O pra­zer da ima­gem

Publico - Ipsilon - - Sumário - Sér­gio B. Go­mes

É um dos acon­te­ci­men­tos do ano na fo­to­gra­fia em Por­tu­gal. Sér­gio Mah abriu as “ga­ve­tas e cai­xi­nhas” que Ân­ge­lo de Sou­sa dei­xou chei­as de fo­to­gra­fi­as e deu mais vi­da a um fa­zer fo­to­grá­fi­co indomável e li­vre. Os oi­to vo­lu­mes de Ca­der­nos de Ima­gens reú­nem as sé­ri­es mais conhecidas e mui­tas fo­to­gra­fi­as iné­di­tas

Ca­der­nos uma­nis­tas, con­si­de­ra­da a pri­mei­ra na obra de Ân­ge­lo de Sou­sa no cam­po da fo­to­gra­fia. São fo­to­gra­fi­as de rua, que o ar­tis­ta cap­tou en­tre 1968 e 1972 da sua ja­ne­la, na Rua da Ale­gria, Por­to, de on­de ten­ta­va “ca­çar o quo­ti­di­a­no”

De tão cir­cuns­tan­ci­al­men­te opor­tu­nos na coin­ci­dên­cia do tem­po de pu­bli­ca­ção (de um) e de inau­gu­ra­ção (de ou­tra), a edi­ção de Ân­ge­lo de Sou­sa — Ca­der­nos de Ima­gens (Tin­ta da Chi­na, co­or­de­na­ção de Sér­gio Mah) e a aber­tu­ra da ex­po­si­ção O Fo­tó­gra­fo Aci­den­tal — Se­ri­a­lis­mo e Ex­pe­ri­men­ta­ção em Por­tu­gal, 1968-1980 (Cul­tur­gest, Lis­boa, cu­ra­do­ria de Del­fim Sar­do, até 3 de Se­tem­bro) po­di­am pas­sar por dois acon­te­ci­men­tos re­la­ci­o­na­dos com fo­to­gra­fia con­ce­bi­dos em com­ple­men­ta­ri­da­de ou em con­luio. Acon­te­ce que não o fo­ram. Quis o aca­so que nas­ces­sem com o in­ter­va­lo de al­gu­mas se­ma­nas. Não são gé­me­os si­a­me­ses, mas ain­da bem que é pos­sí­vel ler e fo­lhe­ar os oi­to ca­der­nos da pri­mei­ra e de­pois pas­se­ar de­mo­ra­da­men­te pe­las sa­las da se­gun­da, ou vi­ce-ver­sa.

Com es­tas du­as ini­ci­a­ti­vas tor­na­se pos­sí­vel de uma as­sen­ta­da re­a­vi­var a in­ten­si­da­de (a ex­pe­ri­men­ta­ção, a ori­gi­na­li­da­de) com que um gru­po de ar­tis­tas por­tu­gue­ses co­me­çou a usar (al­guns ain­da usam, ca­sos de He­le­na Al­mei­da e Jor­ge Mol­der) a fo­to­gra­fia e o fil­me (e/ou o ví­deo). De re­pen­te, é co­mo se se abris­sem as ja­ne­las de par em par de uma sa­la que es­te­ve mui­to tem­po pri­va­da de luz e com os mó­veis co­ber­tos de len­çóis bran­cos em­po­ei­ra­dos.

O en­saio que ser­viu de an­te­câ­ma­ra pa­ra es­ta sa­cu­di­de­la his­to­ri­o­grá­fi­ca foi da­do por Del­fim Sar­do há re­la­ti­va­men­te pou­co tem­po, com Fo­to­gra­fia: Mo­do de Usar (Do­cu­men­ta/No­vo Ban­co, 2015), vo­lu­me on­de há tam­bém con­tri­bu­tos en­saís­ti­cos de Sér­gio Mah e da cu­ra­do­ra, in­ves­ti­ga­do­ra e con­ser­va­do­ra Emí­lia Ta­va­res, obra que for­ne­ce uma ri­ca pa­no­râ­mi­ca dos usos da fo­to­gra­fia (e do fo­to­grá­fi­co) no cam­po das ar­tes vi­su­ais em Por­tu­gal des­de os anos 60 até à con­tem­po­ra­nei­da­de.

Es­ta obra é uma sis­te­ma­ti­za­ção exaus­ti­va e pi­o­nei­ra que tem o mé­ri­to de fa­zer um sem­pre ne­ces­sá­rio “es­ta­do da ar­te” que ser­ve pa­ra nos pôr a olhar pa­ra o es­pe­lho, de nos con­fron­tar com o que foi fei­to, de nos pôr em cau­sa e em con­tex­to. Pe­ran­te a de­mons­tra­ção da ri­que­za de um uni­ver­so cri­a­ti­vo por­tu­guês li­ga­do à fo­to­gra­fia que não es­tá pre­so ao cam­po pu­ra­men­te do­cu­men­tal (e/ou fo­to­jor­na­lís­ti­co) e que olha pa­ra a o fo­to­grá­fi­co co­mo uma plás­ti­ca fun­da­men­tal pa­ra ex­pri­mir e con­cep­tu­a­li­zar o mun­do e a re­a­li­da­de, Fo­to­gra­fia: Mo­do de Usar co­lo­ca-nos tam­bém pe­ran­te a ur­gên­cia de um fa­zer his­to­ri­o­grá­fi­co e en­saís­ti­co mais li­ga­do a es­te cam­po, do qual Ân­ge­lo de Sou­sa ,

O vo­lu­me b é o mais ex­ten­so dos e mos­tra ima­gens da sé­rie

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.