Um te­cla­do, um mi­cro­fon uma ou­tra ideia de bai­le

Publico - Ipsilon - - Sumário - Má­rio Lo­pes

To­chaPes­ta­na são bai­le po­pu­lar, mas não exac­ta­men­te co­mo ima­gi­na­mos. São o som de um no­vo ar­rai­al, fu­tu­ris­ta e se­den­to de pas­sa­do. Top Flop, o se­gun­do ál­bum de Gon­ça­lo To­cha e Di­dio Pes­ta­na, já foi edi­ta­do. Ago­ra é tem­po de o mos­trar país fo­ra

Tu­do co­me­çou na Rua do Loureiro, em Al­fa­ma, em noi­te de San­tos Po­pu­la­res. Gon­ça­lo To­cha e Dí­dio Pes­ta­na, os To­chaPes­ta­na, en­cai­xa­dos num re­can­to do pe­que­no lar­go, a dar mú­si­ca à fes­ta. Dan­ça va­ri­a­da, sen­ti­do de es­pec­tá­cu­lo, ar­ro­jo, au­dá­cia e emo­ção “aque­le ali em ci­ma em­po­lei­ra­do na va­ran­da, não é o can­tor?”. Era, era Gon­ça­lo To­cha em 2008, a ex­tra­va­sar. Tu­do con­ti­nu­ou aqui mes­mo, no ano se­guin­te, nes­ta mes­ma es­ca­da­ria na Rua dos Cor­vos em que fa­lam ago­ra ao Íp­si­lon. Con­vi­va­dos pe­la as­so­ci­a­ção lo­cal, o Sport Ben­fi­ca Cor­ven­se, os To­chaPes­ta­na, num can­to da di­ta es­ca­da­ria, ex­tra­va­sa­ram no­va­men­te “o vo­ca­lis­ta fez crowd-surf e tu­do”, ter-se-á co­men­ta.

Qua­se uma dé­ca­da pas­sou des­de en­tão, mas To­chaPes­ta­na é, em es­sên­cia, o que era en­tão, um duo que se in­ven­ta en­quan­to com­bo para uma no­va fes­ta van­guar­do-po­pu­lar, on­de hard-rock, te­ch­no, hip hop, la­ti­ni­da­des ro­mân­ti­cas e rit­mo de bai­le de Ve­rão são mis­tu­ra­dos en­quan­to Dí­dio em­pu­nha uma gui­tar­ra Flying V, íco­ne da gui­tar­ra­da a sé­rio, e Gon­ça­lo traz bom ca­sa­co de bri­lhan­tes a pal­co. “To­chaPes­ta­na não é uma cor­ri­da de 100 me­tros, é uma ma­ra­to­na. Não tem fim. Ide­al­men­te, vai pas­sar para os nos­sos fi­lhos e para os nos­sos ne­tos, co­mo acon­te­ce com os gru­pos de bai­le e al­gu­mas or­ques­tras da América do Sul”, so­nha Gon­ça­lo To­cha.

Os To­chaPes­ta­na edi­ta­ram Mú­si­ca Mo­der­na, o pri­mei­ro ál­bum, em 2014, dez anos de­pois da re­si­dên­cia ar­tís­ti­ca em Al­co­ba­ça em que Gon­ça­lo e Dí­dio fo­ram de­sa­fi­a­dos pe­los ou­tros re­si­den­tes a in­ven­tar qu­al­quer coi­sa para ani­mar as noi­tes. “É daí que sur­ge. Um te­cla­do, um mi­cro­fo­ne, uma ideia de bai­le” ani­ma­ção ga­ran­ti­da.

Gon­ça­lo em Lis­boa, Dí­dio em Ber­lim, fo­ram sen­do ban­da de pal­co e de rua nos san­tos po­pu­la­res, em con­cen­tra­ções mo­tard, em clu­bes na ci­da­de ale­mã. Até que che­gou por fim o mo­men­to de pas­sar tu­do a dis­co. Che­gou Mú­si­ca Mo­der­na, nas­ci­do das de­am­bu­la­ções pe­lo velho Cais do Sodré lis­bo­e­ta, an­tes da gen­tri­fi­ca­ção e da cal­ça­da pin­ta­da de cor-de-ro­sa. “O pas­sa­do imi­ta-nos”, di­zi­am eles en­tão. Em 2017, Top flop.” O fu­tu­ro há-de imi­tar-nos”, di­zem ago­ra.

