Ou­ve mú­si­ca in­di­ges­ta? Pa­re e to­me Chá de Bol­do

Publico - Ipsilon - - Sumário - Nu­no Pa­che­co

Com ca­tor­ze ele­men­tos e qu­a­tro dis­cos gra­va­dos, o úl­ti­mo dos quais re­cém-lan­ça­do, a bra­si­lei­ra Tru­pe Chá de Bol­do soa com a fres­cu­ra de uns Mu­tan­tes do sé­cu­lo XXI.

Se não ou­vi­ram fa­lar nes­te no­me, fi­xem-no: Tru­pe Chá de Bol­do. Na mú­si­ca que se faz ac­tu­al­men­te no Bra­sil, eles dis­tin­guem-se pe­la cla­re­za e pe­lo ar­ro­jo. Têm on­ze anos de exis­tên­cia (em São Pau­lo), qu­a­tro dis­cos gra­va­dos e são ca­tor­ze ele­men­tos que, en­tre eles, fa­zem tu­do: to­cam, can­tam, gra­vam, fo­to­gra­fam, de­se­nham, pro­du­zem, pro­mo­vem. Ou­tra coi­sa: não têm lí­der e ga­bam-se da sua exis­tên­cia de­mo­crá­ti­ca, em que, ha­ven­do que­re­las ir­re­so­lú­veis por dis­cus­são, se vai a vo­tos. “Co­me­çou co­mo uma reu­nião de ami­gos, sem ideia de fa­zer um pro­jec­to pro­fis­si­o­nal de mú­si­ca. Era um gru­po que saiu do co­lé­gio, do en­si­no mé­dio, aos 14 anos.” Quem o diz é Mar­cos Fer­raz, sa­xo­fo­nis­ta e tam­bém as­ses­sor de im­pren­sa do gru­po, ac­tu­al­men­te a vi­ver em Lis­boa.

Mar­cos tem 31 anos e os res­tan­tes mem­bros da Tru­pe tam­bém an­dam na ca­sa dos trin­ta. São eles, por or­dem alfabética: Ci­ça Góes, Cu­ca Fer­rei­ra, Fe­li­pe Bo­te­lho, Fi­li­pe Na­der, Gus­ta­vo Ca­be­lo, Gus­ta­vo Ga­lo, Gu­to No­guei­ra, Ju­lia Va­li­en­go, Lei­la Pe­rei­ra, Mar­cos Fer­raz, Pe­dro Gon­gom, Ra­fa­el Wer­blowsky, Re­mi Cha­tain e To­más Bas­tos. No cur­rí­cu­lo têm qu­a­tro dis­cos: Bár­ba­ro (2010), Na­ve Ma­nha (2012), Pre­sen­te (2015) e Ver­so (2017), es­te re­cém-lan­ça­do. E têm além dis­so par­ti­ci­pa­ção em dois dis­cos de Tom Zé, Tri­bu­nal do Fei­ce­bu­qui ( 2013) e Vi­ra La­ta na Via Lác­tea (2014). “Três mú­si­cas com ar­ran­jo nos­so, gra­va­ção nos­sa, ele só bo­tou a voz. Foi mui­to es­pe­ci­al p’ra gen­te.”

No iní­cio con­ta­va so­bre­tu­do a di­ver­são. “A gen­te fa­zia um som, com­pu­nha uma mú­si­ca, brin­ca­va, mas to­ca­va su­per mal. Até que veio a ideia de fa­zer uma ban­da. Os ami­gos co­me­ça­ram a gos­tar, mar­cá­mos um show­zi­nho aqui, ou­tro ali, veio um monte de gen­te, gostou. Era uma mis­tu­ra de mú­si­cas au­to­rais com Ca­e­ta­no, Chi­co Bu­ar­que, Ita­mar As­sun­ção. Vi­rou um acon­te­ci­men­to, o show da Tru­pe era uma fes­ta. E aí a coi­sa foi fi­can­do mais sé­ria.”

Até que o Stu­dio SP, co­nhe­ci­da ca­sa de es­pec­tá­cu­los de São Pau­lo, os cha­mou. Eles dis­se­ram “Nos­sa Se­nho­ra!” (um pro­jec­to “tão ama­dor” num lu­gar tão pro­fis­si­o­nal) mas se­gui­ram adi­an­te. Fo­ram, to­ca­ram, e vi­e­ram no­vos con­vi­tes. “De re­pen­te a gen­te per­ce­beu que não era mais uma brin­ca­dei­ra. Era tam­bém um gru­po de ami­gos, cla­ro, nun­ca dei­xou de o ser até ho­je, mas co­me­çou a ser coi­sa pro­fis­si­o­nal, com um pro­jec­to, uma ca­ra. To­do o mun­do co­me­çou a es­tu­dar mais mú­si­ca, o que trou­xe uma evo­lu­ção téc­ni­ca e mu­si­cal, e aí a gen­te gra­vou o pri­mei­ro CD, Bár­ba­ro.”

