O dia em que Al­ber­to Gar­cía-Alix to­mou con­ta do as­sun­to

Publico - Ipsilon - - Sumário -

É o “es­pí­ri­to Alix” que mais se faz no­tar no Pho­toEs­paña. De­ram-lhe ré­dea sol­ta para seis ex­po­si­ções e ele es­co­lheu seis fo­tó­gra­fos com olha­res he­te­ro­do­xos, com obras secretas e vi­das al­ter­na­ti­vas. Seis fo­tó­gra­fos que se po­di­am cha­mar Alix.

lvis has left the buil­ding” era uma fra­se usa­da para ten­tar dis­per­sar a au­di­ên­cia dis­pos­ta a es­pe­rar eter­na­men­te por um en­co­re no fi­nal dos con­cer­tos do rei do rock. Em sen­ti­do con­trá­rio, um pre­gão do ti­po “Al­ber­to Gar­cía-Alix che­gou ao edi­fí­cio” bem po­dia ser usa­do sem­pre que se qui­ses­se ca­ti­var a aten­ção de uma mul­ti­dão dis­per­sa e fa­la­do­ra. Me­lhor, se se qui­ser dar um am­bi­en­te des­con­traí­do, na­tu­ral e ge­nuí­no àque­les mo­men­tos for­mais das inau­gu­ra­ções que (qua­se) to­da a gen­te faz ques­tão de se­guir à ris­ca. Sem ser um fu­ra­pro­to­co­lo, du­ran­te a ma­ra­to­na de apre­sen­ta­ções em Ma­drid das seis ex­po­si­ções que es­co­lheu para a edi­ção XX do fes­ti­val Pho­toEs­paña (de­ram-lhe car­ta-bran­ca para seis ex­po­si­ções) Gar­cía-Alix sou­be dar sim­pli­ci­da­de às men­sa­gens que que­ria trans­mi­tir (sem as tor­nar sim­plis­tas), re­co­nhe­ceu com hu­mil­da­de a ad­mi­ra­ção e a in­fluên­cia que ca­da um dos au­to­res que es­co­lheu ti­ve­ram no seu tra­ba­lho e sou­be su­bli­nhar a ami­za­de cúm­pli­ce que o li­ga a al­guns de­les. Foi um king of co­ol.

De ri­so fá­cil e hu­mor re­fi­na­do, Al­ber­to Gar­cía-Alix (Leão, 1956) vi­ve um mo­men­to ful­gu­ran­te da sua car­rei­ra, com múl­ti­plas ex­po­si­ções, li­vros e so­li­ci­ta­ções para fa­lar so­bre o seu tra­ba­lho. Apro­vei­tan­do es­te mo­men­to es­te­lar e que­ren­do ho­me­na­geá-lo co­mo um dos pri­mei­ros fo­tó­gra­fos es­pa­nhóis a me­re­cer uma ex­po­si­ção re­tros­pec­ti­va na pri­mei­ra edi­ção do fes­ti­val, em 1998, o Pho­toEs­paña deu es­te ano ré­dea sol­ta a Alix para cons­truir um pro­gra­ma ex­po­si­ti­vo à sua me­di­da. E ele le­vou até Ma­drid a obra de An­ders Pe­ter­sen (Sol­na, Sué­cia, 1944), Te­re­sa Mar­gol­les (Cu­li­a­cán, Mé­xi­co, 1963), Paulo No­zo­li­no (Lis­boa, 1955), Pi­er­re Mo­li­ni­er (Agen, Fran­ça, 1900-1976), An­toi­ne d’Aga­ta (Mar­se­lha, Fran­ça, 1961) e Kar­lheinz Wein­ber­ger (Suí­ça, 1921-2006). Pe­lo olhar des­tes ar­tis­tas tam­bém é pos­sí­vel tra­çar um ma­pa dos uni­ver­sos cri­a­ti­vos do pró­prio fo­tó­gra­fo le­o­nês, em que ha­bi­tu­al­men­te as­su­mem pro­ta­go­nis­mo as mar­gens da so­ci­e­da­de, as tri­bos ur­ba­nas, os mun­dos in­ti­mis­tas, a ou­sa­dia da di­fe­ren­ça, a pai­sa­gem poé­ti­ca e a au­to-re­pre­sen­ta­ção. “Qui­se­mos ver a fo­to­gra­fia atra­vés dos olhos do Al­ber­to”, diz Ma­ría Gar­cía Ye­lo, di­rec­to­ra do fes­ti­val, para quem es­te gru­po “usa a ima­gem fo­to­grá­fi­ca de uma ma­nei­ra mui­to par­ti­cu­lar e por ve­zes es­tra­nha”.

“São au­to­res que pro­cu­ram um campo di­fí­cil que é o su­bli­me,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.