Os me­lho­res do sé­cu­lo. Mes­mo?...

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Ha­ve­rá San­gue, de Paul Tho­mas An­der­son, ocu­pa o pri­mei­ro lu­gar: é fá­cil de com­pre­en­der o fas­cí­nio que es­te fil­me exer­ce (so­bre­tu­do nes­te mo­men­to) so­bre os ame­ri­ca­nos, ao con­tar a ori­gem dos EUA co­mo um po­ço de fe­al­da­de, de on­de jor­ram a cu­pi­dez e o di­nhei­ro

ONew York Ti­mes pu­bli­cou uma lis­ta dos 25 me­lho­res fil­mes do sé­cu­lo XXI, or­ga­ni­za­da pe­la pe­na do seu par de chi­ef cri­tics, Ma­noh­la Dar­gis e A.O. Scott, com a co­la­bo­ra­ção de al­guns re­a­li­za­do­res e ac­to­res (Kathryn Bi­ge­low, Ri­chard Lin­kla­ter, Robert Pat­tin­son) e da­qui­lo a que os or­ga­ni­za­do­res cha­mam, com iro­nia ou sem ela, “sá­bi­os do Fa­ce­bo­ok”. É o ti­po de exer­cí­ci­os que con­vém to­mar pe­lo que são, exer­cí­ci­os, mais ou me­nos lú­di­cos, ide­ais pa­ra ocu­par o tem­po num do­min­go à tar­de; con­fun­dir coi­sas des­tas com de­cre­tos se­ria um er­ro, tan­to mais que, de­cor­ri­dos ape­nas 17 anos de sé­cu­lo XXI, a po­ei­ra ain­da não as­sen­tou o su­fi­ci­en­te pa­ra ver­mos o pa­no­ra­ma com cla­re­za — pois se ain­da ago­ra an­da­mos a ajus­tar a nos­sa pers­pec­ti­va so­bre o que foi o ci­ne­ma do sé­cu­lo XX, sé­cu­lo de que ele foi a “ar­te po­pu­lar” du­ma ma­nei­ra que di­fi­cil­men­te se­rá no sé­cu­lo XXI, é um pou­co ce­do pa­ra fa­zer pro­cla­ma­ções so­bre es­tes 17 anos, de res­to bas­tan­te con­fu­sos e, no que to­ca es­pe­ci­al­men­te ao ci­ne­ma, bas­tan­te dis­so­lu­tos.

Mas, pa­ra que cons­te, é uma lis­ta mui­to ecu­mé­ni­ca, que ten­ta evi­tar o “hollywo­o­do­cen­tris­mo” e in­clui um ra­zoá­vel nú­me­ro de fil­mes eu­ro­peus (de Cris­ti Puiu, Oli­vi­er As­sayas, ir­mãos Dar­den­ne, Clai­re De­nis, Agnès Var­da), asiá­ti­cos (de Hayao Miya­za­ki, Edward Yang, Jia Zhang-Ke, Hou Hsi­ao-Hsen), afri­ca­nos (o Tim­buk­tu de Ab­der­rah­ma­ne Sis­sa­ko), aus­tra­li­a­nos (o Mad Max -Fury Ro­ad de Ge­or­ge Mil­ler), e la­ti­no-ame­ri­ca­nos (o Luz Si­len­ci­o­sa de Car­los Rey­ga­das). O pri­mei­ro lu­gar é ocu­pa­do por um fil­me ame­ri­ca­no, o Ha­ve­rá San­gue de Paul Tho­mas An­der­son, e por aca­so até é fá­cil de com­pre­en­der o fas­cí­nio que es­te fil­me exer­ce (so­bre­tu­do nes­te mo­men­to) so­bre os ame­ri­ca­nos, ao con­tar a ori­gem dos EUA co­mo um po­ço de fe­al­da­de, de on­de jor­ram a cu­pi­dez e o di­nhei­ro, e o po­der (au­to­crá­ti­co) le­gi­ti­ma­do pe­la cu­pi­dez e pe­lo di­nhei­ro. Ou­tros ame­ri­ca­nos na lis­ta: Clint Eastwo­od, por­ven­tu­ra com um dos seus fil­mes me­nos “pro­ble­má­ti­cos” dum pon­to de vis­ta politico ( Mil­li­on Doll­lar Baby), uma ani­ma­ção da Pi­xar ( In­si­de Out), Ri­chard Lin­kla­ter ( Boyho­od), Kathryn Bi­ge­low ( The Hurt Loc­ker), os Co­en ( In­si­de Llewyn Da­vis), uma sim­pá­ti­ca men­ção ao mai­or ci­ne­as­ta ame­ri­ca­no vi­vo e, de ca­mi­nho, ao gé­ne­ro do­cu­men­tal ( In Jack­son Heights, de Fre­de­rick Wi­se­man), Ste­ven Spi­el­berg ( Mu­ni­que), Bar­ry Jen­kins ( Moonlight... mes­mo?...), Todd Hay­nes ( I’m Not The­re), Mi­chel Gon­dry (que não é ame­ri­ca­no mas ame­ri­ca­no é o fil­me por que é ci­ta­do, O Despertar da Men­te), Kelly Rei­chardt ( Wendy e Lucy), Judd Apa­tow ( Virgem aos 40 Anos).

