A ar­te de re­pre­sen­tar Ma­ria

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Obras-pri­mas dos mu­seus do Va­ti­ca­no di­a­lo­gam no MNAA com a ar­te an­ti­ga por­tu­gue­sa. Luí­sa So­a­res de Oli­vei­ra Ma­don­na. Te­sou­ros dos Mu­seus do Va­ti­ca­no. com­po­nen­te pe­da­gó­gi­ca na­da ne­gli­gen­ciá­vel. Por cau­sa da in­clu­são des­tas úl­ti­mas obras, é pos­sí­vel con­fir­mar a di­vul­ga­ção das ima­gens de de­vo­ção ita­li­a­nas se fi­ze­ram tam­bém em Por­tu­gal. Ou, pe­lo me­nos, in­tuir es­se fac­to.

Ma­don­nas, con­tu­do, é an­tes de mais a opor­tu­ni­da­de de ver o que ape­nas ra­ra­men­te, ou tal­vez nun­ca, se vê em Por­tu­gal. On­de en­con­trar por cá, jun­tos no mes­mo es­pa­ço, pin­tu­ra de Ra­fa­el, de­se­nho de Le­o­nar­do da Vin­ci, uma có­pia da Pi­e­tá de Miguel Ân­ge­lo, Pin­to­ric­chio e Ghir­lan­daio, Fra An­ge­li­co e Van Dyck? Co­mo é evi­den­te, nem to­das as obras aqui pre­sen­tes, se­jam elas pin­tu­ra, re­le­vo, es­cul­tu­ra, li­vro im­pres­so, ta­pe­ça­ria, en­tre ou­tras, es­tão atri­buí­das ou pos­su­em a mes­ma im­por­tân­cia que es­tas que aca­bá­mos de ci­tar, e que são pro­va­vel­men­te aque­las que o pú­bli­co iden­ti­fi­ca­rá mais fa­cil­men­te. Uma vi­si­ta aten­ta e demorada re­ve­la­rá ou­tros te­sou­ros, e is­to lo­go des­de os iní­ci­os.

De fac­to, a mon­ta­gem se­gue uma li­nha so­bre­tu­do cro­no­ló­gi­ca, mas não sem nos re­ser­var al­gu­mas sur­pre­sas pe­lo ca­mi­nho. As­sim, lo­go no co­me­ço, dois frag­men­tos de sar­có­fa­gos ro­ma­nos (ob­vi­a­men­te pos­te­ri­o­res a 313, da­ta do édi­to que ins­ti­tuía a li­ber­da­de de cul­to pa­ra os cris­tãos) mos­tram já ima­gens alu­si­vas ao nas­ci­men­to de Je­sus, co­lo­can­do em ce­na al­gu­mas das pri­mei­ras re­pre­sen­ta­ções de Ma­ria. Bem per­to des­tes an­tiquís­si­mos tes­te­mu­nhos es­tá a úni­ca obra mo­der­nis­ta da ex­po­si­ção: um be­lís­si­mo qua­dro de Cha­gall que in­se­re a ima­gem de Ma­ria nu­ma com­po­si­ção sur­re­a­li­zan­te e que, co­mo era há­bi­to nes­te ar­tis­ta, con­vo­ca­va tam­bém a ico­no­gra­fia das tra­di­ções po­pu­la­res ju­dai­cas do nor­te da Eu­ro­pa. De­pois des­ta es­pé­cie de re­su­mo tão bem con­se­gui­do, a mon­ta­gem se­gue com um gran­de destaque da­do aos cha­ma­dos pri­mi­ti­vos ita­li­a­nos, ou se­ja, os ar­tis­tas do gó­ti­co fi­nal pró­xi­mos da ar­te bi­zan­ti­na, e ao Re­nas­ci­men­to pro­pri­a­men­te di­to, com os gran­de mes­tres que já ci­tá­mos bem re­pre­sen­ta­dos. De­ve­se sa­li­en­tar tam­bém aqui a pre­sen­ça de uma Ma­don­na de Ál­va­ro Pi­res de Évo­ra, que tra­ba­lhou em Itá­lia mes­mo an­tes da re­vo­lu­ção pic­tó­ri­ca do Re­nas­ci­men­to, e que em na­da fi­ca a de­ver aos seus co­le­gas des­se país.

