Em me­mó­ria da troi­ka

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Ín­di­ce Mé­dio de Fe­li­ci­da­de, adap­ta­do de um ro­man­ce de Da­vid Ma­cha­do, é o con­tri­bu­to de Jo­a­quim Leitão pa­ra a “fil­mo­gra­fia da troi­ka”. Luís Mi­guel Oli­vei­ra Ín­di­ce Mé­dio de Fe­li­ci­da­de De Jo­a­quim Leitão Com Di­nar­te de Frei­tas, Di­na Fé­lix Costa, Mar­co D’Al­mei­da, Lia Ga­ma his­tó­ri­as de pes­so­as co­muns de uma clas­se mé­dia co­mum (pas­sa­do o flirt com o pa­có­vio star sys­tem te­le­vi­si­vo que ani­mou um fil­me co­mo Adão & Eva, por exem­plo), que te­mos en­con­tra­do nos seus úl­ti­mos fil­mes — com a van­ta­gem de não se de­sin­te­grar co­mo Quar­ta Di­vi­são (que co­me­ça­va co­mo um fil­me so­bre o tra­ba­lho nu­ma es­qua­dra de po­lí­cia e aca­ba­va num gro­tes­co pe­sa­de­lo pe­dó­fi­lo) e de ter um ar­gu­men­to mais so­fis­ti­ca­do do que A Es­pe­ran­ça Es­tá On­de Me­nos se Es­pe­ra ou Sei Lá, com um uso con­sis­ten­te da voz off e uma es­tru­tu­ra nar­ra­ti­va que en­saia uma cro­no­lo­gia não to­tal­men­te li­ne­ar, com elip­ses, flash­backs, não di­tos (e “não mos­tra­dos”, co­mo a per­so­na­gem au­sen­te de Al­modô­var), en­ca­de­a­dos de for­ma há­bil (po­de-se no­tar que o ar­gu­men­tis­ta Ti­a­go R. Santos já tra­ba­lha­ra a fu­ga à li­ne­a­ri­da­de cro­no­ló­gi­ca no úl­ti­mo fil­me de An­tó­nio Pe­dro Vas­con­ce­los, Amor Im­pos­sí­vel).

O re­sul­ta­do é mui­to pro­fis­si­o­nal e mui­to dig­no, os ac­to­res es­tão cer­tos (so­bre­tu­do Mar­co D’Al­mei­da, nu­ma es­pé­cie de fe­ro­ci­da­de de bom co­ra­ção, e a par­ti­ci­pa­ção es­pe­ci­al de Lia Ga­ma, lá pa­ra o fi­nal, com um à-von­ta­de que “rou­ba” qua­se to­das as ce­nas em que en­tra), e na­da aqui se con­fun­de com o opor­tu­nis­mo ile­tra­do que tem ca­rac­te­ri­za­do al­gum “ci­ne­ma” por­tu­guês re­cen­te fei­to com os olhos no es­tou­ro das bi­lhe­tei­ras. Fei­ta es­ta res­sal­va, ca­be di­zer tam­bém que, co­mo qua­se to­dos os fil­mes de Jo­a­quim Leitão, dei­xa tam­bém um tra­vo a frus­tra­ção. A frus­tra­ção de ver um ci­ne­as­ta ta­len­to­so a es­co­lher a via de um pro­fis­si­o­na­lis­mo com­pe­ten­te mas apa­ga­do, num con­for­mis­mo de cur­to al­can­ce (en­fim: não pe­día­mos pla­nos-sequên­cia de dez mi­nu­tos com gru­as e ste­ady­cams, ape­nas um pou­co de um go­zo e de uma exu­be­rân­cia es­ti­lís­ti­ca mais vi­sí­veis) que não pa­re­ce al­me­jar mais do que uma “nor­ma”, que é a “nor­ma” da fic­ção te­le­vi­si­va e dos seus có­di­gos de “re­a­lis­mo”. Que Ín­di­ce Mé­dio de Fe­li­ci­da­de — is­so no­ta-se na ilu­mi­na­ção, na pla­ni­fi­ca­ção, no em­pre­go da mú­si­ca, no pró­prio es­tar de al­guns ac­to­res na mai­or par­te das ce­nas, ou da mai­or par­te dos ac­to­res nal­gu­mas ce­nas — se pa­re­ça tan­to com um su­per-te­le­fil­me é a sua pe­cha mai­or, e a mai­or frus­tra­ção de quem o vê. São mui­tos aque­les que con­si­de­ram Stop Ma­king Sen­se o me­lhor fil­me­con­cer­to ja­mais re­a­li­za­do — e es­cla­re­ça-se des­de já que não va­mos ser nós a con­tra­ri­ar es­sa opi­nião. Fi­nal­men­te che­ga­do ao cir­cui­to co­mer­ci­al por­tu­guês, mais de 30 anos de­pois da sua es­treia ori­gi­nal, Stop Ma­king Sen­se man­tém in­tac­to o “es­ta­do de gra­ça” com que, em 1984, re­gis­tou em fil­me o zé­ni­te de uma ban­da em pi­co de for­ma. A pro­du­ção de pal­co, fil­ma­da du­ran­te a di­gres­são do ál­bum de 1983 Spe­a­king in Ton­gues, via a an­gu­la­ri­da­de ce­re­bral de um gru­po for­ja­do no ca­di­nho da New Wa­ve no­va-ior­qui­na ren­der-se ao aban­do­no sen­su­al e cor­po­ral da dan­ça, da soul, da funk.