Nun­ca nin­guém, nem du­as pes­so­as tão ci­ne­fi­la­men­te cúm­pli­ces quan­to se pos­sa ima­gi­nar, es­ta­rá com­ple­ta­men­te de acor­do com lis­tas des­tas, nem com os pre­sen­tes nem com os au­sen­tes, nem com a or­dem hi­e­rár­qui­ca dos pre­sen­tes. É por is­so que es­tas lis­tas são, de cer­ta for­ma, “in­dis­cu­tí­veis” — es­ta lis­ta, por exem­plo, é só es­ta lis­ta, cor­res­pon­de à sen­si­bi­li­da­de e ao cál­cu­lo da­que­les que a fi­ze­ram. Mas a par­tir do mo­men­to em que é uma lis­ta pú­bli­ca, po­de-se dis­cu­tir e fa­zer per­gun­tas. So­bre o ci­ne­ma ame­ri­ca­no, em par­ti­cu­lar, pa­re­ce uma lis­ta mui­to en­con­tra­da na con­fluên­cia en­tre o box of­fi­ce e as con­sa­gra­ções dos Ós­ca­res e do cir­cui­to in­die. Mes­mo se tem o bom sen­so de evi­tar os No­lans e os Iñar­ri­tus, pa­ra on­de foi, por exem­plo, Da­vid Lyn­ch e aque­le que há tem­pos pa­re­cia, em son­da­gens des­te gé­ne­ro, o Ci­ti­zen Ka­ne do sé­cu­lo XXI, Mu­lhol­land Dri­ve?

Moonlight (que é o “vi­gé­si­mo me­lhor fil­me do sé­cu­lo XXI”) é mes­mo me­lhor do que qual­quer fil­me que Jim Jar­mus­ch, por exem­plo, te­nha fei­to no sé­cu­lo XXI? E on­de es­tão Mi­cha­el Mann, Ja­mes Gray (um ci­ne­as­ta cu­ja obra, à ex­cep­ção de Lit­tle Odes­sa, é in­te­gral­men­te sé­cu­lo XXI), John Car­pen­ter (pa­ra quem os úl­ti­mos anos fo­ram de apa­gão mas que dei­xou, na en­tra­da do sé­cu­lo, es­sa bom­ba cha­ma­da Ghosts of Mars)?

E as Ho­ras de Ve­rão de Oli­vi­er As­sayas (no­no lu­gar na lis­ta) é mes­mo o me­lhor fil­me fran­cês do sé­cu­lo XXI, qu­an­do es­tes úl­ti­mos 17 anos vi­ram os ex­tra­or­di­ná­ri­os fil­mes fi­nais de Jac­ques Ri­vet­te, Eric Roh­mer, Clau­de Cha­brol, ti­ve­ram Phi­lip­pe Gar­rel a es­tre­ar fil­mes de ma­nei­ra re­gu­lar (co­mo os Aman­tes, pre­ci­sa­men­te Re­gu­la­res), e con­ti­nu­am a ter Go­dard, que do Elo­gio do Amor ao Adeus à Lin­gua­gem foi o ci­ne­as­ta que mais de­sa­fi­ou e por­fi­ou na pro­cu­ra dum “ci­ne­ma do sé­cu­lo XXI”? E se há Jia, Yang e Hou, não ha­ve­ria um lu­gar­zi­nho pa­ra Wang Bing? E já ago­ra, que é fei­to de Ma­no­el de Oli­vei­ra e de Pe­dro Cos­ta (cu­jo Quar­to da Van­da, a abrir o sé­cu­lo, é um fil­me cu­jos ecos ain­da não dei­xa­ram de se fa­zer sen­tir)? E Be­la Tarr? E Jo­sé Luís Gu­e­rin? E Ab­bas Ki­a­ris­ta­mi? Os fil­mes de Todd Hay­nes, dos ir­mãos Dar­den­ne ou de Car­los Rey­ga­das (po­bre Amé­ri­ca La­ti­na, se não tem me­lhor pa­ra a re­pre­sen­tar) são mes­mo me­lho­res do que to­dos es­tes? Pro­ble­ma prin­ci­pal da lis­ta: faz a sua se­lec­ção den­tro dum ter­ri­tó­rio mui­to su­per­fi­ci­al, mui­to di­ta­do por ques­tões de vi­si­bi­li­da­de pa­ra o “gran­de pú­bli­co”, se­ja o gran­de pú­bli­co dos Ós­ca­res ou o gran­de pú­bli­co do cir­cui­to prin­ci­pal dos fes­ti­vais. É pre­ci­so es­gra­va­tar mais.

Quem não es­gra­va­ta na­da são Sofia Cop­po­la e De­nis Vil­le­neu­ve, na mes­ma oca­sião con­vi­da­dos a apre­sen­tar a lis­ta das su­as pre­fe­rên­ci­as pes­so­ais en­tre os fil­mes do sé­cu­lo. A lis­ta do ca­na­di­a­no Vil­le­neu­ve (a quem já cha­ma­ram, pa­re­ce que sem se ri­rem, “o no­vo Tar­kovs­ki”) é um hor­ror, com tu­do o que é cli­ché — ele é que não evi­tou os No­lans, os Iñar­ri­tus e os Cu­a­rons, nu­ma lis­ta que tem o efei­to sub­si­diá­rio de con­fir­mar o bluff que os seus fil­mes são. Já Sofia Cop­po­la faz uma lis­ti­nha mui­to easy lis­te­ning, on­de há Ha­ne­ke, Her­zog, Jo­nathan Gra­zer, Ru­ben Os­tlund e uma quan­ti­da­de de fil­mes que não ofen­dem nem en­tu­si­as­mam, não adi­an­tam nem atra­sam, mas que tam­bém não se con­fun­de com uma lis­ta de no­me­a­dos pa­ra os Ós­ca­res.

En­fim, con­ti­nu­e­mos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.