“Fi­quei mui­to or­gu­lho­sa de fa­zer par­te des­ta tri­bo”

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Car­mi­nho co-as­si­na dois dos te­mas do no­vo dis­co dos Tri­ba­lis­tas, Tra­ba­li­vre e Os pei­xi­nhos, e can­ta e to­ca num de­les. Um or­gu­lho, diz ela — que os te­ve por re­fe­rên­cia na ju­ven­tu­de. Por Nu­no Pa­che­co

Ela já sa­bia do dia do lan­ça­men­to, mas guar­dou se­gre­do. Tri­ba­lis­mo obli­ge. No Bra­sil hou­ve quem se agas­tas­se por não ter ha­vi­do avi­so pré­vio à im­pren­sa, mas até nis­so os Tri­ba­lis­tas qui­se­ram sur­pre­en­der. A can­to­ra e fa­dis­ta Car­mi­nho, que as­si­na em co-au­to­ria com o gru­po dois dos te­mas do dis­co, diz ao Íp­si­lon: “Eles ti­ve­ram es­sa ideia de o apre­sen­tar ao pú­bli­co pri­vi­le­gi­an­do o on­li­ne e es­con­den­do até ao úl­ti­mo dia co­mo o iam fa­zer. Tam­bém aqui hou­ve no­vi­da­de.”

Da par­te de­la, o con­tac­to com o Bra­sil e com mú­si­cos bra­si­lei­ros já vem de há al­gum tem­po. Em fi­nais de 2016 lan­çou um dis­co in­te­gral­men­te de­di­ca­do a Tom Jo­bim, co­mo co­ro­lá­rio da sua li­ga­ção mu­si­cal ao Bra­sil. Quan­to aos Tri­ba­lis­tas, ela já gra­va­ra com Ma­ri­sa Monte a can­ção Chu­va no Mar, que in­cluiu no seu dis­co Can­to, de 2014 (Ma­ri­sa in­cluiu es­sa mes­ma can­ção na sua co­lec­tâ­nea Co­le­ção, de 2016, que reu­nia te­mas qua­se inéditos e ra­ri­da­des); e par­ti­ci­pa­ra no es­pec­tá­cu­lo que Ar­nal­do An­tu­nes apre­sen­tou no São Luiz, em 12 e 13 de No­vem­bro de 2016, do qual re­sul­tou um CD/ DVD ao vi­vo já edi­ta­do e nas lo­jas por­tu­gue­sas. Can­tou com ele Vi­la­re­jo e Do ven­to e tam­bém o te­ma Ve­lha in­fân­cia, dos Tri­ba­lis­tas, já no fi­nal, com ele e os ou­tros dois con­vi­da­dos, Ma­nu­e­la Aze­ve­do e Hél­der Gon­çal­ves, dos Clã.

“Is­to tem si­do uma ami­za­de que se tem cri­a­do”, diz Car­mi­nho. “Co­me­cei a ir bas­tan­tes ve­zes ao Bra­sil e nal­gu­mas des­sas ve­zes con­vi­da­vam-me sem­pre pa­ra ir lá a ca­sa, es­tar com eles. Eles fun­ci­o­nam mui­to em tri­bo, es­ta­mos sem­pre to­dos jun­tos e fa­ze­mos bas­tan­tes coi­sas. E co­me­çá­mos tam­bém a ti­rar do baú al­gu­mas com­po­si­ções que tí­nha­mos.” Ela mos­trou-lhes uma par­te de uma com­po­si­ção que não es­ta­va ter­mi­na­da, Os pei­xi­nhos, e, com Ma­ri­sa, ali­nha­vou idei­as pa­ra ou­tra, Tra­ba­li­vre. “Eu ti­nha já há al­gum tem­po es­tas pri­mei­ras fra­ses, ‘os pei­xi­nhos são/ flo­res sem o chão’, já com uma mú­si­ca, co­me­çá­mos com uma gui­tar­ra a can­tar e fo­ram sur­gin­do idei­as que não es­ta­vam ain­da com­ple­tas.” De­pois eles fo­ram pa­ra a Bahia, pa­ra ca­sa de Car­li­nhos Brown, con­vi­da­ram-na pa­ra fa­zer par­te des­se en­con­tro, mas ela não pô­de ir. “In­fe­liz­men­te. Por­que foi aí que reu­ni­ram to­das as can­ções e al­gu­mas coi­sas ina­ca­ba­das que ti­nham pa­ra as ter­mi­nar. Eu não sa­bia que iria ser um dis­co dos Tri­ba­lis­tas, sa­bia que eles es­ta­vam a ter­mi­nar as can­ções.” Os pei­xi­nhos ga­nhou vi­da as­sim. “Quan­do eles vi­e­ram da Bahia com aqui­lo fei­to, mos­tra­ram-me e eu achei que es­ta­va es­pec­ta­cu­lar.”

