O tu­ris­mo to­tal

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Uma no­va uto­pia cha­ma­da tu­ris­mo atra­ves­sa o país de nor­te e sul e re­a­li­za, no pla­no da po­lí­ti­ca cul­tu­ral, uma su­tu­ra im­pe­ra­ti­va: tu­ris­mo & cul­tu­ra. Ain­da na se­ma­na pas­sa­da, nu­ma con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal em Évo­ra, ou­vi a en­ti­da­de re­gi­o­nal do tu­ris­mo do Alen­te­jo fa­lar da cul­tu­ra com um fer­vor ins­tru­men­tal que co­nhe­ce­mos dos tem­pos si­nis­tros em que eram os mi­nis­té­ri­os di­tos da pro­pa­gan­da a ocu­par-se de­la e a re­cla­má-la com le­gí­ti­ma — ou, pe­lo me­nos, le­gi­ti­ma­da — au­to­ri­da­de. A lei da re­ver­si­bi­li­da­de fun­ci­o­na aqui sem fa­lhas: nu­ma épo­ca em que a cul­tu­ra se tor­nou uma no­ção ex­pan­si­va e até obe­sa (fun­ci­o­nan­do mui­tas ve­zes no lu­gar da po­lí­ti­ca), to­do o tu­ris­mo é cul­tu­ral e to­da a cul­tu­ra ser­ve a es­tra­té­gia tu­rís­ti­ca. O tu­ris­mo pa­ro­dia ho­je as ide­o­lo­gi­as da mo­bi­li­za­ção to­tal. Pe­ter Slo­ter­dijk for­mu­lou es­ta ideia, di­zen­do que até o ex­tre­mis­mo re­le­va ho­je do tu­ris­mo. No con­tex­to do tu­ris­mo to­tal – es­sa no­va uto­pia -, o con­cei­to de “es­pa­ços tu­ris­ti­fi­ca­dos”, usa­do pe­los geó­gra­fos, alar­gou-se e qu­a­se não co­nhe­ce fron­tei­ras. É tan­to a ci­da­de his­tó­ri­ca e mo­nu­men­tal co­mo o mun­do ru­ral, pa­ra on­de se vi­a­ja em bus­ca do país dos arqué­ti­pos. Tra­ta-se de uma ilu­são, pois até os “arqué­ti­pos” do mun­do ru­ral e lo­cal se dis­se­mi­na­ram e se re­pro­du­zi­ram na ci­da­de uni­ver­sal. Um exem­plo: o dia da es­pi­ga, uma ce­le­bra­ção pa­gã que ocor­re na Quin­ta­fei­ra de As­cen­são (con­sis­te em co­lher es­pi­gas de vá­ri­os ce­re­ais, flo­res cam­pes­tres e um ra­mo de oli­vei­ra, for­man­do um ra­mo), é um ri­tu­al que qu­a­se de­sa­pa­re­ceu dos seus lu­ga­res pró­pri­os e foi trans­fe­ri­do pa­ra a ci­da­de, on­de apa­re­cem nes­se dia, à ven­da, os di­tos ra­mos. Es­te exem­plo é um mo­de­lo abre­vi­a­do de uma ex­por­ta­ção pro­mo­vi­da pe­lo tu­ris­mo: as di­fe­ren­ças e os pro­du­tos lo­cais que dan­tes eram a mar­ca de dis­tân­ci­as e dis­tin­ções exó­ti­cas tor­na­ram-se ex­por­tá­veis e trans­mis­sí­veis. É por is­so mui­to plau­sí­vel que pos­sa­mos sa­bo­re­ar em Ham­bur­go o me­lhor pas­tel de na­ta de sem­pre, e co­ma­mos a me­lhor piz­za ita­li­a­na em Ber­lim, num res­tau­ran­te tur­co. Pa­ra par­tir, já não pre­ci­sa­mos de sair: es­ta é uma con­clu­são a que te­mos de che­gar, so­bre­tu­do