A es­quer­da ace­le­ra­da

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Um as­sen­ti­men­to ge­ral dá vi­da lon­ga a es­ta pi­a­da: é mais fá­cil ima­gi­nar o fim do mun­do do que o fim do ca­pi­ta­lis­mo. Es­ta pa­ra­li­sia de or­dem po­lí­ti­ca não é igual a tan­tas ou­tras do pas­sa­do por­que o que es­tá em cau­sa, ago­ra, não é só o cur­so da His­tó­ria e as re­pre­sen­ta­ções e con­fi­gu­ra­ções de or­dem po­lí­ti­ca, é tam­bém um ca­ta­clis­mo eco­ló­gi­co glo­bal que nos re­en­via pa­ra o nos­so frá­gil es­ta­tu­to de earth­bound, de se­res li­ga­dos à ter­ra, co­mo diz o so­ció­lo­go Bru­no La­tour. Uma he­re­sia po­lí­ti­ca con­tem­po­râ­nea que in­ter­pe­la so­bre­tu­do a es­quer­da e as su­as ten­dên­ci­as nos­tál­gi­cas (veja-se, por exem­plo, co­mo ela jo­ga mui­to mais na mi­ra­gem do ple­no em­pre­go do que na ló­gi­ca de um mun­do sem tra­ba­lho com o qual es­ta­mos con­fron­ta­dos) é um po­lé­mi­co ma­ni­fes­to pu­bli­ca­do em 2013 por dois uni­ver­si­tá­ri­os in­gle­ses: Nick Sr­ni­cek e Alex Wil­li­ams. Tra­ta-se do Ac­ce­le­ra­te Ma­ni­fes­to for an Ac­cle­ra­ti­o­nist Po­li­tics. Pa­re­ce cer­ta­men­te es­tra­nho co­mo é que um programa “ace­le­ra­ci­o­nis­ta” po­de ser uma al­ter­na­ti­va nu­ma épo­ca em que a re­gra a que tu­do es­tá su­jei­to é pre­ci­sa­men­te a ve­lo­ci­da­de. O que le­va to­do o pen­sa­men­to eco­ló­gi­co a de­fen­der o re­gres­so à len­ti­dão. Di­ga-se, em boa ver­da­de, que o Ma­ni­fes­to Ace­le­ra­ci­o­nis­ta cai nu­ma tec­no­fi­lia in­gé­nua, qu­an­do não ga­nha até a di­men­são de um “pro­me­teís­mo de­men­te”, co­mo ob­ser­vou o fi­ló­so­fo fran­cês Yves Cit­ton (que o tra­du­ziu pa­ra fran­cês, na re­vis­ta Mul­ti­tu­des). O Ma­ni­fes­to pre­ten­de su­pe­rar o ca­pi­ta­lis­mo ne­o­li­be­ral e re­cu­pe­rar, pa­ra a es­quer­da, a ideia per­di­da de fu­tu­ro. Es­te mo­do de pensar sus­ci­ta ime­di­a­ta­men­te es­ta in­ter­ro­ga­ção: o ca­pi­ta­lis­mo ne­o­li­be­ral não impôs pre­ci­sa­men­te a lei da ace­le­ra­ção, em to­dos os do­mí­ni­os? Fa­zen­do uma dis­tin­ção en­tre ve­lo­ci­da­de e ace­le­ra­ção, os au­to­res do Ma­ni­fes­to de­fen­dem que o que se pas­sa é que te­mos o sen­ti­men­to de que avan­ça­mos ra­pi­da­men­te, mas os fun­da­men­tos não so­frem qual­quer mu­dan­ça. Au­men­ta­mos a ve­lo­ci­da­de sem al­te­rar a mu­dan­ça da bi­ci­cle­ta. Por is­so, pre­ci­sa­mos de pe­da­lar ca­da vez mais. Ora, o Ma­ni­fes­to Ace­le­ra­ci­o­nis­ta é de um gran­de op­ti­mis­mo: en­ten­de que a pas­sa­gem pa­ra um pós-ca­pi­ta­lis­mo se po­de dar apro­vei­tan­do as in­fra-es­tru­tu­ras do ca­pi­ta­lis­mo, da lo­gís­ti­ca à fi­nan­ça, trans­for­man­do do in­te­ri­or a sua es­tru­tu­ra ma­te­ri­al. E cri­ti­ca a ne­ga­ti­vi­da­de da es­quer­da, a