O ho­mem no es­pa­ço pros­se­gue a sua vi­a­gem

Publico - Ipsilon - - Sumário - Fran­cis­co No­ro­nha

Mui­tos lem­brar-se-ão do scre­en­sa­ver do Win­dows nos anos 90: uma si­len­ci­o­sa e len­ta su­ces­são de ja­ne­las ( jus­ta­men­te) de co­res gar­ri­das mas me­lan­có­li­cas (he­ran­ça e nos­tal­gia dos eigh­ti­es.), com o cos­mos, es­cu­rís­si­mo, mis­te­ri­o­sís­si­mo, em fun­do. E nós ali, à de­ri­va, a fic­ção ci­en­tí­fi­ca das sa­las de ci­ne­ma a pas­sar pa­ra o ecrã do­més­ti­co. Win­dows, can­ção ins­cri­ta em Boo Boo, o no­vís­si­mo ál­bum de To­ro y Moi, ajus­ta-se, na per­fei­ção, a es­sa am­bi­ên­cia si­de­ral do scre­en­sa­ver de Bill Ga­tes, tam­bém ele (ál­bum) uma ja­ne­la que se vai cons­tan­te­men­te des­do­bran­do em mui­tas ou­tras (me­ló­di­cas, es­té­ti­cas, at­mos­fé­ri­cas), le­van­do o ou­vin­te a ro­do­pi­ar mui­to len­ta­men­te, qual me­te­o­ri­to, num cos­mos de gra­vi­da­de ze­ro (” I’m just a sa­tel­li­te, I be­en zo­ning out”, ou­ve-se- lhe em You and I). Mas a vi­a­gem es­pa­ci­al de To­ro y Moi faz-se, ao con­trá­rio do que fre­quen­te­men­te es­tá in­cul­ca­do no ima­gi­ná­rio po­pu­lar, não em di­rec­ção ao “fu­tu­ro”, mas ao pas­sa­do — aos anos 90 (os do Win­dows, jus­ta­men­te), sim, mas tam­bém (e so­bre­tu­do) às at­mos­fe­ras ca­rac­te­rís­ti­cas da synth-pop que, à bo­leia da new wa­ve, mar­cou os anos 70 e 80, com a par­ti­cu­la­ri­da­de de os pa­drões rít­mi­cos do rock e do pós-punk se­rem aqui tro­ca­dos por ba­ti­das lân­gui­das, es­pa­ça­das, mais de­ve­do­ras do down­tem­po e da­qui­lo que con­ven­ci­o­nal­men­te se pas­sou a cha­mar, nos fi­nais da pri­mei­ra dé­ca­da dos anos 2000, de chillwa­ve. Em­bo­ra, ver­da­de se­ja di­ta, Chaz (de Chaz Bun­dick), cu­jo pri­mei­ro lan­ça­men­to da­ta de 2009 ( Bles­sa), nunca te­nha saí­do daí, do pas­sa­do — ou, se qui­ser­mos, do “fu­tu­ro”. Que­re­mos di­zer: da ideia-de-fu­tu­ro que se pro­jec­ta­va nes­sas dé­ca­das (60/70/80) pe­ran­te uma no­va for­ma (a elec­tró­ni­ca) de fa­zer e com­por mú­si­ca e as po­ten­ci­a­li­da­des so­no­ras daí ad­vin­das, cons­ti­tuin­tes, na ver­da­de, de to­do um no­vo mun­do — “Cho­que do Fu­tu­ro!” ( Fu­tu­re Shock), ex­cla­ma­va o ál­bum de 1983 de Her­bie Han­cock, jus­ta­men­te uma experiência em que a elec­tró­ni­ca era fac­tor de no­vi­da­de (e de es­tra­nhe­za) no tri­lhar de no­vos ca­mi­nhos no funk, no hip-hop e, so­bre­tu­do, no cru­za­men­to dos dois. Cho­que só­ni­co que ia la­do a la­do com o cho­que tec­no­ló­gi­co e, por con­sequên­cia, cul­tu­ral da épo­ca, tão pro­pi­ci­a­dor de bem-es­tar co­mo de in­cer­te­za e, até, de an­gús­tia: ”Wel­co­me to the 80’s, y’all / The land of te­ch­no­logy, you and me / What el­se is cram­med in he­re? / Sur­vi­ving in the 80’s”, can­ta­va al­guém co­mo An­dré Cy­mo­ne (em tem­pos bai­xis­ta de Prin­ce) no seu ál­bum Sur­vi­vin’ In The 80’s, edi­ta­do no mes­mo ano do de Han­cock — e no qual se ins­cre­ve tam­bém uma fai­xa de es­cla­re­ce­dor tí­tu­lo Don’t Let The Fu­tu­re (Co­me Down On You). Chaz, bem mais no­va­to do que es­ta gen­te to­da, não ali­men­ta an­gús­ti­as nes­se cam­po, e es­se “pas­sa­do-fu­tu­ro”, além de sen­sa­ção nos­tál­gi­ca (es­cre­ve qua­se sem­pre com re­fe­rên­cia a acon­te­ci­men­tos ou mo­men­tos pas­sa­dos.), é, pa­ra ele, so­bre­tu­do fon­te de prazer e (re)cri­a­ção.

Pe­la mú­si­ca aden­tro

É pro­vá­vel que, es­cu­tan­do es­te dis­co (e al­guns mo­men­tos de ou­tros dis­cos an­te­ri­o­res), o ou­vin­te se ima­gi­ne nu­ma me­lan­có­li­ca e cá­li­da Ca­li­fór­nia a meio sol, al­gu­res en­tre San­ta Cruz, Los An­ge­les, Long Be­a­ch ou San Di­e­go, gran­des ave­ni­das bal­ne­a­res or­na­men­ta­das a pal­mei­ras, pran­chas

Boo Boo, o no­vo ál­bum em que o vir­tu­o­so To­ro y Moi car­re­ga nos sin­te­ti­za­do­res, não é, ao con­trá­rio do que se po­de­ria pen­sar, um re­gres­so ao pas­sa­do — pe­la sim­ples ra­zão de que ele nunca saiu de lá.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.