Es­cor­re san­gue (ou se­rá

Publico - Ipsilon - - Sumário - Gon­ça­lo Fro­ta

We’re Gon­na Be Al­right par­te do uni­ver­so dos block­bus­ters e, por is­so, pro­me­te vi­o­lên­cia, san­gue, se­xo, in­gre­di­en­tes ha­bi­tu­ais do ci­ne­ma car­re­ga­do de ac­ção e que usa ca­da tru­que no ma­nu­al pa­ra man­ter o pú­bli­co a sa­li­var

Há três anos, em Day for Night, nes­ta mes­ma sa­la da Cul­tur­gest, Cão Sol­tei­ro e An­dré Go­di­nho con­ti­nu­a­vam a par­ti­lhar a sua in­ves­ti­ga­ção em cur­so so­bre as re­la­ções en­tre te­a­tro e ci­ne­ma com uma ideia que par­ti­ra do an­te­ri­or Play, the Film (2011). E po­dia ex­pli­car-se as­sim: to­mar em mãos os tem­pos mor­tos das ro­da­gens de um fil­me e pro­mo­vê-los a cen­tro ne­vrál­gi­co de um espectáculo. O pal­co foi en­tão trans­for­ma­do em es­tú­dio de ci­ne­ma e a ro­da­gem foi al­vo de um ac­to te­a­tral. Em ce­na, ver­da­dei­ros téc­ni­cos, ac­to­res que in­ter­pre­ta­vam téc­ni­cos e um re­a­li­za­dor que era mes­mo An­dré Go­di­nho. E ao ca­mi­nha­rem num frá­gil equilíbrio por ci­ma da li­nha de tran­si­ção en­tre fic­ção e re­a­li­da­de, as­su­min­do a in­ten­ção de ro­dar de fac­to um fil­me da­qui­lo que pas­sa­va em pal­co, o pú­bli­co di­ver­tia- se e ria-se do anún­cio sé­rio de que era necessário si­lên­cio pa­ra que a ro­da­gem pu­des­se ter lu­gar.

Na­tu­ral con­sequên­cia de uma pos­tu­ra em ce­na que Pau­la Sá No­guei­ra, ac­triz e fun­da­do­ra do Cão Sol­tei­ro, des­cre­ve co­mo um “es­co­lha vo­cê mes­mo”, em que a ver­da­de e a men­ti­ra ficam ao cri­té­rio dos es­pec­ta­do­res, es­ta ten­ta­ti­va de le­var o ci­ne­ma pa­ra o lu­gar do te­a­tro le­va­va a que a en­ce­na­ção e a men­ti­ra es­ma­gas­sem o es­for­ço de ve­ro­si­mi­lhan­ça e si­mu­la­cro da re­a­li­da­de de que o ci­ne­ma mais ve­zes se ocu­pa. A ca­da novo pe­di­do de si­lên­cio por par­te dos ac­to­res e dos téc­ni­cos, mais a des­cren­ça na si­tu­a­ção se ins­ta­la­va en­tre o pú­bli­co, mais o ruí­do im­pe­ra­va e a sa­bo­ta­gem da­que­le mo­men­to obri­ga­va ca­da uma das ta­kes a ser ati­ra­da pa­ra o li­xo. “Qu­an­to mais ten­tá­va­mos ex­pli­car que aqui­lo era ver­da­dei­ro”, re­su­me An­dré, “mais as pes­so­as acre­di­ta­vam que era fal­so.” “Por­que o pú­bli­co es­ta­va na con­ven­ção do te­a­tro”, jus­ti­fi­ca Pau­la. Se acon­te­cia em ci­ma de um pal­co e na­que­le ins­tan­te, só po­de­ria ser te­a­tro — o ci­ne­ma se­ria sem­pre uma frau­de.

Avan­ça­mos três anos, pa­ra o pre­sen­te, e aque­le mes­mo pal­co lis­bo­e­ta vol­ta a aco­lher (de 7 a 10 de Se­tem­bro) um diá­lo­go en­tre te­a­tro e ci­ne­ma em­pre­en­di­do pe­la par­ce­ria de Cão Sol­tei­ro e An­dré Go­di­nho. O pa­ra­dig­ma ago­ra é, na­tu­ral­men­te, ou­tro. We’re Gon­na Be Al­right par­te do uni­ver­so dos block­bus­ters e, por is­so, pro­me­te vi­o­lên­cia, san­gue, se­xo, to­dos os in­gre­di­en­tes ha­bi­tu­ais do ci­ne­ma car­re­ga­do de

