Ket­chup?) na Cul­tur­gest

Publico - Ipsilon - - Sumário -

pa­ra o pal­co, sem o de­mais con­tex­to (por mí­ni­mo que se­ja) que qual­quer fil­me ofe­re­ce, apon­ta a uma ci­ta­ção do au­tor in­glês Will Self em que es­te de­cla­ra a per­ple­xi­da­de pe­ran­te a ex­tre­ma vi­o­lên­cia — “Dis­se a mim mes­mo um mi­lhar de ve­zes pa­ra não me cho­car no­va­men­te pe­ran­te aqui­lo que as pes­so­as fa­zem pa­ra se di­ver­ti­rem, por ra­zões que não sa­bem ex­pli­car”. A nar­ra­ti­va, a exis­tir uma, é exac­ta­men­te a da dis­se­mi­na­ção da vi­o­lên­cia pe­los ecrãs e o qu­an­to o es­pa­lha­fa­to de um efei­to pre­ten­de, afi­nal, su­ge­rir re­a­lis­mo.

Tru­ques de ma­gia

Não é preciso es­gra­va­tar-se mui­to na cul­tu­ra ci­ne­ma­to­grá­fi­ca pa­ra nos de­pa­rar­mos com a po­pu­lar sus­pen­si­on of dis­be­li­ef — qual­quer coi­sa co­mo a sus­pen­são da des­cren­ça, ou co­mo o sim­ples fac­to de al­guém se sen­tar nu­ma sa­la de ci­ne­ma es­ta­be­le­ce de ime­di­a­to o con­tra­to de que es­ta­rá na dis­po­si­ção de acre­di­tar sem gran­de re­sis­tên­cia em tu­do qu­an­to lhe pos­sam pôr à fren­te. Em We’re Gon­na Be Al­right — um du­plo ace­no aos fi­nais fe­li­zes de qual­quer block­bus­ter e so­bre­tu­do à au­sên­cia de re­ais con­sequên­ci­as de qual­quer su­ges­tão de agres­si­vi­da­de ou vi­o­lên­cia no espectáculo —, mais uma vez, es­se con­tra­to é co­lo­ca­do à con­si­de­ra­ção do es­pec­ta­dor. Na he­si­ta­ção en­tre o ci­ne­ma e o te­a­tro, no cons­tan­te ba­lan­ce­ar en­tre as du­as lin­gua­gens em que man­dam à vez ou dis­pu­tam o olhar em si­mul­tâ­neo, os efei­tos po­dem ser fa­cil­men­te var­ri­dos pa­ra o la­do da men­ti­ra e da ma­ni­pu­la­ção, mas é qua­se ine­vi­tá­vel ter de li­dar com uma von­ta­de ge­nuí­na de que­rer acre­di­tar em al­go que é ma­ni­fes­ta­men­te fal­so.

E An­dré Go­di­nho usa co­mo exem­plo pa­ra is­to mes­mo o de um téc­ni­co da Cul­tur­gest que, nu­ma cer­ta ce­na em que uma per­na so­fre um gol­pe, mes­mo sa­ben­do que es­sa per­na é do mais fa­ju­to que po­de ha­ver, se ar­re­pia de ca­da vez que vê os efei­tos des­sa vi­o­lên­cia con­tro­la­da e sem ris­co al­gum. Es­tá sem­pre pre­sen­te “es­se jo­go en­tre aqui­lo que sa­be­mos que é fal­so mas que sen­ti­mos que nos eno­ja ou nos im­pres­si­o­na, em que não há qual­quer ex­pli­ca­ção ra­ci­o­nal pa­ra uma coi­sa que aca­bá­mos de ver que não é ver­da­dei­ra con­ti­nu­ar a pro­du­zir es­se efei­to”. “De cer­ta ma­nei­ra”, ar­gu­men­ta An­dré, “é co­mo des­ven­dar um tru­que de ma­gia an­tes de o fa­zer­mos, mas de­pois fi­car­mos ain­da as­sim im­pres­si­o­na­dos com o tru­que.”