Co­me­çan­do com o es­pan­to­so so­lo de Psy­cho Kil­ler pa­ra Da­vid Byr­ne (vi­o­la acús­ti­ca e ti­jo­lo com rit­mo pré-gra­va­do), com o pal­co a ga­nhar len­ta­men­te for­ma por trás do vo­ca­lis­ta en­quan­to mú­si­cos, es­tra­dos, ins­tru­men­tos e mi­cro­fo­nes pre­en­chem aos pou­cos o es­pa­ço, Stop Ma­king Sen­se tor­na­se nu­ma es­pé­cie de ri­tu­al tri­bal on­de men­te e cor­po se fun­dem len­ta­men­te num úni­co to­do, com a fi­gu­ra de­sar­ti­cu­la­da de Byr­ne co­mo fo­co pú­bli­co des­sa con­ver­são qua­se es­pi­ri­tu­al ao de­lí­rio car­nal da dan­ça e do rit­mo. É qua­se co­mo se es­ti­vés­se­mos a as­sis­tir a um ser­mão on­de as pa­la­vras são subs­ti­tuí­das pe­los rit­mos e pe­los pas­sos — e se Byr­ne é o re­ve­ren­do xa­mâ­ni­co que nos con­ver­te ao po­der da mú­si­ca, a câ­ma­ra do re­cém-fa­le­ci­do Jo­nathan Dem­me é a tes­te­mu­nha ple­na des­sa con­ver­são.

Nun­ca in­tru­si­vo mas nun­ca dis­tan­te, Dem­me re­gis­ta es­se ri­tu­al com uma en­tre­ga dis­cre­ta, em ta­kes lon­gos que re­cu­sam a es­té­ti­ca sin­co­pa­da do te­le­dis­co pa­ra cap­tu­ra­rem a pre­sen­ça em pal­co de uma ban­da — de um co­lec­ti­vo que con­tri­bui co­mo um to­do. Há, é cer­to, uma iro­nia no fac­to de Stop Ma­king Sen­se fil­mar uma ban­da cu­jo “es­ta­do de gra­ça” trans­por­ta­va já em si as pró­pri­as se­men­tes da sua gra­du­al de­sin­te­gra­ção — o mo­vi­men­to de Byr­ne pa­ra o cen­tro do pal­co não ape­nas co­mo vo­ca­lis­ta do gru­po mas tam­bém co­mo cri­a­dor e con­cep­tu­a­li­za­dor do con­cer­to e, pro­gres­si­va­men­te, fi­gu­ra cen­tral da ce­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.