“Mo­men­to ma­ra­vi­lho­so”

Mas não es­pe­ra­va o que se se­guiu. “Fi­quei mui­to sur­pre­en­di­da quan­do a Ma­ri­sa Monte me li­gou a di­zer que as du­as par­ce­ri­as iam en­trar no dis­co e que gos­ta­vam mui­to que eu can­tas­se a dos pei­xi­nhos.” Mas não he­si­tou, pe­ran­te o con­vi­te e ru­mou ao Bra­sil na mes­ma al­tu­ra em que foi fa­zer os con­cer­tos do dis­co de Tom Jo­bim lá. “Foi um mo­men­to ma­ra­vi­lho­so. Eles op­ta­ram por fa­zer ses­sões con­tí­nu­as, dez di­as pa­ra fa­zer os dez te­mas e gra­var os ví­de­os to­dos.”

Tra­ba­li­vre, o ou­tro te­ma, nas­ceu de uma coi­sa em que ela an­da­va a pen­sar na al­tu­ra. “Uma ideia que par­ti­lhei com a Ma­ri­sa Monte, so­bre os can­tos de tra­ba­lho. Exis­tem mui­tos can­tos de tra­ba­lho em Por­tu­gal e foi fei­ta até a cap­ta­ção de mui­tos de­les, nos anos 1970, por Mi­chel Gi­a­co­met­ti; eram uma for­ma de aju­dar o po­vo a tra­ba­lhar e a ga­nhar rit­mo nas su­as ta­re­fas, e is­so era fun­da­men­tal mui­tas ve­zes pa­ra se su­por­tar mui­tas ho­ras a tra­ba­lhar, não só no cam­po mas tam­bém na pes­ca. Fo­mos en­tão à pro­cu­ra des­ses can­tos de tra­ba­lhos tam­bém no Bra­sil, co­mo o dos boi­a­dei­ros, a for­ma co­mo eles tra­ba­lha­vam a voz e fa­zi­am os seus pre­gões, e co­me­çá­mos a cri­ar aque­la pri­mei­ra fra­se (‘um dia mi­nha mãe me dis­se:/ ‘vo­cê já é gran­de, tem que tra­ba­lhar’) co­mo ân­co­ra de tra­ba­lho. Eles com­ple­ta­ram-no de­pois com ou­tros ver­sos na Bahia. Os con­tri­bu­tos sur­gem mui­tas ve­zes as­sim, de­pois as coi­sas ga­nham for­ma.”

Ga­nham for­ma co­mo as ami­za­des, ou a mú­si­ca. “Fi­quei mui­to or­gu­lho­sa de fa­zer par­te des­ta tri­bo”, diz Car­mi­nho ao Íp­si­lon, com sa­tis­fa­ção. “Eles di­zem que eu já sou uma tri­ba­lis­ta e eu rio-me. Por­que os Tri­ba­lis­tas fi­ze­ram par­te do meu uni­ver­so mu­si­cal de ju­ven­tu­de e acom­pa­nha­ram gran­de par­te da mi­nha vi­da. E is­so é mui­to es­pe­ci­al pa­ra mim.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.