Won­der wo­man

Publico - Ipsilon - - Sumário -

His­tó­ria de um as­sas­si­no pro­fis­si­o­nal a quem, por vin­gan­ça, é mu­da­do o se­xo, é um dos fil­mes mais bi­zar­ros que ve­re­mos es­te ano. Luís Mi­guel Oli­vei­ra A Mis­são The As­sign­ment De Wal­ter Hill Com Si­gour­ney We­a­ver, Mi­chel­le Ro­dri­guez in­di­fe­ren­ça de cer­tos mo­men­tos de mi­se en scè­ne, que na obra do ve­te­ra­no Hill (75 anos, ad­mi­ra­dor de Ford e Walsh, uma re­lí­quia no ac­tu­al ci­ne­ma ame­ri­ca­no vi­ra­do para ado­les­cen­tes e re­a­li­za­do­res com for­ma­ção em te­le­dis­cos e jo­gos de com­pu­ta­dor) já viu mo­men­tos de mai­or ful­gor.

O tí­tu­lo ori­gi­nal, The As­sign­ment, po­de ser tra­du­zi­do por A Mis­são, de fac­to, mas tam­bém é um jo­go de pa­la­vras que é o pri­mei­ro si­nal da per­ver­si­da­de do fil­me: não é spoi­ler, mas não há ou­tra ma­nei­ra de fa­lar do fil­me sem men­ci­o­nar o seu nó cen­tral, a his­tó­ria de um as­sas­si­no pro­fis­si­o­nal a quem, por vin­gan­ça, é mu­da­do o se­xo. His­tó­ria de um tran­se­xu­al in­vo­lun­tá­rio, por­tan­to (é Mi­chel­le Ro­dri­guez, pri­mei­ro com uma pró­te­se os­ten­si­va­men­te mos­tra­da, de­pois sem ela, que in­ter­pre­ta a per­so­na­gem nos seus dois es­ta­dos). O seu no­me é Frank Kit­chen, no­me su­fi­ci­en­te­men­te sin­gu­lar para não se sus­pei­tar de que Hill an­dou à pro­cu­ra de uma so­no­ri­da­de (Frank Kit­chen/ Fran­kens­tein, alu­são que não pa­re­ce for­ça­da num fil­me que tam­bém ci­ta, a pro­pó­si­to do po­der e da ar­te, Sha­kes­pe­a­re e Poe, de for­ma in­si­di­o­sa, co­mo se se co­men­tas­se a si mes­mo). E a sua ne­me­sis é a mé­di­ca, lou­ca e om­ni­po­ten­te, in­ter­pre­ta­da por Si­gour­ney We­a­ver, que qu­an­do não es­tá num co­le­te de for­ças es­tá ves­ti­da co­mo um ho­mem, ca­be­lo cur­to, fa­to e gra­va­ta, e cu­jo dis­cur­so é sem­pre de po­der, dis­cri­ci­o­ná­rio e mes­mo to­ta­li­tá­rio. O ho­mem/ mu­lher con­tra a mu­lher/ho­mem, por­tan­to, nu­ma am­bi­va­lên­cia cu­jas res­so­nân­ci­as ul­tra­pas­sam a es­fe­ra li­mi­nar­men­te se­xu­al e têm a ver com “es­ta­tu­tos” e “pa­péis”, in­clu­si­va­men­te po­lí­ti­cos.

Nos EUA o fil­me de Hill des­per­tou a ira de al­gu­mas co­mu­ni­da­des trans­gen­der ou seus re­pre­sen­tan­tes, com boi­co­tes e tu­do. Al­ta­men­te des­pro­po­si­ta­do, por­que não é um tra­ta­do so­bre a tran­se­xu­a­li­da­de nem um en­saio so­bre a psi­co­lo­gia dum tran­se­xu­al, an­tes um jo­go per­ver­so que não tem na­da de “uni­ver­sal”, co­mo o Swit­ch de Bla­ke Edwards (no prin­cí­pio dos anos 90), ou co­mo as mu­lhe­res mas­cu­li­ni­za­das e os ho­mens fe­mi­ni­za­dos (não con­fun­dir com “efe­mi­na­dos”) dos fil­mes de Kathryn Bi­ge­low (sem fa­lar da ques­tão bá­si­ca que tem pre­ce­den­tes na obra de Hill: co­mo Johnny Hand­so­me, é uma per­so­na­gem a apren­der a vi­ver e re­co­nhe­cer-se num cor­po es­tra­nho).

Se al­gu­ma coi­sa se po­de le­var a mal a Hill é ele es­tar mais pre­o­cu­pa­do com os ele­men­tos que con­vo­ca do que com o pon­to aon­de os le­va – mas tam­bém por is­so é ób­vio que não es­tá fazer te­o­ria, apon­ta ape­nas à per­tur­ba­ção e a es­sa coi­sa ca­da vez mais ra­ra que é a ca­be­ça de um es­pec­ta­dor dis­pos­to a dei­xar-se per­tur­bar por um fil­me que não tem ne­nhu­ma mo­ra­li­da­de vir­tu­o­sa a pro­por, ape­nas o seu de­sa­fio e a sua con­fu­são. De res­to, o tra­ta­men­to de al­guns se­pa­ra­do­res entre ce­nas (tor­na­dos “ban­da de­se­nha­da”), in­di­cia uma von­ta­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.