Ra o co­lo­ni­a­lis­mo, can­tar

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Os Down­town Boys po­di­am es­tar na lis­ta ne­gra — ou nos twe­ets — de Do­nald Trump. Afi­nal, são tu­do aqui­lo que ele odeia. São la­ti­nos, que­er, fe­mi­nis­tas. Lu­tam, sem ti­rar fol­gas, contra o ra­cis­mo, o co­lo­ni­a­lis­mo, o im­pe­ri­a­lis­mo nor­te-ame­ri­ca­no. Cost of Li­ving, o ter­cei­ro e no­vo ál­bum des­te quin­te­to punk re­vo­lu­ci­o­ná­rio de Pro­vi­den­ce, Rho­de Is­land, não dei­xa dú­vi­das quan­to a is­so.

Che­gou es­ta se­ma­na com o se­lo da Sub Pop, his­tó­ri­ca edi­to­ra ame­ri­ca­na. Che­gou na al­tu­ra cer­ta. Ou­vir Cost of Li­ving é ou­vir a Amé­ri­ca de ho­je, que é, na ver­da­de, mui­to mais do que a Amé­ri­ca de Trump. “Nós não ve­mos o Trump e tu­do o que es­tá a acon­te­cer ago­ra co­mo uma do­en­ça; ve­mos co­mo um sin­to­ma de uma do­en­ça que es­tá cá há mui­to”, diz Vic­to­ria Ruiz, vo­ca­lis­ta e le­tris­ta dos Down­town Boys, ao Íp­si­lon. Ou­vir Cost of Li­ving é ou­vir a Amé­ri­ca de ho­je, que é tam­bém a Amé­ri­ca do pas­sa­do — afi­nal, a vi­tó­ria de Do­nald Trump é o de­sen­la­ce ló­gi­co de uma sé­rie de po­lí­ti­cas ne­o­li­be­rais, co­lo­ni­a­lis­tas e se­gre­ga­ci­o­nis­tas com anos e anos de his­tó­ria na­que­le país.

“Se olha­res pa­ra a raiz dos pro­ble­mas, is­to não co­me­çou com a elei­ção de Trump. Já vem de trás — e a per­da de po­der e au­dá­cia do Par­ti­do De­mo­cra­ta con­tri­buiu mui­to pa­ra es­te con­tex­to”, as­si­na­la Vic­to­ria, que, além da ban­da, tra­ba­lha nu­ma cam­pa­nha da or­ga­ni­za­ção Cen­ter for Po­pu­lar De­mo­cracy pe­lo ple­no em­pre­go, com fo­co nas co­mu­ni­da­des la­ti­nas e ne­gras dos Es­ta­dos Uni­dos, na sen­da do tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do por Co­ret­ta Scott King, co-lí­der do Mo­vi­men­to dos Di­rei­tos Ci­vis. “Não bas­ta ago­ra con­ter a do­en­ça, te­mos de a cor­tar pe­la raiz. Não po­de ser me­di­ca­da pe­lo ne­o­li­be­ra­lis­mo, que é o que o Par­ti­do De­mo­cra­ta quer fa­zer. Quem tra­ba­lha no ter­re­no per­ce­be que é pre­ci­so cla­ra­men­te al­go mais co­ra­jo­so, e há uma es­quer­da na Amé­ri­ca que es­tá a tra­ba­lhar ar­du­a­men­te nes­se sen­ti­do.”

E nes­sa lu­ta, no­ta Vic­to­ria, é es­sen­ci­al des­man­te­lar o pri­vi­lé­gio bran­co e as es­tru­tu­ras de po­der que fo­ram sen­do cons­truí­das e man­ti­das à cus­ta da opres­são e in­fe­ri­o­ri­za­ção dos po­vos in­dí­ge­nas, dos ci­da­dãos ame­ri­ca­nos não bran­cos. Nes­te no­vo dis­co, o ata­que dos Down­town Boys vai mais a fun­do. Con­ti­nu­am “a fa­lar so­bre po­der, ca­pi­ta­lis­mo, co­lo­ni­a­lis­mo, pa­tri­ar­ca­do” — tal co­mo em Full Com­mu­nism (2015), dis­co an­te­ri­or que os trou­xe pa­ra a li­nha da frente da mú­si­ca de pro­tes­to fei­ta nos cir­cui­tos mais in­de­pen­den­tes -, mas ago­ra “com mais nu­an­ces”.

Cost of Li­ving é “um do­cu­men­to que re­ve­la mais so­bre co­mo as nos­sas men­tes e os nos­sos cor­pos são mol­da­dos, so­bre­tu­do nos Es­ta­dos Uni­dos, pe­lo co­lo­ni­a­lis­mo e o im­pe­ri­a­lis­mo, por um con­tex­to que es­tá cá an­tes de nós”, ex­pli­ca Vic­to­ria, 30 anos, as­cen­dên­cia me­xi­ca­na. “Te­mos de en­con­trar uma ma­nei­ra de vo­mi­tar to­do o co­lo­ni­a­lis­mo, se­ja atra­vés da mú­si­ca, da lu­ta, da or­ga­ni­za­ção po­lí­ti­ca”, acres­cen­ta. “De­sa­pren­der to­das as coi­sas tó­xi­cas, to­dos os es­te­reó­ti­pos que nos fi­ze­ram odi­ar a nós pró­pri­os, mas per­ce­ben­do que pa­ra is­so te­mos de exis­tir no mun­do. Com res­pon­sa­bi­li­za­ção e com­pai­xão.”

