As flo­res de Mi­zo­gu­chi

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Os Con­tos dos Cri­sân­te­mos Tar­di­os Zan­gi­ku Mo­no­ga­ta­ri De Ken­ji Mi­zo­gu­chi Com Gon­ju­ro Kawa­ra­sa­ki, Ka­ku­ko Mo­ri, Ko­ki­chi Ta­ka­da Fes­ta em Gi­on Gi­on Bayashi De Ken­ji Mi­zo­gu­chi Com Aya­ko Wa­kao, Mi­chiyo Ko­gu­re, Sei­za­bu­ro Kawa­su O In­ten­den­te Sansho Sansho Dayu De Ken­ji Mi­zo­gu­chi Com Ki­nuyo Ta­na­ka, Kyo­ko Na­gawa, Yoshi­a­ki Yaya­na­gi (que, de res­to, pa­ra o Ja­pão já ti­nha co­me­ça­do, com a in­va­são da Chi­na).

Se­rá in­te­res­san­te, pa­ra os es­pec­ta­do­res que te­nham vis­to to­dos os ou­tros fil­mes, es­ta des­co­ber­ta de uma épo­ca em que o ci­ne­ma de Mi­zo­gu­chi, mais por con­sequên­cia da evo­lu­ção da in­dús­tria ja­po­ne­sa do que por um qual­quer “aper­fei­ço­a­men­to” do es­ti­lo do ci­ne­as­ta, ti­nha uma as­pe­re­za e uma ru­de­za, so­bre­tu­do em ter­mos “téc­ni­cos”, bem mais pro­nun­ci­a­das do que as exi­bi­das pe­los seus fil­mes do pós-guer­ra e, so­bre­tu­do, dos anos 50. Mas es­tes três fil­mes, se­pa­ra­dos por cer­ca de quin­ze anos e uma guer­ra mun­di­al, re­flec­tem, qua­se sem se no­tar o hi­a­to, as pre­o­cu­pa­ções ha­bi­tu­ais de Mi­zo­gu­chi. Que ve­mos nos Cri­sân­te­mos, na Fes­ta em Gi­on (1953), no In­ten­den­te Sansho (1954)? O cos­tu­me: uma re­fle­xão so­bre a his­tó­ria e a tra­di­ção, e so­bre co­mo a his­tó­ria e a tra­di­ção se pro­lon­gam na épo­ca con­tem­po­râ­nea, um olhar crí­ti­co so­bre a ri­gi­dez e a ex­tre­ma co­di­fi­ca­ção da so­ci­e­da­de ja­po­ne­sa, his­tó­ri­as de mu­lhe­res (al­guns ho­mens tam­bém, mas so­bre­tu­do mu­lhe­res) apa­nha­das na bi­fur­ca­ção en­tre a sua von­ta­de pró­pria e in­de­pen­den­te e a con­de­na­ção à su­bal­ter­ni­da­de e à sub­mis­são que a so­ci­e­da­de tem pa­ra lhes ofe­re­cer. De um la­do, a so­fis­ti­ca­ção e a ri­que­za “ci­vi­li­za­ci­o­nais” do Ja­pão; do ou­tro, o ras­to das ví­ti­mas dei­xa­do pe­las for­mas es­pe­cí­fi­cas des­sa so­fis­ti­ca­ção. To­do o ci­ne­ma de Mi­zo­gu­chi nas­ce des­ta am­bi­gui­da­de es­sen­ci­al.

E en­con­tra­mos as­sim, na Fes­ta em Gi­on, mais um fil­me de guei­xas, em ri­ma di­rec­ta (Gi­on era o prin­ci­pal bair­ro de pros­ti­tui­ção em Qui­o­to, on­de se si­tu­a­va a mai­o­ria da casas de guei­xas) com o su­bli­me As Ir­mãs de Gi­on (de 1936), ri­ma em que o

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.