A es­tre­la que bri­lha e a es­tre­la que quer bri­lhar

Publico - Ipsilon - - Sumário -

To­dos tra­ta­ram An­nie Lei­bo­vitz co­mo fo­tó­gra­fa-es­tre­la. Ela pa­re­ceu gos­tar. Mas há quem dis­pa es­se es­ta­tu­to pa­ra com­pre­en­der o su­ces­so: Au­drey Tau­tou.

Se os En­con­tros de Fotografia de Ar­les fos­sem re­pre­sen­ta­dos co­mo um ma­pa to­po­grá­fi­co, tro­can­do o re­le­vo pe­lo ego dos au­to­res con­vi­da­dos, as cur­vas de ní­vel se­ri­am tan­tas e tão va­ri­a­das que a sua representação car­to­grá­fi­ca re­sul­ta­ria em al­ti­tu­des mui­to as­si­mé­tri­cas, po­den­do ha­ver até quem pen­sas­se que a cor­di­lhei­ra dos Al­pes tinha des­li­za­do pa­ra a gran­de pla­ní­cie e zo­na hú­mi­da do del­ta do rio Ró­da­no, a li­nha-d’água que atra­ves­sa aque­la ci­da­de ca­mar­gue­sa. Da qua­se in­vi­si­bi­li­da­de, aos pín­ca­ros da so­bre­ex­po­si­ção. Da mais mo­des­ta pre­sen­ça à mais es­pa­lha­fa­to­sa pas­sa­gem. Por es­tes di­as, há de tu­do um pou­co em Ar­les, co­mo, aliás, se­ria de es­pe­rar num fes­ti­val car­re­ga­do de ex­po­si­ções e mui­tos egos à solta.

O que não dei­xa de ser sur­pre­en­den­te é ver co­mo a or­ga­ni­za­ção dos En­con­tros, que tem o fran­cês Sam Stourd­zé na li­de­ran­ça, se dei­xa en­can­de­ar pe­lo mains­tre­am fo­to­grá­fi­co em de­tri­men­to de obras e au­to­res me­nos ba­da­la­dos, mas por­ven­tu­ra com ou­tra pu­jan­ça de re­fle­xão, es­pí­ri­to in­ven­ti­vo e for­ça cri­a­ti­va. Não se per­ce­be, por exem­plo, co­mo é que pa­ra a tra­di­ci­o­nal noi­te de aber­tu­ra de­ci­diu re­pi­sar o tra­ba­lho de An­nie Lei­bo­vitz (Con­nec­ti­cut, 1949), dei­xan­do de la­do no­mes co­mo Joel Meye­rowitz (No­va Ior­que, 1938), Ro­ger Bal­len (No­va Ior­que, 1950) ou Paz Er­rá­zu­riz (San­ti­a­go do Chile, 1944), to­dos com for­tes ex­po­si­ções in­di­vi­du­ais na edi­ção des­te ano, to­dos com um lon­go e re­co­nhe­ci­do per­cur­so.

As lu­zes à es­pe­ra de Lei­bo­vitz

A ma­nei­ra ace­le­ra­da co­mo o ir­lan­dês Richard Mos­se (ele pró­prio, na­que­la noi­te, me­re­ce­dor de ou­tro tem­po de an­te­na) con­du­ziu a sua apre­sen­ta­ção an­tes de en­trar em ce­na Lei­bo­vitz foi exem­pli­fi­ca­ti­vo da re­ve­rên­cia exa­ge­ra­da pa­ra com a nor­te-ame­ri­ca­na. No iní­cio da apre­sen­ta­ção, Mos­se sen­tiu-se na obri­ga­ção de di­zer que tinha de ser rá­pi­do por­que An­nie Lei­bo­vitz en­tra­ria pa­ra o cen­tro do Te­a­tro An­ti­go de Ar­les lo­go a se­guir. Mas Lei­bo­vitz mos­trou-se con­des­cen­den­te e gri­tou de al­gu­res: “Ta­ke your ti­me!” Hou­ve ri­sos. E Mos­se, ain­da ace­le­ra­do, co­me­çou a des­fi­ar por­me­no­res acer­ca do tra­ba­lho que lhe va­leu es­te ano o Prix Pic­tet, um dos mais re­pu­ta­dos pré­mi­os de fotografia do mun­do. Fa­lou da sé­rie He­at Maps, cap­ta­da com câ­ma­ras mi­li­ta­res ca­pa­zes de de­tec­tar ca­lor hu­ma­no a mais de 30 qui­ló­me­tros (con­si­de­ra­das uma ar­ma ao abri­go da le­gis­la­ção internacional). Nos úl­ti­mos anos, o fotógrafo de­di­cou-se a ras­tre­ar com es­tes aparelhos as des­lo­ca­ções de re­fu­gi­a­dos e mi­gran­tes que têm che­ga­do à Eu­ro­pa, vin­dos do Mé­dio Ori­en­te e do Nor­te de Áfri­ca.

