O di­a­bo está nos de­ta­lhes

Publico - Ipsilon - - Sumário - Má­rio Lopes

Vil­lains é o ál­bum em que a vi­da dos Que­ens Of The Sto­ne Age vol­tou a ser o que sem­pre fo­ra. Rock’n’roll à an­ti­ga, sem so­ar ve­lho ou da­ta­do, mar­ca­do pe­la pre­sen­ça de Mark Ron­son e pe­la som­bra tu­te­lar de Iggy Pop.

Li­ke Clockwork foi o pri­mei­ro ál­bum do res­to da vi­da de­les. Foi o dis­co gra­va­do de­pois de Josh Hom­me ter en­tra­do nu­ma sa­la de operações pa­ra uma sim­ples ci­rur­gia ao jo­e­lho e aca­bar de­cla­ra­do mor­to cli­ni­ca­men­te por al­guns se­gun­dos. So­bre­vi­veu, mas pas­sou me­ses amar­ra­do a uma cama. Pi­or que is­so, sen­tiu que a mú­si­ca não só não era o cen­tro da sua vi­da co­mo po­dia até ser-lhe pre­ju­di­ci­al. Ele que­ria an­dar a re­bo­lar na rel­va com os fi­lhos, que­ria ca­mi­nhar sob o sol sem pen­sar em na­da mais que no pra­zer de es­tar vi­vo e ver as cri­an­ças cres­ce­rem sem pre­o­cu­pa­ções. “Foi a pri­mei­ra vez que sen­ti que a mú­si­ca me trans­for­ma­ria em al­go que não que­ria ser”, di­zia ao Íp­si­lon em 2013.

Vil­lains, qua­tro anos de­pois, é o ál­bum em que a vi­da de­les vol­tou a ser o que sem­pre fo­ra — e Josh Hom­me tra­tou de afas­tar lo­go o ele­fan­te no meio da sa­la no tex­to de apre­sen­ta­ção da no­va edi­ção: “O tí­tu­lo Vil­lains não é uma afir­ma­ção po­lí­ti­ca. Não tem na­da a ver com Trump nem ne­nhu­ma des­sas mer­das. É sim­ples­men­te 1) uma pa­la­vra que soa fan­tás­ti­ca e 2) um comentário às três ver­sões de qual­quer ce­ná­rio: o teu, o meu e o que acon­te­ceu ver­da­dei­ra­men­te.”.

“A nos­sa abor­da­gem tem si­do, e sem­pre se­rá, ten­tar­mos ser o re­fle­xo mais per­fei­to do que so­mos num mo­men­to pre­ci­so. To­da a gen­te mu­da cons­tan­te­men­te ao lon­go da vi­da. Nós mu­da­mos, os nos­sos fãs es­tão a mu­dar”, diz De­an Fer­ti­ta, gui­tar­ris­ta com dez anos de vi­da Que­ens Of The Sto­ne Age em ci­ma (tam­bém per­ten­ce aos De­ad We­ather de Jack Whi­te e Alis­son Mos­shart). “Ba­si­ca­men­te, [ Vil­lains] é uma re­ac­ção ao ál­bum an­te­ri­or e a tu­do o que vi­ve­mos en­tre es­sa al­tu­ra e ago­ra, co­mo fa­zer um ál­bum com Iggy Pop. Sen­ti­mo-nos re­vi­go­ra­dos e de­ter­mi­na­dos a cor­rer al­guns ris­cos” — di-lo e pen­sa­mos que es­ta­rá a re­fe­rir-se, por exem­plo, ao fac­to de te­rem es­co­lhi­do co­mo pro­du­tor Mark Ron­son, co­nhe­ci­do pe­lo tra­ba­lho com Ade­le, Amy Wi­nehou­se ou Bru­no Mars, mes­tre da no­va soul de sa­bor vin­ta­ge e do funk sin­té­ti­co que não as­so­ci­a­ría­mos ime­di­a­ta­men­te aos Que­ens Of The Sto­ne Age. Pen­sa­mos nis­to en­quan­to De­an Fer­ti­ta faz uma pe­que­na pau­sa no ra­ci­o­cí­nio. In­ter­rom­pe-a pa­ra di­zer: “Não te­mos na­da a per­der”. É ver­da­de, não têm.

