O se­xo, es­sa coi­sa ob­so­le­ta

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Na gu­er­ra dos ho­mos­se­xu­ais pe­lo re­co­nhe­ci­men­to, de on­de a se­xu­a­li­da­de emer­ge co­mo um pro­ble­ma po­lí­ti­co, uma das pa­la­vras de or­dem que per­du­ram é aque­la que já nos fi­nais do sé­cu­lo pas­sa­do foi am­pli­fi­ca­da nas ru­as de al­gu­mas ci­da­des nor­te-ame­ri­ca­nas: “We’re que­er, we’re he­re, so get fuc­kin’ used to it” (tra­du­ção li­vre e mui­to pu­ri­ta­na: “So­mos bi­chas, aqui es­ta­mos, vão ter que se ha­bi­tu­ar”). De ma­nei­ra mui­to mais mo­de­ra­da, mas ain­da as­sim pro­vo­can­do atri­tos pú­bli­cos, es­ta fra­se co­me­çou há pou­co tem­po a ser de­cli­na­da em Por­tu­gal. De­ve­mos per­ce­ber que ela não tem ape­nas o seu sig­ni­fi­ca­do li­te­ral: sig­ni­fi­ca tam­bém que a se­xu­a­li­da­de só po­de cri­ar uma iden­ti­da­de co­lec­ti­va e in­di­vi­du­al quan­do lhe é con­fe­ri­do um sen­ti­do pa­ra is­so, quan­do se acre­di­ta que é pos­sí­vel dar­lhe um sen­ti­do que ex­ce­de qual­quer des­cri­ção ci­en­tí­fi­ca e res­pei­tan­te ao com­por­ta­men­to. O ide­al de uma ho­mos­se­xu­a­li­da­de com­ple­ta­men­te des­po­li­ti­za­da e si­len­ci­o­sa, sub­traí­da às guer­ras do re­co­nhe­ci­men­to, é a mais pro­fun­da as­pi­ra­ção dos de­fen­so­res de uma or­dem an­ti­ga que se dis­far­ça com rou­pa­gens mo­der­nas. De­ve­mos per­ce­ber que es­sa des­po­li­ti­za­ção che­gou a to­das as for­mas de se­xu­a­li­da­de e pro­du­ziu uma se­xu­a­li­da­de bran­ca, is­to é, uma ba­na­li­za­ção emi­nen­te do se­xo. Es­sa ba­na­li­za­ção não se me­de pe­las prá­ti­cas nem por um cri­té­rio con­ta­bi­lís­ti­co, mas pe­las re­pre­sen­ta­ções no es­pa­ço pú­bli­co, pe­lo flu­xo de ima­gens e pa­la­vras a que dá ori­gem. Tal­vez per­ce­ba­mos me­lhor o que se pas­sa se pres­tar­mos aten­ção a um de­sa­pa­re­ci­men­to no­tá­vel: o de­sa­pa­re­ci­men­to do “de­se­jo”. Não do im­pul­so e da for­ça com es­se no­me (ou, pe­lo me­nos, não com­ple­ta­men­te), mas da pa­la­vra que os de­sig­na. Es­ta foi uma pa­la­vra-ma­ná na li­te­ra­tu­ra e na te­o­ria que flo­res­ce­ram de­pois do Maio de 68. O de­se­jo es­ta­va por to­do o la­do, era um in­ves­ti­men­to co­lec­ti­vo, uma pan­de­mia. Não se fa­la­va de ou­tra coi­sa: da lí­ri­ca pro­ven­çal a Mar­gue­ri­te Du­ras, o de­se­jo era o mo­tor que mo­via a pa­la­vra li­te­rá­ria e ga­ran­tia que ela ti­nha uma for­ça que não po­dia ser co­di­fi­ca­da. Quem ler mui­tos dos es­tu­dos li­te­rá­ri­os des­sa épo­ca se­rá le­va­do a per­gun­tar: “Mas aque­la gen­te não pen­sa­va nou­tra coi­sa?”. Foi aliás nes­te con­tex­to que De­leu­ze e Gu­at­ta­ri cri­a­ram o fa­mo­so con­cei­to de “má­qui­nas de­se­jan­tes” (por si­nal, num li­vro cha­ma­do O An­ti-Édi­po) que ali­men­tou a mais fe­cun­da ima­gi­na­ção teó­ri­ca de uma ge­ra­ção que ti­nha co­me­ça­do a subs­ti­tuir a re­vo­lu­ção pe­lo de­se­jo, con­des­cen­den­do às ve­zes num flá­ci­do “de­se­jo de re­vo­lu­ção” — um es­ta­do em que nun­ca che­ga ao mo­men­to de sa­tis­fa­ção. Co­mo sa­be­mos, tu­do is­to aca­bou num enor­me de­sen­can­to e nu­ma pro­fun­da “cri­se do de­se­jo”, di­ag­nos­ti­ca­da com to­do o ri­gor e se­ri­e­da­de, mas que ho­je já nem con­se­gui­mos vis­lum­brar o que é. O que po­de­mos ho­je per­ce­ber é que o se­xo se tor­nou uma coi­sa com­ple­ta­men­te ob­so­le­ta. Tão ob­so­le­ta co­mo a al­ma. Ele já não é a fon­te dos flu­xos de de­se­jo, e até a reprodução se cum­pre por mei­os com­ple­ta­men­te ar­ti­fi­ci­ais, sem vín­cu­los com a se­xu­a­li­da­de. Um ilus­tre re­pre­sen­tan­te des­tes tem­pos do se­xo ob­so­le­to é o Cris­ti­a­no Ro­nal­do: não por ter es­co­lhi­do a pro­cri­a­ção as­se­xu­a­da (ou, pe­lo me­nos, não ex­clu­si­va­men­te por cau­sa dis­so), mas por­que fez do seu cor­po uma for­ta­le­za en­cer­ra­da em si mes­ma, sem por­tas nem ja­ne­las, co­mo uma mó­na­da. Por ali, não en­tra nem sai o de­se­jo. O mais sexy dos fu­te­bo­lis­tas tor­nou-se um ho­lo­gra­ma, uma ima­gem des­car­na­da. O seu cor­po eró­ti­co foi im­preg­na­do de um ex­ces­so que o em­pur­ra pa­ra além dos seus fins e o anu­la na pa­ró­dia do ero­tis­mo. Nem gay nem he­te­ro, Cris­ti­a­no Ro­nal­do é um gé­ne­ro sin­gu­lar. Pro­va de que a te­o­ria do gé­ne­ro não é uma im­pos­tu­ra in­te­lec­tu­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.