E de­pois da “fotografia ca­lo­ro­sa” de Mos­se e de um in­ter­lú­dio — du­ran­te o qual, en­tre ou­tros mo­men­tos, a mi­li­o­ná­ria Ma­ja Hoff­mann (res­pon­sá­vel pe­la Fun­da­ção Lu­ma, um dos pa­tro­ci­na­do­res dos En­con­tros) foi “co­ro­a­da” por Stourd­zé co­mo a “rai­nha da cul­tu­ra de Ar­les” —, foi a vez de Lei­bo­vitz ocu­par a ri­bal­ta com a sua fotografia que ba­lan­ça en­tre a in­ti­mi­da­de fa­mi­li­ar e a hi­per­pro­du­ção hollywo­o­des­ca. Co­me­çou com as ima­gens do seu cír­cu­lo mais pró­xi­mo e pas­sou pa­ra a ga­le­ria de fa­mo­sos, com o anún­cio de um no­vo li­vro pe­lo meio ( já tinha ima­gi­na­do fe­chá-lo com um re­tra­to de Hil­lary Clin­ton na Ca­sa Bran­ca, mas Do­nald Trump es­tra­gou-lhe o pla­no). En­tre as no­vas ima­gens (que foi pas­san­do ra­pi­da­men­te) não hou­ve na­da de mui­to di­fe­ren­te em re­la­ção ao que já vi­mos do seu tra­ba­lho mais re­cen­te: é ho­je, so­bre­tu­do, uma fo­tó­gra­fa de es­tre­las que gos­ta de pôr pó dou­ra­do em ci­ma da­qui­lo que já bri­lha, ou se­ja, mui­ta produção e al­gum ce­ná­rio.

A ex­po­si­ção no Parc des Ate­li­ers — An­nie Lei­bo­vitz: The Early Ye­ars, 1970-1983, fei­ta com par­te do ar­qui­vo com­pra­do es­te ano pe­la Lu­ma, nu­ma mon­ta­gem dig­na de fi­gu­rar nos ma­nu­ais so­bre co­mo não fa­zer uma ex­po­si­ção de fotografia — tem o mé­ri­to de mos­trar a evo­lu­ção da fo­tó­gra­fa des­de o mo­men­to em que tinha uma ma­nei­ra ins­tin­ti­va de fa­zer ima­gem, até aos pri­mór­di­os dos re­tra­tos pre­pa­ra­dos ao de­ta­lhe e des­ti­na­dos às ca­pas de re­vis­tas ou dis­cos. Quer nu­ma quer nou­tra fa­se há, pe­lo me­nos, uma coi­sa co­mum: mui­tos fa­mo­sos. E es­te é um fi­lão (e um no­ve­lo sem fim) do qual Lei­bo­vitz não ab­di­ca. Es­sa con­vi­vên­cia es­te­lar des­de há dé­ca­das pa­re­ce ter ti­do efei­tos con­ta­gi­an­tes, ao pon­to de ela pró­pria en­car­nar (e is­so no­tou-se na noi­te de aber­tu­ra de Ar­les) a fi­gu­ra de fo­tó­gra­fa-es­tre­la.

Em sen­ti­do in­ver­so, há quem dis­pa o es­ta­tu­to de es­tre­la pa­ra ten­tar com­pre­en­der, atra­vés da au­to-representação fo­to­grá­fi­ca, a me­di­a­ti­za­ção, o su­ces­so e a no­to­ri­e­da­de. Foi o que fez a ac­triz Au­drey Tau­tou ( O Fa­bu­lo­so Des­ti­no de Amé­lie Pou­lain, 2001) ao re­ve­lar em Ar­les, nu­ma sur­pre­en­den­te ex­po­si­ção ( Su­per­fa­ci­al), co­mo atra­vés das fo­to­gra­fi­as que cap­ta de si consegue jus­ta­men­te dei­xar de ser uma ce­le­bri­da­de, ima­gens em que, con­fes­sou ao Le Mon­de, ape­sar da mi­se en scè­ne não se sen­te a de­sem­pe­nhar qual­quer pa­pel. S.B.G., em Ar­les

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.