qu­an­do vi­ve­mos nu­ma ci­da­de com gran­de den­si­da­de de tu­ris­mo. No con­tex­to do tu­ris­mo to­tal, a uto­pia já não é um lu­gar es­tá­ti­co e imó­vel: é a ci­da­de uni­ver­sal, on­de se re­a­li­zou a coin­ci­dên­cia en­tre vi­ver e vi­a­jar e on­de não exis­te di­fe­ren­ça per­cep­tí­vel en­tre os re­si­den­tes da ci­da­de e os seus vi­si­tan­tes. Há um pro­ces­so de mo­nu­men­ta­li­za­ção le­va­do a ca­bo pe­lo tu­ris­mo e aca­ba­mos por olhar a nos­sa pró­pria ci­da­de com os olhos do tu­ris­ta que a mo­nu­men­ta­li­za, tal co­mo o alen­te­ja­no que vol­ta­va as cos­tas ao mar e à pai­sa­gem que era pa­ra ele com­ple­ta­men­te hos­til fa­la ho­je en­can­ta­do, usan­do uma de­sig­na­ção in­ven­ta­da há al­gu­mas dé­ca­das pe­lo tu­ris­mo, do seu “li­to­ral alen­te­ja­no”. A crí­ti­ca do tu­ris­mo ba­se­a­da nos di­rei­tos dos au­tóc­to­nes vai per­der em bre­ve o seu fun­da­men­to. A ra­zão do au­tóc­to­ne vai dis­sol­ver-se no tu­ris­mo to­tal. O lu­gar crí­ti­co da mo­bi­li­za­ção to­tal, o que há ho­je de mais pa­re­ci­do a um pos­to mi­li­tar em de­sor­dem são os ae­ro­por­tos. Uma per­so­na­gem trá­gi­ca do “ale­gre apo­ca­lip­se” vi­e­nen­se, Ot­to Wei­nin­ger, es­cre­veu num afo­ris­mo que de uma es­ta­ção de com­boio não se po­de par­tir pa­ra a li­ber­da­de. Só um pes­si­mis­mo ra­di­cal ou a vi­são dos com­boi­os chei­os de gen­te “co­mo pi­o­lhos” que che­ga­vam a Aus­chwitz (mas Wei­nin­ger, co­nhe­ci­do, aliás, por ter ela­bo­ra­do, num li­vro in­ti­tu­la­do Se­xo e Ca­rác­ter, uma exal­ta­da te­o­ria an­ti-se­mi­ta e mi­só­gi­na, sui­ci­dou-se em 1903, com 23 anos, na ca­sa on­de tam­bém ti­nha mor­ri­do Be­etho­ven) po­de di­zer tal coi­sa de uma es­ta­ção de com­boio. Tal­vez a sen­ten­ça se te­nha tor­na­do ver­da­dei­ra pa­ra de­sig­nar os ae­ro­por­tos na épo­ca do tu­ris­mo to­tal. di­ver­sas ac­ções da Pri­mei­ra Re­pú­bli­ca – e até da Mo­nar­quia –, em múl­ti­plos do­mí­ni­os, in­cluin­do o cul­tu­ral, pa­tri­mo­ni­al ou tu­rís­ti­co? In­clu­si­va­men­te, pa­re­ce emer­gir uma cer­ta con­tra­di­ção na nar­ra­ti­va de Cân­di­da Ca­da­vez: por um la­do, afir­ma que o re­gi­me não era “na­ci­o­na­lis­ta” mas ape­nas “na­ci­o­na­li­zan­te”, por­que “ad­vo­ga­va mais a di­fe­ren­ça da ‘Na­ção’, e não tan­to uma even­tu­al su­pe­ri­o­ri­da­de da mes­ma” (p. 77); mas, por ou­tro la­do, ao ana­li­sar a re­tó­ri­ca de Sa­la­zar, diz que “ne­la se vis­lum­bra a evo­ca­ção de uma de­ter­mi­na­da su­pe­ri­o­ri­da­de cul­tu­ral cla­ra­men­te as­su­mi­da e elo­gi­a­da” (p. 87).