To­chapes­ta­na es­tão a pre­pa­rar-se para par­tir país fo­ra para uma di­gres­são que pas­sa­rá por clu­bes e au­di­tó­ri­os, por es­pa­ços ao ar li­vre e es­pa­ços fe­cha­dos on­de a ma­dru­ga­da avan­ça sem que de­mos por ela. A pri­mei­ra da­ta cum­pre-se es­te sábado no Pi­o­lho Bar, na Praia da To­cha. Se­gue-se a noi­te de San­toAn­tó­nio, dia 12, nas Sar­di­nhas Acha­das da Ca­sa da Acha­da, na Mou­ra­ria, e, dia 16, ain­da na ca­pi­tal, um con­cer­to no Ti­ta­nic Sur Mer. Uma se­ma­na de­pois, a 23, ater­ram na noi­te de São João, em Bra­ga. No dia se­guin­te, cor­rem de no­vo até Lis­boa para par­ti­ci­par no Ar­rai­al da Mou­ra­ria, e a di­gres­são ter­mi­na com um con­cer­to no Ci­ne­clu­be de Gui­ma­rães (dia 30) e um ou­tro no es­pa­ço Car­mo 81, em Vi­seu (1 de Ju­lho). Top Flop, can­ta­rão qu­an­do e on­de os qui­se­rem. As­sim: “Nós so­mos uma ar­te me­nor/ a can­ção pop, pop/ su­ja no top, top/ cheia de flop, flop/ Po­dia ser pi­or, es­ta ar­te me­nor/ cheia de flop, flop / over­do­se de xa­ro­pe”.

O que são afi­nal, os To­chaPes­ta­na? São a ban­da que pe­ga em re­frães pop de bai­la­ri­co e riffs ro­quei­ros para uma con­cen­tra­ção mo­tard e dei­xam to­da a gen­te con­fu­sa pe­ran­te o que vê mas sa­cam aplau­sos e apro­va­ção. São a ban­da que le­va fu­mos e co­ro afinado a pal­co para, com ba­ti­da bem me­di­da e fes­ta de in­ter­ven­ção, pôr uma sa­la a can­tar com eles can­ção li­ber­ta­do­ra “Lis­boa, boa! Lis­boa, voa!”, as­sim en­cer­ra­ram o con­cer­to de apre­sen­ta­ção de Top Flop no Mu­sic­box. São a ban­da do crowd-surf em San­tos Po­pu­la­res, a ban­da com um vo­ca­lis­ta, Gon­ça­lo To­cha, que faz so­lo de mi­ni-sin­te­ti­za­dor, com o di­to mi­ni-sin­te­ti­za­dor ma­nu­se­a­do à al­tu­ra das an­cas, à gui­tarhe­ro, no pal­co da pis­ci­na du­ran­te o Mi­lhões de Fes­ta, em Bar­ce­los. Uma ban­da que nos diz “tu­do é es­pec­tá­cu­lo e to­da a gen­te sa­be que é es­pec­tá­cu­lo”. To­cha: “Para nós o pal­co é sa­gra­do. Não es­tou ali para, des­pi­do, ex­cla­mar: ‘is­to são as mi­nhas fra­que­zas e sou as­sim no dia a dia’. Exis­tem mui­tas ex­pres­sões ar­tís­ti­cas. A nos­sa é a do es­pec­tá­cu­lo, mas não te­mos ca­miões e cin­quen­ta pes­so­as a tra­ba­lhar para nós”.

Vol­te­mos àqui­lo que de­fi­ni­ram co­mo “as mi­ga­lhas da his­tó­ria”. “Te­mos um cer­to ca­ri­nho pe­los can­to­res e

O que são os To­chaPes­ta­na? São a ban­da que pe­ga em re­frães pop de bai­la­ri­co e riffs ro­quei­ros para uma con­cen­tra­ção mo­tard e dei­xam to­da a gen­te con­fu­sa pe­ran­te o que vê mas sa­cam aplau­sos e apro­va­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.