Em mais um ca­pí­tu­lo da par­ce­ria da com­pa­nhia Cão Sol­tei­ro com o re­a­li­za­dor An­dré Go­di­nho, te­a­tro e ci­ne­ma vol­tam a di­a­lo­gar na Cul­tur­gest, em Lis­boa. We’re Gon­na Be Al­right par­te da ex­plo­ra­ção dos efei­tos es­pe­ci­ais e pro­me­te san­gue, vi­o­lên­cia e se­xo.

ac­ção e que usa ca­da tru­que no ma­nu­al do cir­cui­to mains­tre­am pa­ra man­ter o pú­bli­co a sa­li­var na ca­dei­ra. “Par­ti­mos pa­ra al­go em tor­no do que as pes­so­as su­pos­ta­men­te gos­tam de ver quan­do vão ao ci­ne­ma di­to co­mer­ci­al”, diz o re­a­li­za­dor. “E en­tão de­ci­di­mos cons­truir to­do o espectáculo a par­tir des­ses ele­men­tos.” Es­ta no­ção da­qui­lo que “as pes­so­as gos­tam de ver” in­ci­de de­pois so­bre uma sequên­cia de ce­nas re­co­nhe­cí­veis, por­que o ima­gi­ná­rio de qual­quer es­pec­ta­dor es­tá já pro­fu­sa­men­te po­vo­a­do por es­tes có­di­gos. Co­mo um pla­no de um fil­me de épo­ca num pa­lá­cio da aris­to­cra­cia eu­ro­peia ou uma ce­na de por­ra­da­ria que ter­mi­na com al­guém a cus­pir san­gue e den­tes par­ti­dos nu­ma ca­sa de ba­nho. Só que, tra­tan­do- se de block­bus­ters, es­te uni­ver­so es­tá re­ple­to de efei­tos es­pe­ci­ais. E é es­sa a ba­se de tra­ba­lho pa­ra We’re Gon­na Be Al­right: o con­fron­to per­ma­nen­te de uma mes­ma ce­na ti­po, pre­vi­a­men­te fil­ma­da, mon­ta­da e exi­bi­da nu­ma te­la e de acor­do com os re­cur­sos ar­ti­fi­ci­o­sos do ci­ne­ma, e a sua reprodução em pal­co pe­las mes­mas ac­tri­zes, pon­do a nu a fa­bri­ca­ção de ca­da um dos efei­tos em ques­tão.

As­sim, quan­do ve­mos Cris­ta Al­fai­a­te na pe­le de mem­bro da re­a­le­za ou de qual­quer ou­tra fi­gu­ra pro­e­mi­nen­te de uma cor­te cheia de se­gre­dos de al­co­va, de ros­to al­vo e uma or­na­men­ta­da go­la de ca­nu­di­nhos, quan­do a ve­mos ser de­go­la­da no gran­de ecrã, ve­mo-la tam­bém no pal­co, com o ce­ná­rio re­du­zi­do àqui­lo que é es­sen­ci­al à ce­na, tro­can­do a ma­jes­to­si­da­de por uma prag­má­ti­ca e pou­co one­ro­sa reprodução de um pa­lá­cio que é, afi­nal, pou­co mais do que um pe­que­no rec­tân­gu­lo de ma­dei­ra. Da mes­ma for­ma que quan­do ve­mos a mes­ma ac­triz ser vi­o­len­ta­men­te abal­ro­a­da por um car­ro, des­co­bri­re­mos na sa­la co­mo é que a ilu­são do em­ba­te é en­gen­dra­da. “E se ti­vés­se­mos mais dinheiro e mais mei­os se­ri­am ex­plo­sões e per­se­gui­ções de car­ro e coi­sas do gé­ne­ro”, di­zem.

Ao au­sen­tar We’re Gon­na Be Al­right de qual­quer ve­lei­da­de nar­ra­ti­va, Cão Sol­tei­ro e An­dré Go­di­nho iso­lam os efei­tos, pon­do de pé um espectáculo sem tex­to te­a­tral e que, acre­di­ta Pau­la, “em prin­cí­pio se­rá um espectáculo que deve agra­dar”. Mas ri-se da sua pró­pria declaração, ao par­tir des­te exer­cí­cio de adi­vi­nha­ção da­qui­lo que se­rá da pre­fe­rên­cia do pú­bli­co. Por­que ao tra­zer vi­o­lên­cia e san­gue, se­xo e es­per­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.