Viões

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Apa­ren­te­men­te re­sul­ta: qu­an­do vol­tou de In­gla­ter­ra de­sis­ti­ra de can­tar em in­glês e que­ria ex­pe­ri­men­tar uma iden­ti­da­de lusa: mu­dou o no­me pa­ra Ben­ja­mim e co­me­çou a can­tar em por­tu­guês. Exi­la­do em Al­vi­to, no Alen­te­jo, es­cre­veu Au­to-Rá­dio, admirável ál­bum de es­treia, e ati­rou-se à es­tra­da: mes­mo an­tes do dis­co sair já ha­via da­do trin­ta e três con­cer­tos por­que, con­fes­sa, “que­ria to­car mui­to de mo­do a não ter ver­go­nha qu­an­do ti­ves­se de to­car ao vi­vo de­pois de o dis­co sair”.

Au­to-Rá­dio foi bem re­ce­bi­do, te­ve “cer­ta­men­te mais im­pac­to do que es­ta­va à es­pe­ra”. As crí­ti­cas fo­ram bo­as, te­ve imen­sos con­cer­tos, ga­nhou pú­bli­co.” Ain­da a se­ma­na pas­sa­da fui to­car e as pes­so­as co­nhe­ci­am as le­tras — é um nú­me­ro li­mi­ta­do de pes­so­as, que vai au­men­tan­do. Por exem­plo, sen­ti que o Ter­ra fir­me [des­te dis­co] me­xeu com as pes­so­as”.

De cer­ta ma­nei­ra es­ta­va es­cri­to que te­ria de ser as­sim: “A mi­nha mãe pôs­me a es­tu­dar mú­si­ca aos seis — foi co­mo uma do­en­ça. Qu­an­do eu era ado­les­cen­te e ti­nha uma má no­ta ou fal­ta­va às au­las o cas­ti­go do meu pai era proi­bir-me os ins­tru­men­tos. E eu re­be­la­va-me e gri­ta­va “Eu vou ser mú­si­co, não me ti­ras os ins­tru­men­tos”. O mau pai lá me ten­ta­ta­va con­ven­cer que eu po­dia ser mú­si­co ao fim-de­se­ma­na”.

Ben­ja­mim tor­nou-se de fac­to mú­si­co e dos bons, dos mui­tos bons. O por­tu­guês já lhe vem”mais de­pres­sa à ca­be­ça”. Mas ele con­ti­nua a ser o miú­do tei­mo­so que faz as coi­sas à sua ma­nei­ra. “Uma das coi­sas que apren­di com o Dylan”, diz, e é a ené­si­ma vez que o ou­vi­mos ci­tar Dylan, “é que não tens de ser vir­tu­o­so de coi­sa al­gu­ma. Ele es­tá pre­o­cu­pa­do em fa­zer a sua ce­na, só is­so. O que tens de fa­zer é des­co­brir a tua ma­nei­ra de fa­lar, des­co­brir as tu­as li­mi­ta­ções — até pa­ra as po­de­res usar a teu fa­vor”.

Ago­ra ou­çam com aten­ção o que ele can­ta na ex­tra­or­di­ná­ria Ter­ra fir­me: “Ho­mem ao mar (.) tu só queres che­gar a al­gum la­do”. Ben­ja­mim an­da a fa­zer as coi­sas à sua ma­nei­ra, cri­ou uma pop que é de­le e nós es­ta­mos aqui pa­ra acei­tar o que ele nos dá. Con­ta que ain­da não fez O dis­co de can­ções, sa­bem, aque­le dis­co que se põe a to­car e nun­ca se pá­ra. Mas po­de­mos per­do­ar-lhe a de­mo­ra, por­que “o teu co­ra­ção ca­mi­nha em con­tra­mão”.

Os ca­mi­nhos de Ben­ja­mim são mis­te­ri­o­sos, é di­fí­cil per­ce­ber o que o mo­ve ou co­mo se mo­ve, mas qu­an­do as su­as dú­vi­das se co­lo­cam na for­ma de can­ção, po­de­mos ter a cer­te­za que es­ta­mos em ter­ra fir­me, por­to se­gu­ro. Ben­ja­mim & Bar­naby Ke­en 1986 Pa­ta­ca Re­cords

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.