Quan­to aos res­tan­tes ca­pí­tu­los, há op­ções que não se com­pre­en­dem, mes­mo no que se re­fe­re às fon­tes uti­li­za­das. Não se per­ce­be, por exem­plo, que a au­to­ra, nu­ma ci­ta­ção- cha­ve que é in­clu­si­va­men­te re­to­ma­da na ba­da­na do li­vro, trans­cre­va uma su­pos­ta afir­ma­ção de Sa­la­zar a pro­pó­si­to de Fá­ti­ma, da mais du­vi­do­sa fi­de­dig­ni­da­de (“Deus sa­be da ne­ces­si­da­de que te­mos de de­sen­vol­ver o nos­so in­ci­pi­en­te tu­ris­mo”), cons­tan­te da obra fic­ci­o­na­da O Diá­rio de Sa­la­zar, de An­tó­nio Tra­bu­lo, mas, do mes­mo pas­so, omi­ta tra­ba­lhos co­mo O Bai­le do Tu­ris­mo. Tu­ris­mo e Pro­pa­gan­da no Es­ta­do No­vo (2003), de Ema Cláu­dia Pi­res, o qual, ain­da que com pre­ten­sões mais mo­des­tas e cir­cuns­cri­tas, abor­da pre­ci­sa­men­te o mes­mís­si­mo te­ma que Cân­di­da Ca­da­vez eri­giu em ob­jec­to de es­tu­do. De igual mo­do, ao con­ce­der, por­ven­tu­ra ex­ces­si­va­men­te, um pa­pel nu­cle­ar a An­tó­nio Fer­ro na con­cep­ção do “pro­gra­ma tu­rís­ti­co” do Es­ta­do No­vo, não se en­ten­de que se­ja as­si­na­la­da en pas­sant a mar­can­te vi­a­gem aos Es­ta­dos Uni­dos do au­tor de Ho­mens e Mul­ti­dões mas que não se es­cru­ti­ne – nem se­quer se ci­te – o seu li­vro No­vo Mun­do, Mun­do No­vo, de 1930, o qual, pa­ra mais, tem di­ver­sas pas­sa­gens so­bre o tu­ris­mo na Amé­ri­ca e os ho­téis de No­va Ior­que, que Fer­ro ape­li­dou de “gran­des ar­ma­zéns de hós­pe­des”. Te­ria si­do in­te­res­san­te in­da­gar, por exem­plo, se mui­to do que An­tó­nio Fer­ro pro­jec­ta­ria de­pois pa­ra os nos­sos es­ta­be­le­ci­men­tos tu­rís­ti­cos (v. g., as Pou­sa­das) não se si­tu­a­va pre­ci­sa­men­te nos an­tí­po­das da­que­les «gran­des ar­ma­zéns de hós­pe­des» com que se de­pa­ra­ra em Ma­nhat­tan. Po­de­rá di­zer- se, é cer­to, que a au­to­ra não pre­ten­deu ela­bo­rar uma bi­o­gra­fia de An­tó­nio Jo­a­quim Ta­va­res Fer­ro. No en­tan­to, tal in­ten­ção trans­pa­re­ce nes­te li­vro, no­me­a­da­men­te a pá­gi­nas 248 e se­guin­tes, pe­lo que não se com­pre­en­de que Cân­di­da Ca­da­vez te­nha pers­cru­ta­do – e bem – o es­pó­lio de Fer­ro de­po­si­ta­do na Fun­da­ção An­tó­nio Sa­la­zar ins­ti­tuiu pa­drão de “tu­ris­mo mé­dio”, o Es­to­ril foi “ex­cep­ção”, en­ce­na­da “pa­ra in­glês ver” Qua­dros, mas não se de­te­nha, por exem­plo, no re­la­to me­mo­ri­a­lís­ti­co da sua mu­lher, Fer­nan­da de Cas­tro, pu­bli­ca­do em 1986.

