O cor­po nas obras de seis co­lec­ções

Publico - Ipsilon - - Sumário -

No mu­seu do Ori­en­te, uma ex­po­si­ção sur­pre­en­den­te tra­ta do mo­do co­mo os ar­tis­tas re­pre­sen­tam o cor­po. Luí­sa So­a­res de Oli­vei­ra O Olhar da Sibila — Cor­po­ra­li­da­de e Trans­fi­gu­ra­ção Vá­ri­os ar­tis­tas Sil­va, pa­ra a con­ser­va­ção e ex­po­si­ção de nú­cle­os se­le­ci­o­na­dos da obra des­te ca­sal ab­so­lu­ta­men­te fun­da­men­tal na his­tó­ria da arte mo­der­nis­ta eu­ro­peia, todas es­tas co­lec­ções par­ti­lham du­as ca­rac­te­rís­ti­cas co­muns: a da in­te­gra­ção das obras ar­tís­ti­cas nos lo­cais de tra­ba­lho e o as­su­mir de uma res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al re­la­ti­va­men­te à co­mu­ni­da­de. A en­co­men­da de uma gran­de es­cul­tu­ra a Rui Cha­fes pe­la PLMJ que foi ins­ta­la­da na ave­ni­da da Li­ber­da­de, em Lis­boa, in­se­re-se nes­ta se­gun­da ca­rac­te­rís­ti­ca. Um ca­so par­ti­cu­lar é o da Co­lec­ção da Cai­xa Ge­ral de De­pó­si­tos, fun­da­da em 1983, e que, além de um nú­cleo no­tá­vel de obras con­tem­po­râ­ne­as que foi sen­do ad­qui­ri­do de­pois des­ta da­ta, aca­bou por in­cor­po­rar tam­bém o es­pó­lio ar­tís­ti­co já exis­ten­te na ins­ti­tui­ção ban­cá­ria nes­sa al­tu­ra. Di­vi­de-se des­de en­tão en­tre a co­lec­ção his­tó­ri­ca e a co­lec­ção de arte con­tem­po­râ­nea.

João Sil­vé­rio re­a­li­zou uma se­lec­ção nos acer­vos des­tas seis ins­ti­tui­ções uni­ca­men­te cen­tra­do no tra­ba­lho so­bre o cor­po, a re­pre­sen­ta­ção e os olha­res com que, atra­vés sen­si­vel­men­te dos úl­ti­mos cem anos, os ar­tis­tas con­si­de­ra­ram aque­le que é não só o mo­de­lo nu­cle­ar de to­da a re­pre­sen­ta­ção ar­tís­ti­ca, co­mo tam­bém o in­ter­me­diá­rio ine­vi­tá­vel en­tre o es­pí­ri­to de ca­da ar­tis­ta e a sua obra. Afi­nal, é atra­vés da mão, do olhar, das cé­lu­las ner­vo­sas que são as su­as, que aqui­lo que o ar­tis­ta ima­gi­nou se con­cre­ti­za. En­con­tra­mos nes­ta ex­po­si­ção di­fe­ren­tes mo­dos de olhar pa­ra o cor­po, di­fe­ren­tes mo­dos de o pensar tam­bém, um pen­sa­men­to que é sem­pre re­fém tan­to do tem­po em que ocor­re co­mo do lu­gar e do con­tex­to ma­te­ri­al em que ele se ma­te­ri­a­li­za.

Há obras nes­ta ex­po­si­ção que in­ter­ro­gam de ma­nei­ra acu­ti­lan­te não ape­nas o cor­po do mo­de­lo — ca­so das du­as be­lís­si­mas pe­ças de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.