O que fa­zer com a ar­te que tra­zem os cor­pos dos re­fu­gi­a­dos? Do­cu­men­ta

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Des­de a sua cri­a­ção em 1959 que a Do­cu­men­ta — uma das ex­po­si­ções mais re­le­van­tes em to­do o mun­do — pro­cu­ra, a ca­da cin­co anos, mos­trar o mo­do co­mo a ar­te se tem de­sen­vol­vi­do — em ter­mos ma­te­ri­ais, con­cep­tu­ais e teó­ri­cos —, re­ve­lan­do-se, ao mes­mo tem­po, um im­por­tan­te pal­co po­lí­ti­co. Me­lhor di­zen­do: tra­ta-se de uma ex­po­si­ção on­de a ar­ti­cu­la­ção ar­te e po­lí­ti­ca é par­ti­cu­lar­men­te re­le­van­te.

A his­tó­ria das su­as 14 edi­ções é mar­ca­da por for­tes ges­tos po­lí­ti­cos, des­de a cri­a­ção em 1977 da Uni­ver­si­da­de Li­vre In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a Cri­a­ti­vi­da­de e In­ves­ti­ga­ção de Jo­seph Beuys à ma­nei­ra co­mo a cu­ra­do­ra Cathe­ri­ne Da­vid, em 1997, de­sen­vol­veu uma ideia de ex­po­si­ção co­mo ruí­na — na­que­la que foi a úl­ti­ma edi- ção do sé­cu­lo XX —, an­te­ci­pan­do mui­tas das ac­tu­ais dis­cus­sões do co­lo­ni­a­lis­mo e do eu­ro­cen­tris­mo nas nar­ra­ti­vas da his­tó­ria da ar­te, atra­vés da apre­sen­ta­ção de im­por­tan­tes nú­cle­os re­tros­pec­ti­vos de obras de ar­tis­tas co­mo Hé­lio Oi­ti­ci­ca e Ly­gia Pa­pe, sa­li­en­tan­do a re­le­vân­cia dos mo­der­nis­mos do Sul.

Mas a ca­da no­va edi­ção a Do­cu­men­ta rein­ven­ta-se: por exem­plo, Cathe­ri­ne Da­vid cri­ou o pro­gra­ma 100 di­as 100 con­vi­da­dos, on­de to­dos os di­as — tra­di­ci­o­nal­men­te ca­da Do­cu­men­ta du­ra 100 di­as — hou­ve dis­cus­sões com es­cri­to­res co­mo Edward Said ou ar­qui­tec­tos co­mo Rem Ko­oh­la­as. Não há qual­quer con­ti­nui­da­de nos mo­de­los e ac­ti­vi­da­des da ex­po­si­ção, a não ser a sua pró­pria his­tó­ria e a ma­nei­ra co­mo se cru­za com a his­tó­ria da Ale­ma­nha mo­der­na do pós­guer­ra e o mo­do co­mo es­sa é uma par­te im­por­tan­te do de­sen­vol­vi­men- to da ar­te mo­der­na e con­tem­po­râ­nea na Eu­ro­pa. Im­por­ta re­lem­brar que a Do­cu­men­ta é pro­pos­ta por Ar­nold Bo­de em 1955 pa­ra, fi­nal­men­te, mos­trar aos ale­mães a ar­te de­ge­ne­ra­da ( En­tar­te­te Kunst) que os na­zis es­con­de­ram e con­de­na­ram na ex­po­si­ção de 1937 em Mu­ni­que, on­de fo­ram ex­pos­tas cer­ca de cin­co mil obras de ar­te mo­der­nas — fau­vis­tas, cu­bis­tas, da­das, sur­re­a­lis­tas, etc. — com le­gen­das evi­den­ci­an­do o seu po­ten­ci­al per­ni­ci­o­so. Por­tan­to, a Do­cu­men­ta sur­ge co­mo um even­to or­ques­tra­do pe­lo Go­ver­no ale­mão no con­tex­to dos seus es­for­ços de re­cons­tru­ção da so­ci­e­da­de ale­mã no pós-gu­er­ra.

Mas se a ques­tão do po­lí­ti­co tem si­do cen­tral des­de a sua cri­a­ção, a po­lí­ti­ca é nes­ta 14.ª edi­ção o gran­de pro­ta­go­nis­ta. E é-o não num sen­ti­do me­ta­fó­ri­co, mas na me­di­da em que co­lo­ca no seu cen­tro a ac­tu­al cri­se fi­nan­cei­ra, hu­ma­ni­tá­ria e cul­tu­ral e

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.