sua ob­ses­são pe­la re­sis­tên­cia (que tem co­mo efei­to con­fir­mar pu­ra e sim­ples­men­te as re­gras da­qui­lo que re­cu­sa), a sua in­ca­pa­ci­da­de em ser afir­ma­ti­va e cons­ti­tuir um ho­ri­zon­te po­si­ti­vo de su­pe­ra­ção. Po­de­mos mes­mo di­zer que es­te Ma­ni­fes­to tem uma enor­me ca­pa­ci­da­de de mos­trar, com gran­de ve­ro­si­mi­lhan­ça, os ana­cro­nis­mos, as ine­fi­ci­ên­ci­as e as im­po­tên­ci­as da es­quer­da tra­di­ci­o­nal. O mo­vi­men­to de ace­le­ra­ção de­ve con­sis­tir num prag­ma­tis­mo que re­o­ri­en­ta as po­ten­ci­a­li­da­des so­ci­ais do ca­pi­ta­lis­mo nu­ma ou­tra di­rec­ção, re­a­pro­pri­an­do-se do pro­gres­so ci­en­tí­fi­co e tec­no­ló­gi­co. Não se tra­ta de des­truir ou fa­zer tá­bua-ra­sa, mas de trans­for­mar do in­te­ri­or. O pon­to mais po­lé­mi­co do Ma­ni­fes­to é aque­le em que os seus au­to­res es­cre­vem: “Os ace­le­ra­ci­o­nis­tas que­rem li­ber­tar as for­ças pro­du­ti­vas la­ten­tes. No âm­bi­to des­te programa, a pla­ta­for­ma ma­te­ri­al do ne­o­li­be­ra­lis­mo não pre­ci­sa de ser des­truí­da. Tem de ser re­o­ri­en­ta­da pa­ra fi­na­li­da­des co­muns”. Tra­tan­do-se de um Ma­ni­fes­to, não ad­mi­ra que o tex­to dei­xe mui­tas coi­sas em sus­pen­so e os­ten­te um im­pul­so ide­a­lis­ta (li­mi­tei-me aqui a des­cre­ver as su­as pro­po­si­ções mais ge­rais). Mas ele tem uma gran­de vir­tu­de, que um dos seus co­men­ta­do­res mais no­tá­veis, To­ni Ne­gri, re­su­miu des­ta ma­nei­ra: “A ace­le­ra­ção tem as ca­rac­te­rís­ti­cas de um processo ex­pe­ri­men­tal de des­co­ber­ta e de cri­a­ção no in­te­ri­or do es­pa­ço de pos­si­bi­li­da­des de­ter­mi­na­do pe­lo pró­prio ca­pi­ta­lis­mo”. Gol­go­na Anghel é uma es­cri­to­ra de ori­gem ro­me­na que vi­ve há 20 anos em Por­tu­gal

A His­tó­ria é um dos nós que se po­de­ri­am con­si­de­rar fun­da­do­res pa­ra es­ta po­e­sia; a in­clu­são da pa­la­vra “bar­bá­rie”, nes­ta con­jun­tu­ra, não cons­ti­tui­rá uma sim­ples alu­são a Ka­va­fis, nem faz qual­quer in­ter­ce­dên­cia em fa­vor da ac­tu­a­li­da­de mais cir­cuns­cri­ta. Di­ri­ge-se a um al­vo pos­si­vel­men­te mais vas­to, por­que, à pa­la­vra “His­tó­ria”, de­ve cor­res­pon­der al­go mais (mas tam­bém, sin­to­ma­ti­ca­men­te, al­go me­nos) do que dis­ci­pli­na e cro­no­lo­gia. Tra­ta-se de um pri­ma­do que, par­tin­do des­ses pres­su­pos­tos, se alas­tra até do­mí­ni­os me­nos pre­vi­sí­veis, co­mo se­jam os des­sa es­pé­cie de His­tó­ria do tem­po re­cen­te, re­cen­tís­si­mo, ou es­que­cí­vel. Ain­da que re­co­lha ves­tí­gi­os no pas­sa­do em sen­ti­do la­to, le­gi­ti­ma­do pe­la ci­ên­cia, e o fa­ça com lú­ci­do co­nhe­ci­men­to de cau­sa, es­ta po­e­sia va­le-se do que é pre­té­ri­to sem­pre em equi­lí­brio cons­ci­en­te­men­te