A ex­po­si­ção dos so­nhos na Gul­ben­ki­an de Pa­ris pa­ra a rentrée

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Cha­ma-se L’Ex­po­si­ti­on D’un Rê­ve, inau­gu­ra a 7 de Ou­tu­bro (in­do até 17 de De­zem­bro) e é a apos­ta ex­po­si­ti­va da de­le­ga­ção de Pa­ris da Fun­da­ção Gul­ben­ki­an pa­ra os pr pró­xi­mos me­ses. O pon­to de par­ti­da foi e en­co­men­dar so­nhos a ar­tis­tas de mú múl­ti­plas con­fluên­ci­as cri­a­ti­vas, en­tre ar­tis­tas vi­su­ais, es­cri­to­res ou ci­ne­as­tas, sen­do de­pois mu­si­ca­dos pe­lo ale­mão F.M. Ei­nheit, co­nhe­ci­do por vá­ri­os tra­ba­lhos a solo e por ter in­te­gra­do vá­ri­as for­ma­ções e pro­jec­tos co­la­bo­ra­ti­vos (dos Eins­tur­zen­de Neu­bau­ten a Di­a­man­da Ga­las). O mú­si­co ame­ri­ca­no Lee Ra­nal­do (So­nic Youth), o ci­ne­as­ta tai­lan­dês Api­chat­pong We­e­ra­setha­kul, o his­tó­ri­co mú­si­co e per­for­mer Ge­ne­sis P-Or­rid­ge (Th­rob­bing Gris­tle), o ar­tis­ta e es­cri­tor in­glês Tim Et­chells, o ar­tis­ta plás­ti­co Ale­xan­dre Es­tre­la ou o ci­ne­as­ta Ga­bri­el Abran­tes, pa­ra além de Su­sie Green, Da­vid Link, P Pierre Pau­lin, Emi­lie Pi­toi­set ouo Su­san Sten­ger, fo­ram os nom no­mes a qu­em fo­ram so­li­ci­ta­dos­so­li­ci­tad os so­nhos. F.M. Ei­nheit compôs a mú­si­ca des­se mes­mos­mesm so­nhos, com ex­cep ex­cep­ção dos es­cri­tos por Lee Ra­nal­doRa e Ge­ne­sis P-Or­rid­ge,P-Or­rid­ge que op­ta­ram por cri­ar as su­as pró­pri­as mú­si­cas-so­nhos.mú­si­casO so­nho, en­quan­to ma­ni­fes­ta­ção de d de­se­jos e medos, veí­cu­lo de vo­zes do in­cons­ci­ent in­cons­ci­en­te, mas tam­bém co­moc fer­ra­men­ta­fer­ra­men de cri­a­ção e ele­men ele­men­to cons­ti­tui­ti­vo­cons­tit de mi­to­lo­gi­as­mi­to­lo se­rá o fio con­du­tor­cond de uma ex­po ex­po­si­ção son so­no­ra que con con­ta­rá co com uma O mú­si­co Lee Ra­nal­do (fo­to), o ci­ne­as­ta Api­chat­pong We­e­ra­setha­kul, o per­for­mer Ge­ne­sis P-Or­rid­ge, o es­cri­tor Tim Et­chells, o ar­tis­ta plás­ti­co Ale­xan­dre Es­tre­la ou o ci­ne­as­ta Ga­bri­el Abran­tes são al­guns dos ar­tis­tas a qu­em fo­ram en­co­men­da­dos so­nhos es­pé­cie de per­cur­so que obe­de­ce­rá a man­da­las (di­a­gra­mas sim­bó­li­cos) con­ce­bi­das por vá­ri­os ou­tros ar­tis­tas (Philippe De­crau­zat, My­ri­am Gour­fink, Oli­vi­er Mos­set e Edu­ar­do Ter­ra­zas), re­sul­tan­do daí aqui­lo que o cu­ra­dor Mathi­eu Co­pe­land cha­ma de po­li­fo­nia, con­ce­bi­da por um “au­tor-múl­ti­plo”, ex­plo­ran­do as di­fe­ren­tes di­men­sões da ima­te­ri­a­li­da­de da ex­po­si­ção. A ex­po­si­ção foi pen­sa­da no Jar­dim Gul­ben­ki­an em Lisboa — que emol­du­ra ho­je em dia o edi­fí­cio on­de, di­ga­mos as­sim, o so­nho de Ca­lous­te Gul­ben­ki­an se con­cre­ti­za di­a­ri­a­men­te — ten­do F.M. Ei­nheit gra­va­do no edi­fí­cio da Fun­da­ção e no jar­dim, com a con­tri­bui­ção de inú­me­ros mú­si­cos e tam­bém do co­ro Gul­ben­ki­an. Nes­se sen­ti­do, se­gun­do Mathi­eu Co­pe­land, pro­põe-se um diá­lo­go. De um lado o so­nho e a ima­te­ri­a­li­da­de de uma mos­tra e do ou­tro a ma­te­ri­a­li­da­de con­cre­ta de uma ins­ti­tui­ção, com a ar­qui­tec­tu­ra ou o jar­dim, a in­for­ma­rem a ex­po­si­ção e em re­tor­no a ex­po­si­ção a usar a ins­ti­tui­ção. Vítor Be­lan­ci­a­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.