Os Rua: mo­do de so­bre­vi­vên­cia

Publico - Ipsilon - - Sumário -

O que os Rua es­tão a fa­zer é ten­tar

que aqui­lo que nos dis­tin­gue so­bre­vi­va

e se re­no­ve a par­tir de um no­vo qua­dro

or­ga­ni­za­ti­vo — o que tem in­ten­sas

re­per­cus­sões cul­tu­rais. Por Jor­ge Figueira

Ao lon­go da dé­ca­da pas­sa­da, co­me­ça­ram a sur­gir em Por­tu­gal “co­lec­ti­vos” que re­flec­ti­am can­sa­ço fa­ce à fi­gu­ra do “ar­qui­tec­to­es­tre­la” mas tam­bém prag­ma­tis­mo fa­ce à com­ple­xi­da­de de pro­jec­tar e cons­truir. Com ex­cep­ções, não é por cá mui­to for­te a tra­di­ção de “co­lec­ti­vos”. A com­po­nen­te ar­tís­ti­ca impôs-se sem­pre ao mo­de­lo em­pre­sa­ri­al, o que sig­ni­fi­ca o au­tor a im­por-se ao ges­tor. A ar­qui­tec­tu­ra em Por­tu­gal foi-se por is­so fa­zen­do de no­mes com ape­li­do.

O que o Ate­li­er Rua es­tá per­to de al­can­çar é di­fe­ren­te: man­ter uma pers­pec­ti­va au­to­ral re­flec­ti­da nu­ma as­si­na­tu­ra co­lec­ti­va. É um ca­mi­nho es­trei­to. “Co­lec­ti­vo” não po­de sig­ni­fi­car uma res­pos­ta cor­po­ra­ti­va, de me­ra ges­tão em­pre­sa­ri­al — por­que is­so ma­ta a ar­qui­tec­tu­ra. Se­ria in­te­res­san­te um es­tu­do que ela­bo­ras­se as di­fe­ren­ças de as­so­ci­a­ção en­tre ar­qui­tec­tos por­tu­gue­ses e es­pa­nhóis, por exem­plo. A res­pos­ta in­tui­ti­va é que nós so­mos mais in­di­vi­du­a­lis­tas. Com ra­zão, te­me­mos que o con­sen­so de­bi­li­te a ar­te; mas po­de­mos aca­bar na rua.

Po­der-se-á es­tra­nhar que do la­do da crí­ti­ca de ar­qui­tec­tu­ra se es­te­ja a co­men­tar for­mas de as­so­ci­a­ção e or­ga­ni­za­ção. Mas é uma dis­cus­são cen­tral. O que os Rua es­tão a fa­zer é ten­tar que aqui­lo que nos dis­tin­gue so­bre­vi­va e se re­no­ve a par­tir de um no­vo qua­dro or­ga­ni­za­ti­vo — o que tem in­ten­sas re­per­cus­sões cul­tu­rais.

Os anos re­cen­tes mos­tra­ram­nos co­mo a “ges­tão” po­de pa­rar o país. Mui­tos “co­lec­ti­vos” da dé­ca­da pas­sa­da de­sa­pa­re­ce­ram ou es­tão em par­te in­cer­ta. Se­ria in­te­res­san­te sa­ber on­de.

Os Rua são so­bre­vi­ven­tes e um exem­plo a se­guir. Têm uma bi­o­gra­fia cu­ri­o­sa­men­te si­mé­tri­ca: to­dos nas­ce­ram em 1978 e to­dos se for­ma­ram na Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da. Es­te é ou­tro dos si­nais “so­ci­o­ló­gi­cos” im­por­tan­tes: não são for­ma­dos nas es­co­las pú­bli­cas de on­de tra­di­ci­o­nal­men­te saíam os ar­qui­tec­tos mais no­tó­ri­os. Mas ti­ra­ram par­ti­do des­sa no­to­ri­e­da­de es­ta­gi­an­do em ate­li­e­res in­ter­na­ci­o­nais.

No port­fo­lio do Ate­li­er Rua en­con­tra­mos tra­ba­lho mui­to di­ver­si­fi­ca­do que vai da es­ca­la do ur­ba­nis­mo até ao de­sign, se­gun­do uma tra­di­ção de “não­es­pe­ci­a­li­za­ção”, que tem os seus crí­ti­cos acér­ri­mos. Vê-se tam­bém que es­tão à pro­cu­ra de uma es­cri­ta: nes­ta fa­se o que interessa é fa­zer o tex­to — que se adap­ta ao ecrã, à di­men­são, ao edi­tor. Es­ta ma­le­a­bi­li­da­de fa­zia par­te do kit de so­bre­vi­vên­cia, é cla­ro. De­pois do tex­to, po­de a es­cri­ta sur­gir? O Cam­ping de Abran­tes se­duz pe­la vi­su­a­li­da­de-tác­til; a Pen­são Agrí­co­la pe­lo ar­caís­mo; a in­ter­ven­ção nos es­cri­tó­ri­os na Ga­re Ma­rí­ti­ma de Al­can­ta­ra pe­lo “con­cei­to”; a Ade­ga no Ro­dão es­bo­ça o ges­to ico­no­grá­fi­co.

Os Rua ten­tam cor­rer den­tro do sis­te­ma, en­tram em con­cur­sos, não fa­zem “au­to-pro­pos­tas”. Não têm ti­ques de re­vol­ta ge­ra­ci­o­nal; sa­bem pe­la ex­pe­ri­ên­cia lá fo­ra o que va­le ser um ar­qui­tec­to por­tu­guês. E co­mo os U2 ou os Cold­play sa­bem que as can­ções se­rem as­si­na­das por to­dos os mem­bros do gru­po é a úni­ca for­ma de ga­ran­tir a lon­ge­vi­da­de do “co­lec­ti­vo”.

O que acon­te­ce a se­guir a so­bre­vi­ver? Os Rua es­tão obri­ga­dos a mos­trar-nos co­mo é que a ar­qui­tec­tu­ra em Por­tu­gal se po­de re­no­var e con­ti­nu­ar a es­pan­tar. É es­se o es­pí­ri­to que se res­pi­ra no ate­li­er do gru­po em Al­cân­ta­ra, com a por­ta aber­ta pa­ra a rua, a sa­la com a me­sa gran­de no pi­so de ci­ma, e um mui­to útil apoio de co­zi­nha.

Es­pe­re­mos que os cli­en­tes atraí­dos pe­las fo­to­gra­fi­as no Pin­te­rest — tra­ba­lho, por­tan­to le­gí­ti­mo — não ma­tem a pos­si­bi­li­da­de de uma ar­qui­tec­tu­ra que em Por­tu­gal se fez sem­pre com al­go de ad­ver­sa­ri­al. em re­la­ção a tu­do. O de­sa­fio, em to­das as ru­as, é não dei­xar que uma ar­qui­tec­tu­ra pa­ra o tu­ris­mo se trans­for­me nu­ma ar­qui­tec­tu­ra tu­rís­ti­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.