ins­tá­vel. Em­bo­ra não re­ve­ren­cie a His­tó­ria, nem a leia com so­le­ni­da­de, es­ta po­e­sia não des­pre­za os seus si­nais e avi­sos. A His­tó­ria vai sen­do vis­ta, al­ter­na­da­men­te, co­mo con­jun­to e par­ti­cu­la­ri­da­de, co­mo vi­são pa­no­râ­mi­ca e pla­no de por­me­nor. Uma cons­tan­te, po­rém, pa­re­ce ser o des­pren­di­men­to for­ne­ci­do pe­lo sal da iro­nia — “O pas­sa­do é o lu­gar on­de os nos­sos ex/ se jun­tam aos ma­mu­tes, à Cé­li­ne Di­on/ e ao Win­dows XPP.” (p.14) Por­que, mes­mo qu­an­do a ma­té­ria his­tó­ri­ca é ex­plí­ci­ta, há uma for­ça con­tra­di­tó­ria, es­pé­cie de pul­são opos­ta ao pro­to­co­lo e à di­plo­ma­cia, que sub­ver­te a ten­dên­cia pa­ra a ca­ta­lo­ga­ção, a his­to­ri­e­ta ou a in­ge­nui­da­de da vé­nia — “Os reis da ida­de mé­dia, co­mo vêem,/ dão mui­ta aten­ção/ a es­tas ques­tões da eter­ni­da­de./ Di­zem que va­le a pe­na./ Só tem um se­não:/ tem de se tro­car mui­tos au­to­car­ros/ pa­ra lá che­gar.” (p.43) Um dos as­pec­tos mais as­si­na­lá­veis no fra­se­ar des­tes ver­sos é o con­tra-sen­so neles ge­ra­do, en­tre o da­do his­tó­ri­co, lo­ca­li­zá­vel — o tú­mu­lo de D. Di­nis, no Mos­tei­ro de Odi­ve­las —, e o aqui e ago­ra, que se afir­ma atra­vés do uso do pre­sen­te do in­di­ca­ti­vo. Co­mo no dis­cur­so de um guia tu­rís­ti­co, ou num pon­to da His­tó­ria on­de ti­ves­se dei­xa­do de fa­zer sen­ti­do es­ca­lo­nar épo­cas, hi­e­rar­qui­as de sa­be­res, a pró­pria he­rál­di­ca. E em que pas­sa a ser mui­to mais ló­gi­co in­tro­du­zir uma in­for­ma­ção re­fe­ren­te a trans­por­tes pú­bli­cos.

Um dos efei­tos da im­por­tân­cia da His­tó­ria con­sis­te na con­si­de­ra­ção de um por­vir de ruí­na hi­po­té­ti­ca, mas não es­pe­ci­al­men­te des­ca­bi­da. Pro­cu­ra­da na tra­di­ção li­te­rá­ria e fi­lo­só­fi­ca — “To­dos nós de­fi­nha­re­mos, dis­se Mon­tes­qui­eu,/ e jun­to com a vis­ta/ ire­mos per­der tam­bém o so­no.” (p.64); “Den­tro de mil anos, Hil­da,/ se­re­mos uma bor­ra se­ca no fun­do do tem­po./ Uma praia no Inverno,/ pre­pa­ra­da pa­ra o adi­a­men­to e pa­ra a apa­tia.” (p.24) — ou num em­pi­ris­mo que não de­sis­te de ob­ser­var os si­nais do quo­ti­di­a­no de for­ma im­pla­cá­vel — “Se­re­mos nós e os ca­si­nos,/ mons­tros noc­tur­nos a dis­pu­tar a cal­ma­ria dos pân­ta­nos” (p.62). Se­rá, pos­si­vel­men­te, nes­se sen­ti­do que se de­ve en­ten­der um con­jun­to de ver­sos co­mo es­te: “Há mui­to tem­po que o apo­ca­lip­se/ de­via ter che­ga­do. Mas a mu­dan­ça de ho­ra/ o tem atra­pa­lha­do.” (p.73) A acu­mu­la­ção de tem­po, os vá­ri­os pas­sa­dos, so­bre­pos­tos em ca­ma­das que se im­pli­cam mu­tu­a­men­te, tor­na pre­men­te uma ideia de fim. Mes­mo que es­se fim se ex­pri­ma sob um tim­bre sar­dó­ni­co. Ou por is­so mes­mo.