De igual mo­do, ao dis­cor­rer so­bre o Es­to­ril co­mo ins­tân­cia de fé­ri­as ou mo­ra­da de hós­pe­des ilus­tres, cu­jos no­mes a au­to­ra se li­mi­ta a enun­ci­ar num pa­rá­gra­fo (p. 242), de­ver- se-ia ter con­sul­ta­do, pe­lo seu ma­ni­fes­to in­te­res­se tes­te­mu­nhal, a obra Exi­la­dos Ré­gi­os no Es­to­ril (1955), de Ju­li­en Sau­erwein. Is­to sem fa­lar, ob­vi­a­men­te, de li­vros im­por­tan­tes so­bre a his­tó­ria do Es­to­ril, tais co­mo, en­tre ou­tros, De Cae Água a São Pe­dro do Es­to­ril (2005), de Ana Cris­ti­na An­tu­nes, Car­los Miguel Fer­rei­ra e Fran­cis­co Pe­rei­ra; De Lis­boa a Cas­cais. Ros­tos, li­ber­da­de e me­di­ci­na (2002), de Luí­sa Vi­la­ri­nho; O Pla­no de Ur­ba­ni­za­ção da Cos­ta do Sol (2009), de Mar­ga­ri­da Pe­rei­ra e ou­tros; Da Ri­vi­e­ra Por­tu­gue­sa à Cos­ta do Sol (Cas­cais, 1850-1930), de João Miguel Hen­ri­ques (2011). Do mes­mo mo­do, a re­cen­são das opi­niões de es­tran­gei­ros so­bre Por­tu­gal – um pon­to fun­da­men­tal nu­ma obra so­bre es­ta te­má­ti­ca – é li­mi­ta­da ao que dis­se­ram so­bre o Es­to­ril e Cas­cais os no­mes que há mui­to co­nhe­ce­mos (Ralph Fox, Mir­cea Eli­a­de, Saint-Exu­péry, Ann Brid­ge e Su­san Lown­des e Ch­ris­ti­ne Gar­ni­er). Nes­te par­ti­cu­lar, o li­vro fi­ca aquém, in­clu­si­ve, de obras de me­nor den­si­da­de, co­mo as de Neill Lo­chery ou de Ro­nald We­ber. Não se abor­dam, o que te­ria si­do im­por­tan­te, as apre­ci­a­ções fei­tas por re­pór­te­res ou ou­tras per­so­na­li­da­des es­tran­gei­ras que pas­sa­ram por Por­tu­gal, co­mo, por exem­plo, aqui­lo que, nas su­as me­mó­ri­as, nos con­ta Nu­bar Gul­ben­ki­an so­bre a hotelaria no Bu­ça­co, os ex-mo­nar­cas e aris­to­cra­tas exi­la­dos no Es­to­ril ou o quo­ti­di­a­no no Ho­tel Aviz ( cf. Nu­bar Gul­ben­ki­an, Pan­ta­ra­xia. Au­to­bi­o­gra­fia, trad. por­tu­gue­sa, 2015).

Não se jul­gue que es­ta enu­me­ra­ção de fa­lhas bi­bli­o­grá­fi­cas tem a pre­ten­são de cons­ti­tuir- se em ar­gui­ção aca­dé­mi­ca ou exer­cí­cio de eru­di­ção li­vres­ca. É que, a par ou em con­sequên­cia de tais la­cu­nas, o pro­du­to fi­nal aca­ba por se res­sen­tir quan­to a al­gu­mas das con­clu­sões que a au­to­ra al­can­ça, por ve­zes pou­co es­cla­re­ce­do­ras. Por ou­tro la­do, e ape­sar de uma fu­gaz men­ção ao Pa­tro­na­to Na­ci­o­nal de Tu­ris­mo Es­pañol e ao En­te Na­zi­o­na­le Ita­li­a­no per il Tu­ris­mo, a au­sên­cia de uma pers­pec­ti­va com­pa­ra­ti­va não nos per­mi­te des­cor­ti­nar o que de es­pe­cí­fi­co – ou de es­pe­ci­fi­ca­men­te “na­ci­o­na­li­zan­te” – hou­ve no “tu­ris­mo sa­la­za­ris­ta” em con­fron­to com re­gi­mes co­e­tâ­ne­os. De igual mo­do, fi­ca por de­ter­mi­nar, no co­te­jo com a apro­xi­ma­ção ao tu­ris­mo fei­ta pe­la Pri­mei­ra Re­pú­bli­ca (ob­jec­to do ex­ce­len­te Vi­a­jar. Vi­si­tan­tes e Tu­ris­tas à Des­co­ber­ta de Por­tu­gal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.