O evan­ge­lho se­gun­do Ma­keUp e Royal Trux

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Nos anos 1990, o Gos­pel Yeh-Yeh dos The Ma­ke-Up e o rock’n’roll co­mo ex­ces­so dos Royal Trux fo­ram du­as das aven­tu­ras mais pro­vei­to­sas da dé­ca­da. Re­e­con­tro mar­ca­do

Não nas­ce­ram na mes­ma ci­da­de, não nas­ce­ram com pro­pó­si­tos se­me­lhan­tes, mas ha­bi­ta­ram o mes­mo tem­po e per­ten­cem à mes­ma ca­te­go­ria de ban­das: as que emer­gem das mar­gens co­mo for­ça trans­for­ma­do­ra. Uma co­mo re­pre­sen­ta­ção de li­ber­da­de vi­vi­da no fio da na­va­lha, num con­fron­to fei­to de de­vo­ção pe­la his­tó­ria e de von­ta­de de es­ven­trar para re­cons­truir no­va­men­te - os Royal Trux de Neil Mi­cha­el Ha­gerty e Jen­ni­fer Her­re­ma, nas­ci­dos em No­va Ior­que, 1987. Ou­tra re­cu­pe­ran­do-o co­mo ar­ma de ac­ção po­lí­ti­ca, ves­ti­do em far­da de ope­rá­rio soul e er­guen­do-se ao púl­pi­to gos­pel para in­ven­tar no­vas dan­ças - The Ma­ke-Up, li­de­ra­dos por Ian Sve­no­nius, nas­ci­dos em Washing­ton em 1995. Du­as ban­das de­sa­pa­re­ci­das no iní­cio dos anos 2000. Dois re­gres­sos a não per­der no NOS Pri­ma­ve­ra Sound: Royal Trux sex­ta-fei­ra, às 19h; The Ma­keUp, sábado, às 23h30.

Há ou­tra coi­sa a uni-los para além do que os se­pa­ra, e para além de Neil Ha­gerty ter pro­du­zi­do In Mass Mind, o ter­cei­ro ál­bum dos The Ma­ke-Up, edi­ta­do em 1998 - à co­la­bo­ra­ção se­guiu-se uma di­gres­são con­jun­ta. Am­bas as ban­das exis­ti­ram na­que­le mo­men­to an­te­ri­or às trans­for­ma­ções tra­zi­das pe­la era da in­ter­net. Quer is­to di­zer que, co­mo que es­cas­sei­am os do­cu­men­tos de épo­ca e a exis­tên­cia dos The Ma­keUp e dos Royal Trux sur­ge en­vol­ta num cer­to man­to de mis­té­rio.

Os The-Ma­ke Up fo­ram os arau­tos - e úni­cos pra­ti­can­tes - do gos­pel yeh-yeh. De­fen­di­am uma pre­ga­ção rock’n’roll em que o pú­bli­co se tor­nas­se tam­bém ele­men­to par­ti­ci­pan­te. A ban­da cri­a­da no seio do cal­do con­tra­cul­tu­ral do punk de Washing­ton, sur­gia em pal­co com Ian Sve­no­nius co­mo agi­ta­dor das mas­sas, dan­çan­do co­mo Ja­mes Brown en­quan­to re­pe­tia ver­sos co­mo os de Wat­ch it with that thing -“I know my pla­ce, I know my pla­ce, I’m a sla­ve / I know my pla­ce, I know my pla­ce, ma­ke it chan­ge”: “I’m for sa­le, baby, I’m for sa­le”, era a con­clu­são fi­nal; “Let me he­ar you say ye­ah”, o gri­to con­gre­ga­dor qu­an­do a mú­si­ca se si­len­ci­a­va.

