Quan­do o jazz re­gres­sa a uma ado­les­cên­cia fei­ta de rock

Publico - Ipsilon - - Sumário - Gon­ça­lo Fro­ta

Mais ou me­nos a meio de What Would You Say?, se­gun­do ál­bum dos Spill, sur­ge um tema ins­tru­men­tal em que a gui­tar­ra de An­dré Fer­nan­des não dis­far­ça nem um pou­co a sua fon­te de ins­pi­ra­ção. É tão de­sa­ver­go­nha­da na sua fi­li­a­ção no es­ti­lo de­sem­bes­ta­do dos Qu­e­ens of the Sto­ne Age (QOTSA) que o mú­si­co a bap­ti­zou co­mo Hom­me, nu­ma as­sun­ção inequí­vo­ca da ho­me­na­gem que ali vai acon­te­cen­do en­quan­to se ou­ve, em fun­do, uma al­ga­ra­vi­a­da em ja­po­nês.

“Aqui­lo vem mes­mo da­li, é um riff que po­dia ser do ti­po [ Josh Hom­me, vo­ca­lis­ta e guitarrista dos QOTSA], e por is­so mais va­le as­su­mir o tri­bu­to”, diz An­dré Fer­nan­des ao Íp­si­lon. É o exem­plo mais de­cla­ra­do e con­tun­den­te de um en­tu­si­as­mo a que o guitarrista re­gres­sou gra­ças a al­guns no­mes de proa do rock ac­tu­al, que tan­to po­de to­mar a for­ma da mú­si­ca dos QOTSA quan­to dos De­erho­of e dos Arc­tic Mon­keys. “Vol­tei a ga­nhar um en­tu­si­as­mo qua­se de pu­to por es­sas ban­das”, con­fes­sa.

An­dré Fer­nan­des nun­ca foi um gui- tar­ris­ta de jazz ób­vio. E há mui­to que a sua gui­tar­ra for­ma­da pe­lo jazz não es­con­de nas vol­tas me­ló­di­cas e na ex­plo­ra­ção do som uma in­dis­far­çá­vel mar­ca do rock, dei­xan­do per­ce­ber que to­das as ho­ras de es­tu­do não fo­ram ca­pa­zes de lhe do­mes­ti­car o ner­vo. E ain­da bem, por­que o ins­tru­men­to na tra­di­ção jaz­zís­ti­ca se tor­nou ca­da vez mais ar­ma­di­lha­do, nu­ma re­pe­ti­ção fre­quen­te­men­te de­sin­te­res­san­te de uma lin­gua­gem em que a gui­tar­ra ten­ta fa­zer-se ou­vir co­mo um sa­xo­fo­ne o fa­ria, en­re­dan­do-se em so­lu­ções pou­co ima­gi­na­ti­vas e de­ma­si­a­do da­das ao ona­nis­mo mu­si­cal.

Quan­do se ins­cre­veu no Hot Clu­be, no fi­nal da ado­les­cên­cia, An­dré não ig­no­ra­va que o rock rui­do­so e su­jo que to­ca­va du­as a três ve­zes por se­ma­na no cir­cui­to de ba­res lhe es­ta­va en­tra­nha­do. Era co­mo se a gui­tar­ra nun­ca se li­ber­tas­se do pó e do vis­co que tra­zia das noi­tes alhei­as ao jazz. “Es­tu­da­va que me far­ta­va”, re­cor­da, “mas co­mo ti­nha tan­tas ou­tras re­fe­rên­ci­as e ado­ra­va tan­tos ou­tros ti­pos de mú­si­ca, sa­bia que não me iden­ti­fi­ca­va e que não sen­tia amor por apren­der a to­car be­bop. Em­bo­ra gos- tas­se mui­to da­que­la mú­si­ca, não me era vis­ce­ral.” Daí que as dú­vi­das so­bre o seu fu­tu­ro en­quan­to mú­si­co de jazz lhe che­gas­sem aos ou­vi­dos, en­quan­to ele pró­prio se sen­tia “num lim­bo es­tra­nho, por­que es­ta­va a ten­tar apa­nhar um bo­ca­do de tu­do”. E em­bo­ra in­ves­tis­se a apren­der e co­nhe­cer do aves­so os stan­dards a que a pas­sa­gem pe­lo Hot obri­ga­va, “não pas­sa­va ho­ras a es­tu­dar o Char­lie Par­ker, por­que tam­bém gas­ta­va mui­to tempo a fa­zer as ou­tras ce­nas”.

Não ini­bir es­se pas­sa­do e es­sa “se­gun­da na­tu­re­za” no seu dis­cur­so jaz­zís­ti­co foi o que o sa­fou. “Fe­liz­men­te não hou­ve nin­guém que me ti­ves­se cri­a­do ten­são ou fei­to sen­tir pres­si­o­na­do pa­ra dei­xar is­so de fo­ra”, re­co­nhe­ce. “Te­nho a agra­de­cer ao Má­rio Del­ga­do e ao pes­so­al que, mui­to no iní­cio, te­ve es­sa aber­tu­ra de me di­zer que não ha­via um só ca­mi­nho.” Ain­da assim, An­dré Fer­nan­des atra­ves­sou “uns anos tra­ma­dos” que se es­ten­de­ram à sua frequên­cia da Ber­klee Col­le­ge of Mu­sic, em Bos­ton, an­tes de se dar o cli­que que lhe per­mi­ti­ria che­gar a ál­buns co­mo Cu­bo (2008) com um so­ta­que pes­so­al na

Ao re­cu­pe­ra­rem as re­fe­rên­ci­as que pri­mei­ro lhes co­lo­ca­ram uma gui­tar­ras nas mãos, An­dré Fer­nan­des, Nuno Cos­ta e João Fir­mi­no de­ram uma fol­ga ao jazz pa­ra mon­ta­rem três gru­pos de pop/rock: Spill, Sa­ga Ce­ga e Cas­se­te Pi­ra­ta. Três ban­das a pe­dir jus­ta aten­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.