Con­ti­nu­am

Publico - Ipsilon - - Sumário -

mãe e a fi­lha são de ori­gem gui­ne­en­se) e que os faz res­so­ar — é o ter­mo — no es­pa­ço con­cen­tra­do de um pré­dio de apar­ta­men­tos, de on­de pra­ti­ca­men­te não se sai, e que é o pré­dio on­de to­das vi­vem, as pro­ta­go­nis­tas (no ter­cei­ro an­dar) e a re­a­li­za­do­ra (no quin­to an­dar, on­de se ou­vem, em off, ex­cer­tos de fil­mes ita­li­a­nos, por­que ita­li­a­na é a ori­gem de Luciana Fina, e as­sim se fri­sa tam­bém a im­por­tân­cia das ques­tões lin­guís­ti­cas).

O fil­me al­ter­na, no seu olhar (e no seu “ou­vir”) so­bre as mu­lhe­res, o re­cur­so à com­po­si­ção mui­to cui­da­da (os “qua­dros” com as fi­gu­ras em gran­de pla­no, a voz “off” even­tu­al­men­te so­bre­pon­do­se aos ros­tos mu­dos) e a uma es­pé­cie de na­tu­ra­lis­mo mui­to mais ime­di­a­to (a miú­da em fren­te ao com­pu­ta­dor, co­mo se fil­ma­da por uma web­cam; a reu­nião de vá­ri­as mu­lhe­res, to­das nas su­as in­du­men­tá­ri­as tra­di­ci­o­nais, a pre­pa­ra­rem uma re­fei­ção na co­zi­nha).

Mas num fil­me on­de a trans­mis­são e a co­mu­ni­ca­ção são da­dos es­sen­ci­ais, a re­a­li­za­do­ra en­con­tra for­ma de os am­pli­ar atra­vés da sen­si­bi­li­da­de ao pró­prio edi­fí­cio e aos seus in­te­ri­o­res, per­cor­ri­dos em ele­gan­tes mo­vi­men­tos de câ­ma­ra as­cen­den­tes ou des­cen­den­tes, co­mo ex­pres­são de uma “pro­pa­ga­ção” que, pa­ra lá da ma­te­ri­a­li­da­de com que Luciana Fina a filma, tem tam­bém um va­lor sim­bó­li­co (co­mo o te­rão os pla­nos com vis­tas das ja­ne­las, que “en­raí­zam” o pré­dio na ci­da­de e tan­to su­bli­nham a sua iden­ti­da­de pre­ci­sa co­mo o fa­zem co­mu­ni­car com uma co­mu­ni­da­de mais vas­ta).