Tal es­pé­cie de au­tóp­sia aos se­gre­dos dos efei­tos es­pe­ci­ais aju­da a ex­pli­car a ex­pres­são block­bus­ted que sur­ge nos tex­tos de apre­sen­ta­ção de We’re Gon­na Be Al­right e des­ven­da um cer­to pra­zer com a ex­po­si­ção dos efei­tos, nun­ca sa­ben­do se es­sa des­cons­tru­ção con­tri­bui­rá pa­ra rou­bar al­gu­ma ca­pa­ci­da­de de cho­car e emo­ci­o­nar ou, pe­lo con­trá­rio, pa­ra tes­tar a in­sis­tên­cia em dar-lhes cré­di­to. E em­bo­ra Pau­la Sá No­guei­ra apon­te o de­do a “um bai­xo ní­vel de dis­cur­so crí­ti­co, em que aqui­lo que se exi­ge [a um block­bus­ter] é ape­nas a exe­cu­ção crí­vel de uma per­se­gui­ção ou de uma mor­te”, re­cu­sa qual­quer “pre­ten­são mo­ra­lis­ta” que olhe com des­dém pa­ra es­te ci­ne­ma a par­tir de um lu­gar de su­pe­ri­o­ri­da­de.

“O que é pa­ra mim pre­o­cu­pan­te”, acres­cen­ta, “é que to­da es­ta ex­tre­ma vi­o­lên­cia se­ja um gran­de en­tre­tém e pro­vo­que uma gran­de ex­ci­ta­ção.” E re­cor­re ao exem­plo de um do­cu­men­tá­rio de stand-up co­medy a que as­sis­tiu e que es­miu­ça­va a fór­mu­la a se­guir pa­ra que pi­a­das tão pou­co ri­sí­veis qu­an­to aque­las que en­vol­vam a mor­te de uma cri­an­ça pos­sam ser pre­pa­ra­das, des­can­san­do o pú­bli­co re­la­ti­va­men­te à sua cons­ci­ên­cia, lan­ça­das ape­nas no mo­men­to em que con­si­gam pro­vo­car nos es­pec­ta­do­res o mes­mo ri­so des­bra­ga­do que te­ri­am se as­sis­tis­sem a al­guém a es­cor­re­gar nu­ma cas­ca de ba­na­na. “Nes­sa al­tu­ra já não há pro­ble­ma, es­tão ili­ba­dos, não é gra­ve nem são más pes­so­as, é ape­nas hu­mor.”

Em We’re Gon­na Be Al­right dei­ta­se fo­ra qual­quer ti­po de pre­pa­ra­ção pa­ra a vi­o­lên­cia, mas mos­tra- se tam­bém quão fal­si­fi­ca­da ela po­de ser. E põe-se de pé um espectáculo que pro­me­te ser fei­to com os ele­men­tos cer­tos pa­ra agra­dar mas que, ain­da as­sim, po­de não o fa­zer. “Só pro­me­te­mos que usa­mos as coi­sas pa­ra agra­dar às pes­so­as”, di­zem. Ou se­ja, e mais uma vez, por­ra­da, san­gue, se­xo es­tão ga­ran­ti­dos. Mas sem qual­quer fac­tor ate­nu­an­te, sem qual­quer li­ga­ção emo­ci­o­nal a per­so­na­gens, sem qual­quer des­cul­pa cons­truí­da pa­ra ca­da clí­max, po­de ser que res­te ape­nas o gro­tes­co e as dú­vi­das so­bre a ne­ces­si­da­de de re­cor­rer a es­tes mo­men­tos es­tu­da­dos e re­pe­ti­dos à exaus­tão. E dá que pen­sar o que se­ria de um block­bus­ter se evi­tas­se es­tes ape­a­dei­ros obri­ga­tó­ri­os. Tal­vez os olha­res ti­ves­sem de adi­vi­nhar mais e a ha­ver mais ci­ne­ma nas en­tre­li­nhas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.