Os Que­ens Of The Sto­ne Age já an­dam por cá há mui­to (são 20 anos bem con­ta­dos). Fo­ram no­me de­sa­li­nha­do, mas de­fi­ni­ti­va­men­te pre­sen­te no tal “re­nas­ci­men­to” do rock’n’roll na al­vo­ra­da do sé­cu­lo XXI. Vi­ram-no anun­ci­a­do em pa­ran­go­nas e vi­ram-no es­mo­re­cer. Tor­na­ram-se fe­nó­me­no com Songs From the De­af e com o sin­gle No one knows, so­bre­vi­ve­ram (mais ou me­nos) in­có­lu­mes à his­te­ria do su­ces­so e às (mais ou me­nos) do­lo­ro­sas mu­dan­ças de for­ma­ção, mas não per­de­ram tem­po a olhar pa­ra trás. Ou me­lhor, o seu vo­ca­lis­ta, gui­tar­ris­ta e com­po­si­tor, o fun­da­dor e al­ma da ban­da, não per­deu tem­po a olhar pa­ra trás — quan­do per­gun­ta­mos a De­an Fer­ti­ta o que ca­rac­te­ri­za os Que­ens of The Sto­ne Age, o que se man­tém imu­tá­vel ao lon­go dos anos, dos ál­buns, dos mú­si­cos que che­ga­ram e par­ti­ram, a res­pos­ta é a mais fá­cil, mas tam­bém a mais jus­ta: “Josh. Ele é o que está cá há 20 anos. A ban­da é a sua vi­são e de­di­ca­ção”. Mas, en­tre os ta­len­tos de Hom­me es­ta­rá tam­bém a es­co­lha dos mú­si­cos que vêm fa­zen­do par­te da co­mu­ni­da­de Que­ens Of The Sto­ne Age. Mú­si­cos co­mo Fer­ti­ta, que par­ti­lham com o lí­der a cren­ça de que o rock’n’roll é al­go que, em vez de per­se­gui­do, se re­ve­la pe­ran­te a ban­da: “Te­mos que con­fi­ar [no ins­tin­to]. Se ten­tar­mos ser de­ma­si­a­do cons­ci­en­tes em re­la­ção ao que es­ta­mos a fa­zer, des­car­ri­la­mos. Te­mos que dei­xar as coi­sas acon­te­ce­rem a mú­si­ca di­ta­rá o que quer ser. Nós não de­ve­mos me­ter­nos no ca­mi­nho”.

.Li­ke Clockwork, in­de­pen­den­te­men­te da opi­nião em re­la­ção ao re­sul­ta­do fi­nal (a nos­sa foi bas­tan­te fa­vo­rá­vel), foi o ál­bum em que os Que­ens Of The Sto­ne alar­ga­ram co­mo nun­ca an­tes o uni­ver­so da sua mú­si­ca — de­ram-se a ar­re­me­dos de spa­ce-rock, ar­ris­ca­ram ne­gras ba­la­das gui­a­das por pi­a­no. Vil­lains não se­gue o mes­mo ru­mo, mas são per­cep­tí­veis as mar­cas que a ex­pe­ri­ên­cia an­te­ri­or dei­xou. Tal é vi­sí­vel no cui­da­do pos­to no som ge­ral, na for- Os Que­ens Of The Sto­ne Age já an­dam por cá há mui­to (são 20 anos). Fo­ram no­me de­sa­li­nha­do, mas de­fi­ni­ti­va­men­te pre­sen­te no tal “re­nas­ci­men­to” do rock’n’roll na al­vo­ra­da do sé­cu­lo XXI Al­gu­mas das can­ções de Vil­lains já exis­ti­am há al­gum tem­po, em ras­cu­nho ou nou­tro for­ma­to, mas ne­nhu­ma es­ta­va com­ple­ta quan­do os Que­ens Of The Sto­ne en­tra­ram em es­tú­dio. “Hou­ve mui­ta es­pon­ta­nei­da­de na com­po­si­ção e nos ar­ran­jos”, re­fe­re De­an Fer­ti­ta. “Pro­cu­rá­mos cons­tan­te­men­te no­vas for­mas de nos ins­pi­rar­mos, por­que po­de­mos pe­gar nu­ma mes­ma can­ção e to­cá-la de mil for­mas di­fe­ren­tes, con­se­guin­do igual nú­me­ro de res­pos­tas emo­ci­o­nais. A mu­dan­ça mais sub­til pode ser de­ter­mi­nan­te”. Pa­ra as sub­ti­le­zas es­sen­ci­ais ti­ve­ram a seu lado Mark Ron­son. Fer­ti­ta des­faz-se em elo­gi­os. “Foi um gran­de au­xí­lio pa­ra che­gar­mos àqui­lo que é o som do dis­co. O mun­do de­le é com­pre­en­der o som nas su­as múl­ti­plas di­men­sões. Ao mes­mo tem­po, é um ti­po do rock’n’roll e é um fã dos Que­ens Of The Sto­ne Age”. A em­pa­tia foi ime­di­a­ta. “Que­ria que os Que­ens Of The Sto­ne Age fos­sem os Que­ens Of The Sto­ne Age e pro­cu­rou a me­lhor ver­são de nós pró­pri­os. Foi mui­to fá­cil con­fi­ar ne­le. Po­de­mos não re­co­nhe­cer a sua in­ter­ven­ção à pri­mei­ra au­di­ção, mas ele foi ver­da­dei­ra­men­te ‘o di­a­bo nos de­ta­lhes’”.

Te­mos, por­tan­to, que Vil­lains são os Que­ens Of The Sto­ne Age, sem sur­pre­sas, a se­rem os Que­ens Of The

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.