Um som dis­tin­ti­vo

Es­se dis­co, que tal co­mo to­dos os ou­tros es­tá no si­te da ban­da pa­ra down­lo­ad gra­tui­to, era ain­da al­go in­ci­pi­en­te. “É um dis­co um pou­co irregular. Não que se­ja ruim, mas tem mú­si­cas lá do co­me­ci­nho com ou­tras fei­tas um mês an­tes, já mui­to di­fe­ren­tes. Uma mar­chi­nha de car­na­val e um rock. Mas a gen­te Tru­pe Chá de Bol­do

Ver­so

Pre­sen­te

Na­ve Ma­nha Bár­ba­ro Edi­ções de au­tor sem­pre foi um pou­co ecléc­ti­co.” Há dois ví­deo des­te dis­co no You­tu­be, Pi­ra­ta e Bár­ba­ro, que per­mi­tem per­ce­ber o seu cli­ma.

Dois anos de­pois, sur­giu o se­gun­do, Na­ve Ma­nha, com pro­du­ção de Gus­ta­vo Ruiz e bem mais ro­bus­to. Te­ve tam­bém dois ví­de­os, Be­lém Ber­lim e Na gar­ra­fa, e es­te úl­ti­mo te­ve im­pac­to na MTV. O ter­cei­ro, Pre­sen­te, tam­bém pro­du­zi­do por Gus­ta­vo Ruiz, é o mais só­li­do dos três e o mais re­pre­sen­ta­ti­vo da so­no­ri­da­de do gru­po, que tan­to re­me­te pa­ra os sons-sur­pre­sa de uns Mu­tan­tes ac­tu­a­li­za­dos pa­ra o sé­cu­lo XXI, co­mo pa­ra as ex­pe­ri­ên­ci­as co­lec­ti­vas dos No­vos Bai­a­nos, dos PLAP ou até da Or­ques­tra Im­pe­ri­al, mas com um som dis­tin­ti­vo e aber­to à ima­gi­na­ção, ain­da que ecléc­ti­co e hí­bri­do.

“Com a nos­sa ca­ra”

O quar­to dis­co, Ver­so, al­te­rou du­as coi­sas fun­da­men­tais: a pro­du­ção é do gru­po e as can­ções, pe­lo con­trá­rio, são to­das alhei­as. “A gen­te fez dez anos e per­ce­beu que, além de já ser uma ban­da gi­gan­tes­ca, sem­pre tí­nha­mos con­vi­da­do gen­te de fo­ra pa­ra par­ti­ci­par de dis­cos, de shows. E ti­ve­mos a ideia de fa­zer um dis­co só com mú­si­cas de ou­tras pes­so­as com quem a gen­te con­vi­veu. Mas sem­pre re­len­do do ze­ro, não há ne­nhum ar­ran­jo pa­re­ci­do com o ori­gi­nal.” Os ar­ran­jos são sem­pre co­lec­ti­vos, su­bli­nha Mar­cos. Nes­te dis­co tam­bém. “A gen­te não que­ria fa­zer co­vers, não fa­ria o me­nor sen­ti­do, mas ver­sões com a nos­sa ca­ra. Por is­so es­te é um dis­co que a gen­te sen- te tão nos­so quan­to os ou­tros.” Os te­mas são de Al­zi­ra E, An­dré Abu­jam­ra, ar­ru­dA, Ge­ro Ca­mi­lo, Ia­ra Ren­nó, Ju­li­a­no Gau­che, Léo Ca­val­can­ti, Mar­ce­lo Se­gre­to, Ne­gro Léo, Pé­li­co, Pe­ri Pa­ne, Ta­tá Ae­ro­pla­no e Ta­ta Fer­nan­des. Mos­tra­ram de­pois a ca­da um dos au­to­res as can­ções gra­va­das e fi­ze­ram um ví­deo com as re­ac­ções, que vão do go­zo ao es­pan­to. “Dois mi­nu­tos só com as ca­ras de­les ou­vin­do pe­la pri­mei­ra vez as mú­si­cas.”

Ten­do ca­da um dos mem­bros da Tru­pe ocu­pa­ções di­ver­sas, elas são o com­ple­men­to ao que ga­nham com a mú­si­ca. “Nin­guém vi­ve só da Tru­pe, não tem co­mo pa­gar as con­tas só com is­so. Mas, sur­pre­en­den­te­men­te, aju­da bas­tan­te. A gen­te fez, por exem­plo, uma tour­née com o SESC, no co­me­ço do ano. No­ve shows num mês, dois me­ses de sa­lá­rio pa­ra ca­da um. De­pois vem um show nu­ma ca­sa pe­que­na, on­de não se ga­nha na­da, mas há ou­tros de ca­chet mui­to bom. É va­ri­a­do. Da ven­da di­gi­tal, ou de dis­cos, sem­pre en­tra um pou­co. Eles es­tão pa­ra down­lo­ad gra­tui­to, mas há sem­pre quem com­pre.”

Com Pre­sen­te a ser re­lan­ça­do ago­ra em vi­nil e Ver­so em di­gres­são por vá­ri­os pal­cos, a Tru­pe atra­ves­sa um bom mo­men­to. Co­mo se en­ten­dem? Mar­cos ex­pli­ca: “São ca­tor­ze pes­so­as [eram tre­ze] que fun­ci­o­nam nu­ma re­la­ção ho­ri­zon­tal, de­mo­crá­ti­ca, em que nin­guém man­da. E du­ra há já on­ze anos! A gen­te mes­mo se per­gun­ta: co­mo? Por­que tem bri­ga, a gen­te num dia quer se ma­tar e no ou­tro se abra­ça.” Mas não é as­sim a vi­da?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.