O olhar do su­jei­to, que re­faz o per­cur­so, na­da li­ne­ar, do pas­sa­do pa­ra o con­ce­bí­vel fu­tu­ro, pou­sa, co­mo é na­tu­ral, no seu pró­prio pre­sen­te. Se, já em Vim Por­que Me Pa­ga­vam (Ma­ri­po­sa Azu­al, 2011), Gol­go­na Anghel fa­la­va de uma “dis­co­te­ca cul­tu­ral”, com­pu­nha, em Co­mo Uma Flor…, um im­pi­e­do­so re­tra­to ge­ra­ci­o­nal — “nós,/ en­fants ter­ri­bles de uma ge­ra­ção de sai­as/ re­ves­ti­dos de no­tas de qui­nhen­tos eu­ros,/ best­sel­lers e pré­mi­os na­ci­o­nais”. Tra­ta­se de um qua­dro que Na­dar na Pis­ci­na dos Pe­que­nos re­vi­si­ta — “So­mos, ho­je, a me­lhor ge­ra­ção/ de can­sa­dos pro­fis­si­o­nais, os mais ven­di­dos au­to­res do aca­so./ Trei­na­mos pre­da­do­res de mos­cas,/ lim­pa­mos pas­sa­dos, fí­ga­dos gor­dos, rins chei­os de di­a­man­tes.” (p.21) –, tal­vez de for­ma ain­da mais ex­plí­ci­ta. Quer atra­vés da as­sun­ção de uma pri­mei­ra pes­soa even­tu­al­men­te mais pró­xi­ma do au­tor em­pí­ri­co — “Ve­jo-me na fi­la das fi­nan­ças,/ um na­co de car­ne agar­ra­do a um re­ci­bo ver­de.” (p.46) –, quer por meio de uma des­per­so­na­li­za­ção que qua­se nos per­mi­ti­ria fa­lar de “mo­nó­lo­gos dra­má­ti­cos” — “Fi­quei de mo­lho mais um mês,/ ema­gre­ci um pou­co,/ dei­xei cres­cer a bar­ba/ co­mo os ar­tis­tas de te­a­tro/ ou coi­sa pi­or” (p.54) —, com a afir­ma­ção de uma en­ti­da­de cla­ra­men­te “fic­ci­o­nal”. Em qual­quer dos ca­sos, con­tu­do, o ri­gor na aná­li­se não abran­da, nem os ges­tos da aná­li­se dei­xam de ser cor­tan­tes, mes­mo qu­an­do já não há a bar­rei­ra psi­co­ló­gi­ca das eras. Qu­an­do pa­re­ce es­tar mais pre­sen­te na fo­ca­gem dos po­e­mas o pró­prio su­jei­to — en­ti­da­de, co­mo se vê, não es­pe­ci­al­men­te es­tan­que —, es­te si­tua-se, tal­vez não in­di­fe­ren­te­men­te, num cer­to des­cen­tra­men­to em re­la­ção àqui­lo que, em ter­mos to­po­grá­fi­cos, é o pó­lo ori­en­ta­dor da ci­da­de de Lis­boa. Vá­ri­os des­tes po­e­mas en­con­tram o seu es­pa­ço em lo­cais co­mo “Pon­ti­nha” (p.43), de on­de é pos­sí­vel “avis­tar, ao lon­ge,/ as tor­res do mos­tei­ro de Odi­ve­las” (p.43), ou que se si­tu­am “al­gu­res, en­tre a es­ta­ção do Ori­en­te e o Be­a­to” (p.59). Pon­tos co­mo es­tes, ou co­mo a Bo­ba­de­la, que se opõe, em de­ter­mi­na­do po­e­ma, a Bru­xe­las, sur­gem co­mo uma es­pé­cie de ne­ga­ti­vo do pul­sar ur­ba­no e do­mi­nan­te da ca­pi­tal, que não che­ga a ser ex­pli­ci­ta­men­te re­fe­ri­da, mas que pa­re­ce exis­tir co­mo uma fron­tei­ra, um não-di­to que se pres­su­põe, mas que não aco­lhe as exis­tên­ci­as e as re­fle­xões te­ci­das por es­tes po­e­mas. Es­tes es­pa­ços

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.