A ban­da, for­ma­da por Sve­no­nius, o gui­tar­ris­ta Ja­mes Canty, a bai­xis­ta Mi­chel­le Mae e o ba­te­ris­ta Ste­ve Gam­boa (subs­ti­tuí­do ago­ra por Mark Cis­ne­ros), con­gre­ga­va o ata­que cru do ga­ra­ge rock com a agi­li­da­de da soul e do funk. Dei­xa­ram para a his­tó­ria qua­tro ál­buns de es­tú­dio, dois de­les clássicos do seu e de qu­al­quer tem­po ( In Mass Mind e o úl­ti­mo, Sa­ve Your­self, de 1999). Em 2012, res­sur­gi­ram para ac­tu­ar no All To­mor­row’s Par­ti­es. Cin­co anos de­pois, anun­ci­a­ram a pri­mei­ra di­gres­são des­de a reu­nião. Ian Sve­no­nius, Ja­mes Canty e Mi­chel­le Mae es­ti­ve­ram ou es­tão li­ga­dos a ban­das co­mo os Weird War ou os Chain & The Gang, mas a len­da cons­truiu-se nos The Ma­ke Up. “We’re buil­ding so­nic ar­chi­tec­tu­re, baby!”, exor­ta­vam no ál­bum ao vi­vo Af­ter Dark. É tem­po apre­ci­ar a obra só­ni­ca no­va­men­te.

Os Royal Trux são to­da uma ou­tra ban­da. Há anos, Sve­no­nius re­cor­dou a di­gres­são con­jun­ta dos Ma­ke Up com Ha­gerty e Her­re­ma. “Eram per­ver­sos, da mes­ma for­ma que o Dy­lan o é. De­sa­fi­an­do e de­sa­pon­tan­do as ex­pec­ta­ti­vas do pú­bli­co”, con­tou à Qui­e­tus. “To­da a gen­te se ins­pi­rou na sua ima­gem: Whi­te Stri­pes, Fi­ery Fur­na­ces, The Kills, Ma­tes of Sta­te, etc. Já para não fa­lar da sua abor­da­gem. A lis­ta con­ti­nua”.

Na sua pri­mei­ra exis­tên­cia eram o ca­sal que des­cons­truía em par­tí­cu­las o rock’n’roll. Fa­zi­am-no alegre e fe­roz­men­te, ape­nas para as mon­tar de for­ma sur­pre­en­den­te, no ex­tre­mo da in­te­li­gi­bi­li­da­de ( Twin In­fi­ni­ti­ves, de 1990, é um clás­si­co). En­quan­to o fu­ra­cão grun­ge avan­ça­va mun­do fo­ra, fo­ram res­ga­ta­dos pe­la Vir­gin, que bus­ca­va ne­les cre­di­bi­li­da­de ar­tís­ti­ca - du­ra­ram um ál­bum na edi­to­ra, Thank you. Es­tou­ra­ram o di­nhei­ro, tor­na­ram-se íco­nes do he­roin chic e fo­ram cri­an­do um rock’n’roll fi­el à glo­ri­o­sa de­ca­dên­cia de ban­das co­mo MC5, os Sto­nes de Exi­le on Main St, os Vel­vet. Ac­ce­le­ra­tor, de 1998, é obri­ga­tó­rio. Qu­an­do dei­xa­ram de ser ca­sal, dei­xa­ram de ser ban­da. Es­ti­ve­ram dé­ca­da e meia sem se ve­rem, en­quan­to Neil Mi­cha­el Ha­gerty edi­ta­va a so­lo ou en­quan­to Ho­wling Hex, en­quan­to Jen­ni­fer Her­re­ma cri­a­va os RTX ou os Black Ba­na­nas que nos vi­si­ta­ram em 2014. Em 2015, reu­ni­ram-se para um fes­ti­val em Los An­ge­les, o Ber­serk­town. Foi co­mo se na­da ti­ves­se acon­te­ci­do des­de que se­pa­ra­ram. Dia 16 che­ga­rá até no­vo ál­bum, Pla­ti­num Tips and Ice Cre­am, com no­vas ver­sões de ve­lhas can­ções. An­tes dis­so, o con­cer­to. Rock’n’roll! (mes­mo a sé­rio). M.L.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.