dra­ma­tur­gis­tas, tra­du­to­res, e até com es­pe­ci­a­lis­tas ex­te­ri­o­res à pro­du­ção: du­ran­te a pre­pa­ra­ção do es­pec­tá­cu­lo, os en­saís­tas An­tó­nio M. Fei­jó e Ana Luí­sa Ama­ral, am­bos tra­du­to­res de Sha­kes­pe­a­re, par­ti­ci­pa­ram em en­sai­os aber­tos e dis­cu­ti­ram a pe­ça com os ele­men­tos da equi­pa, bem co­mo Pedro Me­xia, que viu e co­men­tou com eles as adap­ta­ções de Or­son Wel­les e Ku­ro­sawa.

Não me­nos im­por­tan­te foi o tra­ba­lho com Da­ni­el Jonas. “Vi-me con­fron­ta­do com as pa­la­vras de dois po­e­tas, o que es­cre­veu e o que tra­du­ziu”, diz Ca­ri­nhas, que elo­gia o mo­do co­mo Jonas con­se­guiu re­a­li­zar “uma tra­du­ção mui­to con­ci­sa e eco­nó­mi­ca”, vi­tal pa­ra não trair es­sa com­pres­são e ve­lo­ci­da­de ca­rac­te­rís­ti­cas da pe­ça. Pedro So­bra­do, um dos res­pon­sá­veis pe­la dra­ma­tur­gia, acres­cen­ta: “Qu­an­do se en­co­men­da uma no­va tra­du­ção a al­guém que é ele pró­prio um po­e­ta ex­tra­or­di­ná­rio e um es­pec­ta­dor de te­a­tro, com quem po­de­mos tra­ba­lhar so­bre o tex­to, is­so é já um pri­mei­ro ges­to da en­ce­na­ção.”

A con­tri­bui­ção do TNSJ pa­ra va­lo­ri­zar o pa­tri­mó­nio dis­po­ní­vel de tra­du­ções de te­a­tro — bas­ta pensar, por exem­plo, que sem a re­cen­te en­ce­na­ção de Os Úl­ti­mos Di­as da Hu­ma­ni­da­de di­fi­cil­men­te te­ría­mos ho­je uma tra­du­ção in­te­gral da obra­pri­ma de Karl Kraus — é um as­pec­to que me­re­ce­ria, aliás, ser mais des­ta­ca­do. E se à pu­bli­ca­ção de no­vas tra­du­ções so­mar­mos os ain­da mais ra­ra­men­te re­fe­ri­dos Ma­nu­ais de Lei­tu­ra que acom­pa­nham sis­te­ma­ti­ca­men­te as pro­du­ções da casa, se­ria jus­to re­co­nhe­cer à pe­que­na equi­pa que as­se­gu­ra o nú­cleo de edições do TNSJ o es­ta­tu­to de ins­ti­tui­ção cul­tu­ral re­le­van­te por di­rei­to pró­prio. Bas­ta olhar pa­ra o ma­nu­al dis­tri­buí­do aos es­pec­ta­do­res des­te Mac­beth, que, além de al­guns in­ci­si­vos olha­res his­tó­ri­cos so­bre as­pec­tos es­pe­cí­fi­cos da pe­ça — co­lhi­dos em De Quin­cey, Ni­etzs­che ou Lam­pe­du­sa —, in­clui tex­tos ori­gi­nais de en­saís­tas e tra­du­to­res co­mo Da­ni­el Jonas, Rui Car­va­lho Ho­mem ou Ana Luí­sa Ama­ral, um es­tu­do de Yvet­te K. Cen­te­no so­bre bru­xa­ri­as, ma­gi­as e pro­fe­ci­as, ou­tro da psi­ca­na­lis­ta Fá­ti­ma Sars­fi­eld Ca­bral, um co­mu­ni­can­te re­la­to da cons­tru­ção da dra­ma­tur­gia da pe­ça, as­si­na­do por Pedro So­bra­do, e até um en­saio iné­di­to en­co­men­da­do a um dos gran­des no­mes dos ac­tu­ais es­tu­dos sha­kes­pe­a­ri­a­nos, Mi­cha­el Dob­son, di­rec­tor do Ins­ti­tu­to Sha­kes­pe­a­re.

Re­gres­san­do à en­ce­na­ção e ce­no­gra­fia que Nuno Ca­ri­nhas con­ce­beu pa­ra es­te Mac­beth, a pri­mei­ra coi­sa a su­bli­nhar é que é fran­ca­men­te im­pres­si­o­nan­te o que se con­se­gue fa­zer — em ter­mos prá­ti­cos e es­té­ti­cos — com um jo­go de cor­ti­nas. Cus­ta ad­mi­tir que pos­sa ha­ver qual­quer coi­sa de es­pe­ci­al­men­te omi­no­so ou ar­re­pi­an­te no me­ro mo­vi­men­to de uma cor­ti­na a avan­çar do fun­do do pal­co pa­ra a bo­ca de ce­na, mas é is­so mes­mo que o es­pec­ta­dor sen­te, e não tar­da es­tá a ima­gi­nar que o ras­gão en­tre os dois pa­nos de­se­nha uma es­pa­da as­sas­si­na.

Ou­tra ideia sim­ples que fun­ci­o­na bem é a da lu­mi­no­si­da­de aver­me­lha­da que ba­nha o pal­co, e que po­de tra­zer à ca­be­ça uma pas­sa­gem do tex­to de Da­ni­el Jonas em que es­te as­si­na­la a “ten­ta­ti­va tra­pa­lho­na” de Mac­beth pa­ra re­sol­ver al­gu­mas pon­tas sol­tas dei­xa­das pe­lo seu pri­mei­ro cri­me co­mo o ges­to de “al­guém que ten­tas­se la­var o chão com uma man­guei­ra­da de san­gue”. E mais não se diz, que con­vém não le­van­tar de­ma­si­a­do a cor­ti­na.

Ris­co que Ca­ri­nhas não quis de­fi­ni­ti­va­men­te cor­rer foi o de “ac­tu­a­li­zar” de­ma­si­a­do a pe­ça. Com ex­cep­ção das Moi­ras, ves­ti­das e ma­qui­lha­das um tan­to ao es­ti­lo das “gó­ti­cas” dos nos­sos di­as, todas as res­tan­tes per­so­na­gens en­ver­gam co­tas de ar­mas e rou­pas que as­so­ci­a­mos à Ida­de Mé­dia. E até foi aco­pla­do à equi­pa um mes­tre de es­gri­ma pa­ra ori­en­tar e tor­nar ve­ro­sí­meis al­gu­mas lu­tas de es­pa­da mais de­ci­si­vas. “As ac­tu­a­li­za­ções têm o pe­ri­go de tra­zer tu­do de tal for­ma pa­ra o pre­sen­te que a es­sên­cia da pe­ça aca­ba por ser des­vir­tu­a­da”, ar­gu­men­ta o en­ce­na­dor, acres­cen­tan­do que se cai des­se mo­do num “con­tra-sen­so” que po­de le­var o es­pec­ta­dor a per­gun­tar-se com le­gi­ti­mi­da­de: “En­tão [se is­to é o pre­sen­te] por­que é que es­tão a fa­lar as­sim e a com­por­tar-se da­que­la ma­nei­ra?”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.