Atra­vés da su­ces­são das sa­las e das obras va­mos com­pre­en­den­do co­mo as mu­dan­ças de gos­to e es­ti­lo até fi­nais do sé­cu­lo XVI­II, o mar­co tem­po­ral que li­mi­ta a ju­san­te a se­lec­ção dos cu­ra­do­res, ser­vem de di­fe­ren­tes mo­dos o cul­to ma­ri­a­no. Mo­men­tos cha­ve no de­sen­vol­vi­men­to des­ta de­vo­ção são por um la­do a con­tra­re­for­ma, com a afir­ma­ção sem equí­vo­cos da le­gi­ti­mi­da­de des­te cul­to; e por ou­tro la­do jus­ta­men­te o iní­cio do es­ti­lo gó­ti­co, que mar­ca sem dú­vi­da uma hu­ma­ni­za­ção do di­vi­no mui­to evi­den­te na es­cul­tu­ra da épo­ca, por exem­plo. Não se­rá de­mais acon­se­lhar uma vi­si­ta com­ple­men­tar à ex­tra­or­di­ná­ria co­lec­ção de es­cul­tu­ra ma­ri­a­na do MNAA que com­pro­va­rá sem dú­vi­da es­ta afir­ma­ção. Tal­vez se­ja es­ta tam­bém a ra­zão pe­la qual en­con­tra­mos tão pou­cas pe­ças ro­mâ­ni­cas e, so­bre­tu­do, bi­zan­ti­nas, que os mu­seus do Va­ti­ca­no as pos­su­em de­cer­to em quan­ti­da­de e qua­li­da­de.

E, no fun­do, o que mais re­le­va é a con­ti­nui­da­de de um te­ma que atra­ves­sa os sé­cu­los, ul­tra­pas­san­do as di­vi­sões que his­to­ri­a­do­res e crí­ti­cos ins­ti­tu­em ar­ti­fi­ci­al­men­te no tem­po. A có­pia da Pi­e­tá de Miguel Ân­ge­lo que vi­a­jou até Por­tu­gal (tão per­fei­ta que ser­viu de mo­de­lo ao res­tau­ro do ori­gi­nal de­pois do ac­to de van­da­lis­mo nos anos 70) é o re­tra­to ima­gi­na­do de uma mu­lher co­mum com o fi­lho mor­to nos bra­ços. Ve­zes e ve­zes sem con­ta, es­ta fi­gu­ra pró­xi­ma do cren­te res­sal­ta em bom nú­me­ro de obras in­cluí­das na ex­po­si­ção. Es­co­lher uma de­las? A Virgem no Pa­ra­pei­to, de Pin­to­ric­chio: o re­tra­to de uma ra­pa­ri­ga ju­dia, à ja­ne­la, que mos­tra o fi­lho a quem a olha­va. LIS­BOA. Ga­le­ria Qua­dra­do Azul. Rua Rei­nal­do Fer­rei­ra, 20-A. De 3ª a sá­ba­do, das 14h às 19h. Até 24 de Ju­nho. O que é uma ex­po­si­ção de mu­seu, ou me­lhor, o que é que di­fe­ren­cia uma ex­po­si­ção de mu­seu de uma que tem lu­gar nu­ma ga­le­ria de ar­te? Pa­ra além do as­pec­to ime­di­a­ta­men­te eco­nó­mi­co — as ga­le­ri­as são em­pre­sas que têm por mis­são o co­mér­cio de obras de ar­te, ao pas­so que es­se ob­jec­ti­vo não exis­te nos mu­seus — po­de­ría­mos afir­mar, sem mui­tas hi­pó­te­ses de en­ga­no, que ao pas­so que as ga­le­ri­as se ocu­pam da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.