É pre­ci­so di­zer, aliás, que quer os mo­vi­men­tos de câ­ma­ra quer os en­qua­dra­men­tos fi­xos pro­vam que a re­a­li­za­do­ra tem de­do pa­ra fil­mar a ar­qui­tec­tu­ra ou, di­zen­do de for­ma mais sim­ples, as for­mas ar­qui­tec­tó­ni­cas — e que al­gu­ma coi­sa de Ter­cei­ro An­dar tal­vez de­cor­ra de um fil­me an­te­ri­or de Luciana Fina, In Me­dia Res, so­bre o ar­qui­tec­to Ma­nu­el Taí­nha. Obra de ou­tro fô­le­go, es­sa, ao pé da qual Ter­cei­ro An­dar faz fi­gu­ra de pe­que­no en­saio, vir­tu­o­so e in­te­li­gen­te quan­to bas­te, mas a pe­dir uma am­pli­tu­de mai­or do que a da sua cur­ta es­ca­la. A Mis­são The As­sig­ment De Wal­ter Hill Com Si­gour­ney Wa­e­ver e Mi­chel­le Ro­dri­guez Wal­ter Hill não é Tod Brow­ning, Wal­ter Hill não é Ja­mes Wha­le. Tam­bém por is­so A Mis­são, em que Si­gour­ney We­a­ver, mé­di­ca lou­ca, se vin­ga dan­do um se­xo fe­mi­ni­no a Mi­chel­le Ro­dri­guez (“i don’t look the sa­me, i sha­ved and so­me other stuff”), pai­ra à de­ri­va. Mas tal co­mo aque­le ci­ne­ma já de­sa­pa­re­ci­do, é ir­re­du­tí­vel a qual­quer es­for­ço de tra­du­ção. A sé­rie B, e a Z e etc, o ter­ri­tó­rio de A Mis­são, foi is­so, câ­ma­ra de eco on­de res­so­a­vam fan­tas­mas, me­dos que eram ex­pe­ri­men­ta­dos de for­ma “pu­ra”, bru­tal, alu­ci­na­da. “Foi”, pre­ci­sa­men­te: já não há “coi­sas” des­tas no “ci­ne­ma”, se ca­lhar por­que já não há ci­ne­as­tas des­ses, cer­ta­men­te por­que já não há es­pec­ta­do­res ca­pa­zes. Pa­ra uma fron­ta­li­da­de as­sim, pa­ra in­ves­tir des­ta for­ma na sus­pen­são da des­cren­ça, é pre­ci­so po­e­sia e fe­ro­ci­da­de — ou um Wha­le ou um Brow­ning... — e á pou­cos de nós, re­a­li­za­do­res, es­pec­ta­do­res, têm ma­té­ria pa­ra aven­tu­ras na es­cu­ri­dão. Pre­o­cu­pa­dos que es­tão, pre­o­cu­pa­dos que es­ta­mos, em não ma­go­ar e em não ser­mos ma­go­a­dos. Mas o fil­me de Wal­ter Hill é a re­cu­sa do ci­ne­ma co­mo SPA emo­ci­o­nal. É um pac­to com a es­cu­ri­dão que nos ha­bi­ta — a re­la­ção com os mons­tros de Brow­ning e Wha­le faz-se por aí, não por qual­quer jo­go de ci­ta­ção ci­né­fi­la, mes­mo se é ir­re­sis­tí­vel ver em Si­gour­ney We­a­ver, de bra­ços amar­ra­dos que não apri­si­o­nam a sua lou­cu­ra, an­tes a ex­po­nen­ci­am, uma mão em di­rec­ção ao Lon Cha­ney do The Unk­nown de Brow­ning, fil­me de 1927. Há uma ver­ti­gem nas per­so­na­gens, uma des­fa­ça­tez nos pla­nos, que se tor­na­ram coi­sas ra­ras, iné­di­tas, e que, mes­mo que Hill as tra­ba­lhe mais co­mo “in­dus­tri­al” do que co­mo “ar­tis­ta”, ou que A Mis­são se­ja Não é pe­la re­ci­cla­gem, por­que até é uma ideia po­ten­ci­al­men­te sim­pá­ti­ca que Hollywo­od se trans­for­me, mu­ta­tis mu­tan­dis, nu­ma coi­sa pa­re­ci­da com o jazz, e os ve­lhos fil­mes, to­ma­dos co­mo stan­dards, se­jam pe­ri­o­di­ca­men­te re­cri­a­dos e re­vi­vi­dos. É pe­la po­bre­za, ca­da vez mais es­trei­ta de vis­tas, com que es­sa re­cri­a­ção é fei­ta. A Mú­mia co­me­çou a sua vi­da em 1932, num fil­me do ger­mâ­ni­co Karl Freund, exem­plar es­sen­ci­al da li­nha dos fil­mes de ter­ror da Uni­ver­sal, lí­ri­cos e so­nam­bú­li­cos; ou­tras va­ri­a­ções te­rão exis­ti­do ao lon­go dos anos mas a fa­ma re­cen­te do tí­tu­lo vem do fi­nal dos anos 90, qu­an­do A Mú­mia foi re­to­ma­da (ini­ci­al­men­te pe­las mãos de Stephen Som­mers) e co­nhe­ceu vá­ri­as se­que­las, ca­da uma pi­or do que a an­te­ri­or, mas que pe­lo me­nos eram do­mi­na­das por um es­pí­ri­to far­so­las de co­mé­dia de ac­ção au­to­der­ri­só­ria. Es­ta “Mú­mia” sé­cu­lo XXI, e de mo­do que faz te­mer (ain­da mais) pe­las anun­ci­a­das re­cu­pe­ra­ções de ou­tros mons­tros da Uni­ver­sal (pa­re­ce que es­tão na ca­lha Drá­cu­la e Fran­kens­tein), man­da às mal­vas quer o li­ris­mo quer o hu­mor. Le­va-se mui­to a sé­rio, co­mo qu­a­se tu­do aqui­lo em que Tom Crui­se en­tra, ele que aqui es­tá nas su­as se­te quin­tas, mui­to si­su­do, mui­to so­fre­dor, “amal­di­ço­a­do” co­mo gos­ta de se sen­tir (não é ele que in­ter­pre­ta “a mú­mia”, mas sim­bo­li­ca­men­te é is­so que ele é, a mú­mia des­te fil­me), nu­ma in­tri­ga com­pli­ca­dís­si­ma e cheia de re­fe­rên­ci­as de con­tex­to (até o Ira­que!) co­mo se pre­ci­sas­se de­las por uma ques­tão de “cre­di­bi­li­da­de”, pa­ra de­pois se re­su­mir a um amon­to­a­do de cor­re­ri­as e es­pec­tá­cu­los de efei­tos es­pe­ci­ais que es­fa­ce­lam e ani­qui­lam pra­ti­ca­men­te to­da a di­men­são fí­si­ca da ac­ção. Ch­ris­topher McQu­ar­rie é um dos ar­gu­men­tis­tas, e ho­je um dos prin­ci­pais co­la­bo­ra­do­res de Crui­se, re­a­li­za­dor de al­guns dos seus me­lho­res fil­mes os úl­ti­mos tem­pos, no­me­a­da­men­te o mais re­cen­te epi­só­dio da “Mis­são Im­pos­sí­vel”. Mas “A Mú­mia” o ab­so­lu­to apos­to do prag­ma­tis­mo lím­pi­do des­se fil­me, tro­ca­do por um no­vo-ri­quis­mo tec­no­ló­gi­co que re­pro­duz to­dos os lu­ga­res co­muns do “fan­tás­ti­co” me­nos ima­gi­na­ti­vo, e que se vê com a mais en­te­di­a­da in­di­fe­ren­ça. L.M.O.

Ter­cei­ro An­dar:

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.