A can­ção So­mos Chu­las (No So­mos Pen­de­jas) é es­se dre­nar de im­pu­re­zas fei­to gri­to de em­po­de­ra­men­to. Rock ve­lo­cis­ta em ca­tar­se, The Clash me­ets Los Cru­dos me­ets Ali­ce Bag, que ar­ra­nha e faz ran­ger os den­tes. As gui­tar­ras de gu­me afi­a­do si­na­li­zam a vis­ce­ra­li­da­de in­ter­pre­ta­ti­va de Vic­to­ria Ruiz, que, em es­pa­nhol e em in­glês, re­cla­ma o seu es­pa­ço, a sua nar­ra­ti­va da his­tó­ria co­mo su­jei­to, não co­mo ‘ou­tro’. “Nos Es­ta­dos Uni­dos, quan­do os não bran­cos têm fi­nal­men­te um lugar à me­sa, as pes­so­as fi­cam con­ten­tes com es­sa di­ver­si­da­de, mas que­rem que se­jas si­len­ci­o­so. Ou ten­tam di­mi­nuir o teu tra­ba­lho. Es­sa can­ção é so­bre is­so: não so­mos es­tú­pi­dos, sa­be­mos o que es­ta­mos a fa­zer, não fi­ca­mos à mar­gem”, es­cla­re­ce a vo­ca­lis­ta. As le­tras são ins­pi­ra­das na mú­si­ca Ain’t Got No, I Got Li­fe, de Ni­na Si­mo­ne. “Ela des­cre­ve to­das as coi­sas que não tem e que, se­gun­do os pa­drões he­ge­mó­ni­cos bran­cos, são ne­ces­sá­ri­os pa­ra ter su­ces­so. Mas de­pois diz tu­do o que tem e que a faz ser quem é. Jo­ga­mos com es­sa ideia.”

Além de Ni­na Si­mo­ne, tam­bém é evo­ca­da nes­te pri­mei­ro ál­bum com se­lo da Sub Pop a ac­ti­vis­ta ne­gra (exi­la­da em Cu­ba) As­sa­ta Sha­kur, que per­ten­ceu às Pan­te­ras Ne­gras e ao Exér­ci­to Ne­gro de Li­ber­ta­ção, des­de os anos 70 na lis­ta dos “ter­ro­ris­tas mais pro­cu­ra­dos” do FBI. “O re­frão de A Wall [“A wall is a wall/ A wall is just a wall/ A wall is a wall/ And nothing mo­re at all”] é ti­ra­do de um po­e­ma que apa­re­ce no iní­cio da au­to­bi­o­gra­fia da As­sa­ta Sha­kur”, in­for­ma Vic­to­ria Ruiz. A Wall, que abre glo­ri­o­sa­men­te o dis­co, é si­mul­ta­ne­a­men­te uma de­nún­cia da me­di­a­ti­za­ção e fe­ti­chi­za­ção dos cor­pos não bran­cos mor­tos pe­la po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na — “não devia ser pre­ci­so es­tar sem­pre a vê-los na te­le­vi­são e na in­ter­net pa­ra per­ce­ber que há vi­o­lên­cia e ra­cis­mo po­li­ci­al” — e uma cus­pi­de­la na ca­ra de Trump, mais pre­ci­sa­men­te nos seus pla­nos em cons­truir um mu­ro na fron­tei­ra en­tre os Es­ta­dos Uni­dos e o Mé­xi­co.

E é tam­bém os Down­town Boys a fa­ze­rem um épi­co punk de es­tá­dio, com ba­te­ria, bai­xo, sa­xo­fo­ne e voz na frente de ata­que, ro­do­pi­a­do por um êx­ta­se à la Bru­ce Springs­te­en, de quem são as­su­mi­dos fãs (em Full Com­mu­nism têm, in­clu­si­ve, uma ver­são de Dan­cing In The Dark).

Rai­va e es­pe­ran­ça

Ape­sar da rai­va, ape­sar das fe­ri­das aber­tas, Cost of Li­ving tem al­go de sal­ví­fi­co. Um pul­sar de es­pe­ran­ça, uma ener­gia aguer­ri­da. A la­va punk de Full Com­mu­nism é aqui re­or­ga­ni­za­da — não con­fun­dir com do­mes­ti­ca­da -, com a voz e as le­tras de Vic­to­ria Ruiz a pas­sa­rem pa­ra pri­mei­ro pla­no. A gui­tar­ra de Jo­ey DeF­ran­ces­co traz lu­mi­no­si­da­de à ur­gên­cia emo­ci­o­nal dos Down­town Boys, co­ad­ju­va­da pe­las li­nhas de bai­xo se­gu­rís­si­mas de Mary Re­ga­la­do. Os te­cla­dos e o sa­xo­fo­ne, me­nos ale­a­tó­rio, me­nos tur­vo, aju­dam a ex­pan­dir o som, a “dei­xar as emo­ções res­pi­ra­rem”, apon­ta Vic­to­ria: ou­ça-se Vi­o­lent Com­pli­city, Lips That Bi­te ou Be­cau­se You.

“Ten­tá­mos tra­zer mui­ta ener­gia e um som que não fos­se fe­cha­do, en­ta­la­do. Acho que fo­mos mui­to in­flu­en­ci­a­dos pe­lo Sun Ra, Ken­drick La­mar, Fu­ga­zi.” Quem pro­du­ziu o dis­co tam­bém sa­bia o que es­ta­va a fa­zer: Guy Pic­ci­ot­to, pe­so pe­sa­do da mú­si­ca in­de­pen­den­te ame­ri­ca­na, dos mí­ti­cos Fu­ga­zi e Ri­tes of Spring. “Foi in­crí­vel. Ele é um óp­ti­mo pro­du­tor e per­ce­beu mui­to bem o que qu­e­ría­mos fa­zer”, con­ta Down­town Boys Cost of Li­ving Sub Pop; Dist. Pops­tock

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.