Do­cu­men­tá­rio so­bre a ce­na do chu­vei­ro de Psi­co no MO­TELX

Publico - Ipsilon - - Sumário -

O no­me do do­cu­men­tá­rio re­fe­re-se às 78 po­si­ções da câ­ma­ra e aos 52 cor­tes que exis­tem ao lon­go dos sen­si­vel­men­te três mi­nu­tos de du­ra­ção da ce­na Se há ce­na da his­tó­ria do ci­ne­ma que me­re­ce um do­cu­men­tá­rio de 90 mi­nu­tos é a cha­ma­da “ce­na do chu­vei­ro”chu de Psi­co. A adap­ta adap­ta­ção que Al­fred Hit­ch­cock re­a­li­zo re­a­li­zou em 1960 do li­vro ho­món ho­mó­ni­mo de Ro­bert Blo­ch, que ti­nha saí­dos um ano an­tes, mu­dou in­de­le in­de­le­vel­men­te o mun­do do ter­ror e do ci­ne­ma em ge­ral, e é es­se o fo­co de 78/52, do­cum do­cu­men­tá­rio que pas­sa no sá­ba­do sá­ba­do, às 14h50, no Ci­ne­ma São Jor­ge, in­se­ri­do na pro­gra­ma­ção do MO­TELX,MO o fes­ti­val de ci­ne­ma de ter­ror­terr de Lis­boa. O fil­me se­gue- se a vá­ri­os li­vros e ar­ti­gos que há so­bre o as­sun­to. O no­me re­fe­re-se às 78 po­si­ções da câ­ma­ra e aos 52 cor­tes que exis­tem ao lon­go dos sen­si­vel­men­te três mi­nu­tos de du­ra­ção da ce­na, que de­mo­rou uma das qua­tro se­ma­nas que a ro­da­gem du­rou a ser fil­ma­da. O pró­prio Hit­ch­cock, que di­zia que ti­nha fei­to o fil­me só pa­ra fa­zer es­sa ce­na, re­fe­ria- se a ela, pa­ra­fra­se­an­do, co­mo uma for­ma de trans­fe­rir a ame­a­ça que es­ta­va no ecrã pa­ra a men­te do es­pec­ta­dor, e o ter­ror cau­sa­do não dei­xou nin­guém in­di­fe­ren­te na al­tu­ra. Ale­xan­dre O. Phi­lip­pe, que an­tes as­si­nou fil­mes so­bre a cul­tu­ra dos zom­bi­es ( Doc of the De­ad, de 2014) e co­mo os fãs se vi­ra­ram con­tra Ge­or­ge Lu­cas ( The Pe­o­ple vs. Ge­or­ge Lu­cas, de 2010), re­a­li­zou es­te do­cu­men­tá­rio que con­tex­tu­a­li­za a épo­ca cul­tu­ral em que o fil­me saiu, mos­tra co­mo tu­do foi fei­to tec­ni­ca­men­te fa­lan­do — in­cluin­do a ban­da so­no­ra, que en­vol­ve a mú­si­ca de Ber­nard Her­mann, bem co­mo uma fa­ca a ser es­pe­ta­da num me­lão, tes­ta­do de en­tre 27 va­ri­e­da­des di­fe­ren­tes pa­ra en­con­trar o som que mais se apro­xi­mas­se de car­ne hu­ma­na — e em que fãs, es­pe­ci­a­lis­tas e des­cen­den­tes de Anthony Per­kins (Os­go­od Per­kins) e Ja­net Leigh ( Ja­mie Lee Cur­tis), dois dos ac­to­res do fil­me, fa­lam so­bre a ce­na. São no­mes que vão do ac­tor e pro­du­tor Eli­jah Wood a re­a­li­za­do­res co­mo Guil­ler­mo Del To­ro, Neil Marshall, Mick Gar­ris, ou Pe­ter Bog­da­no­vi­ch, pas­san­do pe­lo es­cri­tor e ar­gu­men­tis­ta Bret Eas­ton El­lis — o au­tor de Psi­co­pa­ta Ame­ri­ca­no — ou o com­po­si­tor Danny Elf­man. Al­guns de­les já pas­sa­ram pe­lo pró­prio MO­TELX, co­mo Gar­ris ou Ri­chard Stan­ley, que foi ele pró­prio al­vo de um do­cu­men­tá­rio: Lost Soul, vis­to há dois anos no cer­ta­me, nar­ra as di­fi­cul­da­des que le­va­ram o sul- afri­ca­no a ser des­pe­di­do de A Ilha do Dr. Mo­re­au. E é tam­bém uma das ca­be­ças fa­lan­tes de Jo­do­rowky’s Du­ne, que foi exi­bi­do du­ran­te os pre­pa­ra­ti­vos do MO­TELX des­te ano e é so­bre o pro­jec­to que Ale­jan­dro Jo­do­rowsky, ho­me­na­ge­a­do do fes­ti­val des­te ano, ti­nha pa­ra adap­tar Du­na, o li­vro de Frank Her­bert. Além do do­cu­men­tá­rio so­bre a ce­na do chu­vei­ro, a edi­ção des­te ano do MO­TELX, que ar­ran­cou na ter­ça-fei­ra e con­ti­nua até do­min­go en­tre o Ci­ne­ma São Jor­ge, o Te­a­tro Ti­vo­li BBVA, a Ci­ne­ma­te­ca Por­tu­gue­sa, a Ci­ne­ma­te­ca Júnior e o Mu­seu Co­lec­ção Be­rar­do, en­tre ou­tros, con­ta com fil­mes de Jo­do­rowsky e Ro­ger Cor­man, o ou­tro con­vi­da­do de hon­ra — que deu a Bog­da­no­vi­ch as pri­mei­ras opor­tu­ni­da­des —, e am­bos a da­rem tam­bém mas­ter clas­ses, 30 lon­gas-me­tra­gens em es­treia ou an­te- es­treia, que vão de IT, de An­drés Mus­chi­et­ti, a Da­ve Ma­de a Ma­ze, de Bill Wat­ter­son — que não é o cri­a­dor de Cal­vin & Hob­bes —, pas­san­do por M.F.A., de Na­ta­lie Lei­te, Train to Bu­san, de Ye­on Sang-ho, ou Mayhem, de Joe Lyn­ch. Ro­dri­go No­guei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.