As vi­das du­plas de Da­vid Lyn­ch

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Um programa de re­po­si­ções, cur­tas e do­cu­men­tá­ri­os pa­ra ilu­mi­nar o tem­po que me­de­ou na car­rei­ra do re­a­li­za­dor en­tre o Twin Pe­aks ori­gi­nal e o seu re­gres­so. Jor­ge Mou­ri­nha Da­vid Lyn­ch – A Vi­da Arte Da­vid Lyn­ch – The Art Li­fe Do­cu­men­tá­rio de Jon Nguyen, Rick Bar­nes e Oli­via Ne­er­ga­ardHolm do­cu­men­tá­rio de 2016 on­de o re­a­li­za­dor fa­la lon­ga­men­te so­bre a sua in­fân­cia e ado­les­cên­cia, e que ter­mi­na nas ro­da­gens de Era­serhe­ad, a sua pri­mei­ra lon­ga­me­tra­gem. Fi­nal­men­te, nu­ma aden­da com o seu quê de ex­tra de DVD em gran­de ecrã, di­ri­gi­da es­sen­ci­al­men­te aos com­ple­tis­tas mais fer­re­nhos, há a exi­bi­ção de Twin Pe­aks: the Mis­sing Pi­e­ces, mon­ta­gem de ce­nas dei­xa­das de fo­ra de Os Úl­ti­mos Se­te Di­as re­a­li­za­da em 2014 pe­lo pró­prio Lyn­ch, e de mais de três ho­ras de cur­tas-me­tra­gens re­a­li­za­das ao lon­go da sua car­rei­ra (fun­ci­o­nan­do co­mo um com­ple­men­to às ex­pe­ri­ên­ci­as ar­tís­ti­cas am­pla­men­te ilus­tra­das no do­cu­men­tá­rio).

O con­jun­to, de­ve di­zer-se, é par­ti­cu­lar­men­te ilu­mi­na­dor — do fas­cí­nio que con­ti­nu­a­mos a ter pe­la fi­gu­ra de Lyn­ch, mas tam­bém dos leit­mo­tifs e dos te­mas e re­fe­rên­ci­as que o ci­ne­as­ta con­ti­nua sis­te­ma­ti­ca­men­te a tra­ba­lhar. A co­me­çar pe­la ide­a­li­za­ção de uma small town ame­ri­ca­na on­de tu­do é apa­ren­te­men­te per­fei­to, que en­con­trá­mos pe­la pri­mei­ra vez em Ve­lu­do Azul, mas on­de bas­ta ob­ser­var um pou­co mais de­mo­ra­da­men­te pa­ra en­con­trar­mos as de­mãos de pin­tu­ra ou a mas­sa que foi co­lo­ca­do pa­ra ta­par as fa­lhas, as que­bras ou as in­fil­tra­ções. A Vi­da Arte é par­ti­cu­lar­men­te sig­ni­fi­ca­ti­vo no mo­do co­mo Lyn­ch re­cor­da pe­ran­te a câ­ma­ra uma in­fân­cia fe­liz no pós-Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al no meio de uma fa­mí­lia nu­cle­ar tí­pi­ca que pa­re­cia vi­ver o so­nho ame­ri­ca­no. Qu­an­do so­bre­pos­ta aos fil­mes, es­sa re­cor­da­ção su­ge­re que o re­a­li­za­dor nun­ca fez ou­tra coi­sa que não fos­se bus­car es­se es­ta­do de ino­cên­cia im­pos­sí­vel, ao mes­mo tem­po que não se coi­bia de mos­trar a sua de­ca­dên­cia e de­gra­da­ção.

Não é ou­tro o te­ma co­mum a Os Úl­ti­mos Se­te Di­as e Mu­lhol­land Dri­ve, fil­mes que es­tão cons­tan­te­men­te a al­ter­nar en­tre a fa­cha­da e os bas­ti­do­res, a apa­rên­cia e a re­a­li­da­de por ela es­con­di­da. Lau­ra Pal­mer, a rai­nha do bai­le de fi­na­lis­tas, Betty, a neó­fi­ta as­pi­ran­te a ac­triz, Ri­ta, a mo­re­na mis­te­ri­o­sa, têm todas vi­das du­plas, uma “cas­ta” e uma “dis­so­lu­ta”, amor e se­xo co­mo ir­re­con­ci­liá­veis sob pe­na de des­truir o uni­ver­so em que vi­vem. E, co­mo elas, tam­bém os fil­mes as­su­mem uma vi­da du­pla, com uma nar­ra­ti­va apa­ren­te­men­te con­ven­ci­o­nal am­bi­en­ta­da nu­ma per­fei­ção lu­mi­no­sa que só exis­te no ci­ne­ma (ou na te­le­vi­são) que se de­sin­te­gra num sur­re­a­lis­mo ne­gro qua­se au­to­má­ti­co, com a lin­gua­gem dos so­nhos e a re­cor­rên­cia cons­tan­te de fan­tas­mas a re­ve­lar, de mo­dos qua­se inex­pli­cá­veis, es­se adeus à ino­cên­cia.

O tem­po fez bem a Os Úl­ti­mos Se­te Di­as de Lau­ra Pal­mer, fil­me que pa­re­ce ter si­do fei­to a pensar na re­vi­são 25 anos de­pois com que Lau­ra se des­pe­dia do agen­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.